sexta-feira, 20 de dezembro de 2019

Cenário 20/12/2019

Na esteira dos dados mais recentes de atividade, o Banco Central elevou sua expectativa para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2020. De acordo com o Relatório Trimestral de Inflação (RTI), divulgado ontem, a projeção de crescimento da economia no próximo ano passou de 1,8% para 2,2%. Se confirmado, o resultado será aproximadamente o dobro do registrado em 2019.

Impulsionada pelo interesse de grupos estrangeiros, a privatização de oito refinarias da Petrobrás deverá movimentar mais de R$ 50 bilhões, segundo estimativas de analistas de mercado. Empresas petroleiras, grandes grupos internacionais e companhias brasileiras entram na reta final para a apresentação das propostas, processo que teve início em novembro. O resultado da venda das quatro primeiras unidades vai sair em março do próximo ano.

O senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ) reagiu nesta quinta-feira à investigação sobre um suposto esquema de “rachadinha” em seu antigo gabinete na Assembleia Legislativa do Rio com críticas ao juiz Flávio Itabaiana Nicolau, responsável pelo caso, e provocações aos promotores e ao governador do Rio, Wilson Witzel (PSC). Flávio entrou com um habeas corpus no Supremo Tribunal Federal com o objetivo de tentar suspender a apuração mais uma vez. O recurso foi distribuído para o ministro Gilmar Mendes.

A maior parte dos mercados asiáticos fechou em queda nesta sexta-feira, mas registrou valorização semanal com o anúncio de um acordo inicial entre Estados Unidos e China, na semana passada. Ontem, o secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, disse estar confiante de que o pacto será assinado em janeiro, o que permitiu novos recordes em Wall Street.

Nos negócios da China continental, o Xangai Composto fechou em queda de 0,40%, a 3.004,94 pontos, mas com ganho semanal de 1,26%. O menos abrangente Shenzhen Composto apresentou recuo de 0,74%, a 1.700,29 pontos, mas subiu 2,39% na semana.

Mnuchin, um dos líderes das negociações com a China pelo lado americano, afirmou estar "confiante" de que a "fase 1" do acordo bilateral, que passa agora por revisão técnica, seja assinada já em janeiro. Embora tenha dito que o governo dos EUA ainda tem espaço para elevar tarifas a produtos chineses caso o entendimento fracasse, Mnuchin defendeu que seu país está preparado para "trabalhar duro" por uma segunda fase do pacto.

Em outras partes da Ásia, o Hang Seng fechou em leve alta de 0,08% em Hong Kong, a 27.823,25 pontos, e avançou 0,49% na semana. o sul-coreano Kospi subiu 0,35% em Seul, a 2.204,18 pontos, e se valorizou 1,56% na semana. O Taiex cedeu 0,50% em Taiwan, a 11.959,08 pontos, mas avançou 0,26% na semana.

Já na Oceania, na bolsa australiana, o S&P/ASX 200 terminou o dia em queda de 0,25% em Sydney, a 6.816,30 pontos, mas subiu 1,14% na semana.

O Banco do Povo da China (PBoC, na sigla em inglês) decidiu manter suas taxas de juros de referência, após ter feito nesta semana uma "enorme injeção de liquidez" apesar das melhores perspectivas para a economia, lembra o Rabobank. "Esse talvez seja o resumo perfeito de onde terminamos este ano e esta década. A economia piora, diminuímos os juros; a economia melhora, e ainda reduzimos os juros", ironizam os analistas.

Para a Capital Economics, a manutenção significa que o PBoC "está confortável com o nível atual das taxas de empréstimos bancários", mas provavelmente representa uma pausa e não o fim do ciclo de flexibilização no gigante asiático. A consultoria espera que o banco central chinês reduza os juros em mais 50 pontos-base em 2020, como resultado das pressões sobre balanços corporativos e a desaceleração econômica.

O japonês Nikkei recuou 0,20% em Tóquio, a 23.816,63 pontos. O índice foi uma exceção e registrou queda semanal de 0,86%.

A Câmara dos Deputados da Nação Argentina aprovou, por 134 votos a 110, um pacote econômico emergencial proposto pelo governo do presidente Alberto Fernández após mais de 15 horas de sessão. A votação favorável é considerada uma vitória ao novo mandatário, que assumiu há apenas dez dias, em 10 de dezembro.

O projeto propõe poderes excepcionais ao Executivo. Pela lei, o governo poderá realizar, por um ano, medidas tributárias, previdenciárias, financeiras, administrativas, sociais e de saúde sem precisar passar leis pelo Congresso, segundo a imprensa local.

O La Nación destaca que a Frente de Todos, partido de Fernández, concordou com algumas mudanças para garantir a aprovação, mas que não afetaram os pilares fundamentais do texto - como a permissão para elevar alguns impostos e renegociar o atual esquema tarifário.

Segundo o Ámbito Financiero, o governo tem uma reunião agendada para hoje às 14h (de Brasília) no Senado com objetivo de sancionar o projeto.

O Índice de Confiança da Construção (ICST) subiu 3,3 pontos em dezembro, para 92,3 pontos, informou há pouco a Fundação Getulio Vargas (FGV). É a terceira alta consecutiva para o indicador, que atingiu o maior nível desde junho de 2014, quando o patamar registrado foi de 92,9 pontos.

Os dois componentes do ICST tiveram melhora no mês. O Índice de Situação Atual (ISA-CST) subiu 1,3 pontos, para 82,6 pontos, o maior nível desde janeiro de 2015 (85,3). Já o Índice de Expectativas (IE-CST) avançou 5,2 pontos, para 102,2, maior patamar desde junho de 2013 (102,6). A alta foi puxada pela melhora do indicador de demanda prevista nos próximos três meses, que subiu 6,2 pontos, para 103,2.

O Nível de Utilização da Capacidade (NUCI) do setor também mostrou alta, de 1,4 ponto porcentual, atingindo 71,9%. O patamar de variação foi igual tanto para o NUCI de Máquinas e Equipamentos, quanto para o de Mão de Obra.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) registrou alta de 1,05% em dezembro, após ter avançado 0,14% em novembro, informou há pouco o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Com o resultado anunciado hoje, o IPCA-15 acumulou um aumento de 3,91% no ano de 2019. Nessa base de comparação, o resultado ficou igualmente perto do teto das estimativas e acima da mediana. As projeções iam de avanço de 3,50% a 3,95%, com mediana de 3,83%.

O IBOV movimentou-se de forma estritamente técnica ao longo da semana, apoiando-se sobre a média móvel de 5 períodos, a linha em verde na imagem.

Consolidou fundo na região e depois elevou-se, deixando para trás 113.200, suporte imediato, caso a média móvel supra citada não segure os preços.

Uma correção, seja no tempo ou no preço, seria absolutamente normal e esperada, aliviando indicadores e proporcionando a entrada de sangue novo.

Ocorre que candles vermelhos são cada vez mais raros, sorte dos comprados, drama dos vendidos.


Um ótimo final de semana.

Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan
Diretor da TopTraders
contato@toptraders.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário