quinta-feira, 10 de outubro de 2019

Cenário 10/10/2019

O preço do minério de ferro negociado no porto de Qingdao, na China, subiu 2,88% nesta quinta-feira, a US$ 93,68 a tonelada, em meio a expectativa com a retomada das negociações comerciais entre os EUA e a China.

No dia em que o Banco Central Europeu (BCE) divulga sua mais recente ata de reunião de política monetária, quando optou por retomar o programa de relaxamento quantitativo (QE, na sigla em inglês), o jornal britânico de economia Financial Times informa que a decisão sofreu forte resistência da instituição. A notícia mostra que a medida, que já sofreu críticas externas, também não era totalmente aprovada internamente, reabrindo divisões dentro da autoridade monetária.

O comitê de política monetária do banco, no qual estão reunidos os tecnocratas do BCE e dos 19 bancos centrais da zona do euro, desaconselhou a retomada ds compras de títulos em uma carta enviada ao presidente da instituição, Mario Draghi, e a outros membros de seu conselho dias antes da decisão, segundo três membros informaram ao diário. O FT lembra que oponentes da política monetária mais dovish de Draghi tentam pressionar Christine Lagarde para que ela mude o rumo de atuação quando assumir o BCE em 1º de novembro.

O periódico enfatiza que, segundo um dos membros do conselho, esta foi uma das poucas ocasiões em que o conselho do comitê não é seguido nos oito anos desde que Draghi se tornou presidente. A opinião do comitê não é vinculativa e foi ignorada pelo menos outras quatro vezes. O BCE se recusou a comentar. O próprio comitê estava dividido sobre reiniciar as compras de títulos, depois de um hiato de nove meses no programa de 2,6 trilhões de euros. Mas a maioria se opôs a isso porque o principal motivo para avançar era reduzir as taxas de juros de longo prazo e esses já haviam caído para níveis mínimos, disseram os membros do conselho.

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) subiu 0,68% na primeira prévia de outubro, após ter recuado 0,60% na primeira prévia de setembro. A informação foi divulgada há pouco pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Com o resultado, o índice acumulou elevação de 4,80% no ano de 2019 e avanço de 3,16% em 12 meses.

A FGV informou ainda os resultados dos três indicadores que compõem a primeira prévia do IGP-M de outubro. O IPA-M, que representa os preços no atacado, aumentou 1,02% em outubro, ante um recuo de 0,95% na primeira prévia de setembro. O IPC-M, que corresponde à inflação no varejo, apresentou queda de 0,01% na prévia de outubro, depois de uma redução de 0,09% em igual leitura de setembro. Já o INCC-M, que mensura o custo da construção, teve aumento de 0,11% na primeira prévia de outubro, depois da alta de 0,50% na primeira prévia de setembro.

O IGP-M é usado para reajuste de contratos de aluguel. O período de coleta de preços para cálculo do índice foi de 21 a 30 de setembro. No dado fechado do mês de setembro, o IGP-M teve queda de 0,01%.

As vendas do comércio varejista subiram 0,1% em agosto ante julho, na série com ajuste sazonal, informou há pouco o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado veio dentro do intervalo das estimativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, que esperavam desde uma queda de 0,90% a avanço de 0,80%, mas abaixo da mediana, que indicava alta de 0,30%.

Na comparação com agosto de 2018, sem ajuste sazonal, as vendas do varejo tiveram alta de 1,3% em agosto de 2019. Nesse confronto, as projeções iam de uma elevação de 0,10% a 3,80%, com mediana positiva de 2,10%.

As vendas do varejo restrito acumularam crescimento de 1,2% no ano. No acumulado em 12 meses, houve avanço de 1,4%.

Quanto ao varejo ampliado, que inclui as atividades de material de construção e de veículos, as vendas ficaram estáveis (0,0%) em agosto ante julho, na série com ajuste sazonal. O resultado veio dentro do intervalo das estimativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, que esperavam desde um recuo de 1,0% a alta de 1,1%, mas abaixo da mediana, que era positiva em 0,60%.

Na comparação com agosto de 2018, sem ajuste, as vendas do varejo ampliado tiveram alta de 1,4% em agosto de 2019. Nesse confronto, as projeções variavam de uma redução de 0,40% a expansão de 4,90%, com mediana positiva de 2,40%.

As vendas do comércio varejista ampliado acumularam alta de 3,5% no ano. Em 12 meses, o resultado foi de avanço de 3,7%.

A B3 ganhou um ar sofisticado com a estreia da Vivara, que acaba de abrir seu capital. Faixas laranja - cor da embalagem da rede de joalheria - estamparam até mesmo o prédio da Bolsa, que recebe hoje a direção da companhia para o toque do sino, que marcará o primeiro dia de negociação da ação da Vivara na bolsa paulista.

O IBOVESPA mostra reação na sessão de ontem, com um candle de massa, que reforça a leitura de fundo duplo no diário.

A prova de fogo será hoje, sob impacto da Cessão Onerosa e desdobamentos da Trade War sino-americana.

Uma simples correção na parte alta já animaria os touros no curto prazo; se houver alta consistente, especialmente em fechamento, o sinal de fundo ganhará força.



Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan
Diretor da TopTraders
contato@toptraders.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário