segunda-feira, 16 de dezembro de 2019

Cenário 16/12/2019

A produção industrial e o consumo doméstico da China se expandiram em ritmo mais forte do que se previa em novembro, indicando uma possível recuperação da atividade após o governo chinês lançar uma série de medidas de estímulo para conter a desaceleração da segunda maior economia do mundo.

Dados do Escritório Nacional de Estatísticas (NBS, pela sigla em inglês) mostram que a produção industrial chinesa subiu 6,2% em novembro ante igual mês do ano passado, ganhando força em relação ao aumento de 4,7% verificado em outubro. O resultado superou a expectativa de 15 analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam acréscimo de 5% na produção industrial no último mês.

As vendas no varejo da China tiveram alta anual de 8% em novembro, ante ganho de 7,2% em outubro e também superando a projeção do mercado, de avanço de 7,6%.

Já os investimentos em ativos fixos em áreas urbanas do país aumentaram 5,2% no acumulado de janeiro a novembro em relação a igual período de 2018. A taxa de crescimento é a mesma observada no ano até outubro e veio em linha com o esperado por analistas.

O preço médio de novas moradias em 70 grandes cidades da China subiu 7,27% na comparação anual de novembro, segundo cálculos do The Wall Street Journal baseados em dados do Escritório Nacional de Estatísticas (NBS, pela sigla em inglês) do país. O resultado mostra desaceleração ante o aumento anual de 7,99% registrado em outubro.

Em relação ao mês anterior, os preços de novas moradias chinesas mostraram alta média de 0,29% em novembro. Em outubro, o ganho mensal havia sido de 0,50%.

As vendas de moradias na China em valor avançaram 10,7% entre janeiro e novembro em relação a igual período do ano passado, segundo dados do Escritório Nacional de Estatísticas (NBS, na sigla em inglês) do país. O resultado mostra leve desaceleração no setor imobiliário, uma vez que as vendas entre janeiro e outubro haviam apresentado ganho anual de 10,8%.

Já os investimentos no desenvolvimento de projetos imobiliários tiveram expansão anual de 10,2% nos primeiros onze meses do ano, também um pouco menor do que o acréscimo de 10,3% visto no acumulado até outubro.

As construções iniciadas - considerando-se tanto residências quanto propriedades comerciais - cresceram 9,3% no confronto anual do intervalo entre janeiro e novembro. Entre janeiro e outubro, o avanço neste segmento havia sido de 10%.

O índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) composto da Alemanha, que engloba os setores industrial e de serviços, ficou estável em dezembro ante novembro, em 49,4, segundo dados preliminares divulgados hoje pela IHS Markit. A leitura abaixo de 50 indica que a atividade na maior economia europeia permanece em contração.

Apenas o PMI industrial caiu de 44,1 em novembro para 43,4 em dezembro, frustrando a expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam avanço a 44,5.

Já o PMI de serviços da Alemanha subiu de 51,7 para 52 no mesmo período, tocando o maior nível em quatro meses e vindo em linha com a projeção do mercado. Neste caso, o dado acima de 50 mostra que o segmento continua em expansão.

As vendas no varejo brasileiro (descontada a inflação) cresceram 5,2% em novembro ante igual período do ano anterior, segundo o Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA). Em termos nominais, que espelham a receita de vendas observadas pelo varejista, o ICVA apresentou alta de 7,6%. Além da Black Friday, um sábado a mais que em 2018 e uma quinta-feira - data em que a movimentação do comércio é menor - a menos em relação a novembro do ano passado, contribuíram para o resultado. A empresa observa ainda que o feriado de Finados também caiu em um sábado, diferente de 2018 quando caiu no sexta-feira e diminuiu o ritmo do varejo.

Descontados estes efeitos, o ICVA de novembro apresentou aceleração do crescimento das vendas em relação a outubro, quando o indicador apresentou alta de 6,9%.

Em nota, Gabriel Mariotto, diretor de Inteligência da Cielo, ressalta que a Black Friday foi essencial para o resultado de novembro, mesmo já tendo sido forte no ano passado. "Destaco este ano o desempenho das lojas físicas: muitas aderiram à onda, que, aqui no Brasil, começou nas lojas online", acrescentou.

O Relatório de Mercado Focus, divulgado nesta manhã pelo Banco Central, mostrou que a mediana das projeções do IGP-M de 2019 passou de 5,79% para 6,03%. Há um mês, estava em 5,45%. No caso de 2020, o IGP-M projetado foi de alta de 4,14% para 4,17%, ante 4,07% de quatro semanas antes.

Calculados pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), os Índices Gerais de Preços (IGPs) são bastante afetados pelo desempenho do câmbio e pelos produtos de atacado, em especial os agrícolas.

O gráfico diário do IBOV mostra uma tendência de alta gradual, equilibrada e absolutamente direcional, com volatilidade controlada e volume importante.

A velha teoria de cozinhar o sapo, porque se colocar para fritar no óleo quente ele foge.

A pergunta é: quem é o sapo?


Bons negócios!

Um ótimo dia.

Wagner Caetano, para o Cartezyan
Diretor da TopTraders
contato@toptraders.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário