sexta-feira, 26 de julho de 2019

CENÁRIO 26/07/2019



A maioria dos principais indicadores acionários da Ásia encerrou a sessão desta sexta-feira em baixa, diante de uma escalada nas tensões comerciais entre Japão e Coreia do Sul. Também contribuíram para as perdas nas bolsas asiáticas sinais menos "dovish" do que o esperado por parte do Banco Central Europeu (BCE).

Na Bolsa de Seul, o índice Kospi caiu 0,40% nesta sexta-feira, chegando ao fim do pregão com 2.066,26 pontos, depois de notícias da imprensa japonesa de que Tóquio pretende retirar a Coreia do Sul da lista de parceiros comerciais mais favorecidos. Tensões comerciais entre os dois países aumentaram desde que um tribunal sul-coreano decidiu, no ano passado, que as empresas japonesas deveriam pagar uma compensação por práticas de trabalho forçado antes e durante a Segunda Guerra Mundial, um veredicto que o Japão alegou ser ilegal sob a lei internacional.

Na Bolsa de Tóquio, o índice Nikkei caiu 0,45%, para 21.658,15 pontos, enquanto o australiano S&P/ASX 200 recuou 0,36%, para 6.793,40 pontos. Em solo chinês, o Xangai Composto subiu 0,24%, para 2.944,54 pontos, enquanto o menos abrangente Shenzen Composto terminou o dia estável, com 1.573,45 pontos. Já o índice Hang Seng, de Hong Kong, caiu 0,69%, para 28.397,74 pontos.

Pesquisa do Banco Central Europeu (BCE) feita com analistas do mercado financeiro mostrou que economistas acreditam em uma fraqueza ainda maior da inflação na zona do euro neste ano e em 2020 e 2021, enquanto as projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) se mantiveram inalteradas neste ano e em 2021, mas sofreram revisões para baixo em 2020.

De acordo com o levantamento feito pelo BCE, o índice de preços ao consumidor harmonizado (HICP, na sigla em inglês) da zona do euro deve ficar em 1,3% em 2019, uma queda de 0,1 ponto porcentual em relação à pesquisa anterior, quando foi projetada inflação de 1,4%. A pesquisa também indicou revisões de menos 0,1 ponto porcentual na inflação em 2020 e em 2021. Para o próximo ano, o HICP é projetado para ficar em 1,4% ante o nível de 1,5% observado na sondagem anterior. Para 2021, os economistas projetam que a inflação ficará em 1,5%, enquanto esperavam 1,6% anteriormente.

A pesquisa da autoridade monetária da zona do euro também mostrou que o crescimento do PIB da região sofreu revisão para baixo em 2020. O levantamento, agora, indica expectativa de que a expansão na zona do euro no próximo ano será de 1,3%, enquanto o levantamento anterior apontava para crescimento de 1,4%. As projeções tanto para 2019 quanto para 2021 foram mantidas inalteradas em 1,2% e 1,4%, respectivamente.

O Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos cresceu à taxa anualizada de 2,1% no segundo trimestre, mostrou a primeira estimativa do indicador divulgada nesta sexta-feira pelo Departamento do Comércio. A leitura veio dentro do intervalo das 46 instituições consultadas pelo Projeções Broadcast, entre 1,0% e 2,5%, e acima da mediana, de 1,9%.

Trata-se de uma desaceleração em relação ao avanço anualizado da economia americana de 3,1% registrado entre janeiro e março deste ano.

O índice de preços de gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês) cresceu à taxa anualizada de 2,3%, uma aceleração significativa em relação à alta observada no primeiro trimestre, que foi revisada de 0,5% para 0,4%.

Já o núcleo do PCE, que desconsidera preços de alimentos e energia, subiu 1,8% entre abril e junho, também em ritmo superior ao dos três primeiros meses do ano, revisado de 1,2% para 1,1%.

Segundo o Departamento do Comércio, a desaceleração do PIB no segundo trimestre reflete impactos negativos de investimentos e exportações, que foram "parcialmente compensados" por acelerações no PCE e nos gastos do governo federal.

O Índice Nacional de Custo da Construção - Mercado (INCC-M) acelerou o ritmo de alta a 0,91% em julho, após 0,44% em junho, informou há pouco a Fundação Getulio Vargas (FGV).

A taxa do indicador relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços desacelerou a velocidade de elevação a 0,07%, na comparação com 0,11% no sexto mês do ano. Em contrapartida, a taxa do índice referente à Mão de Obra avançou a 1,63% em julho, depois de 0,72% em junho.

No grupo Materiais, Equipamentos e Serviços, a taxa do segmento de Materiais e Equipamentos arrefeceu a 0,04% em relação à variação de 0,09% em junho.

Dos quatro subgrupos componentes, dois apresentaram desaceleração, com destaque para materiais para estrutura, cuja taxa passou de 0,07% a 0,01%.

Já o segmento de Serviços repetiu a taxa de 0,30% do mês passado. Nesta categoria, a FGV destaca o alívio em item projetos, de 0,48% para variação zero. Em contrapartida, o item aluguel de máquinas saiu de 0,14% para 0,59% em julho.

O INCC-M apresentou aceleração em cinco das sete capitais pesquisadas: Belo Horizonte (0,05% para 0,08%), Recife (0,51% para 2,16%), Rio de Janeiro (-0,02% para alta de 0,17%), Porto Alegre (-0,05% a -0,03%) e São Paulo (0,93% a 1,77%). As taxas de Brasília (0,15% para 0,11%) e Salvador (-0,02% para -0,06%) registraram decréscimo.

O INCC-M é calculado com base nos preços coletados entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência.

A Usiminas reverteu o prejuízo líquido de R$ 19 milhões do segundo trimestre de 2018 em lucro líquido de R$ 171 milhões de abril a junho.

A companhia siderúrgica mineira apresentou Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado de R$ 576 milhões, alta de 11% na mesma comparação, com margem de 16%; estável sobre o segundo trimestre de 2018 e 2 pontos porcentuais acima do primeiro trimestre deste ano. O critério ajustado considera a participação proporcional de 70% da Unigal e outras controladas em conjunto.

O gráfico diário do IBOV aponta um marobuzu, candle amplo, com domínio vendedor do início ao final da sessão de ontem (25).

O forte volume chamou a atenção, deixando no ar uma dúvida sobre início de um movimento de queda mais acentuado e duradouro ou exaustão, com troca de mãos entre os players.

O sinal que será desenhado nessa sexta-feira será nevrálgico, essencial e decisivo.

Percebem que o benchmark opera sobre o topo marcado em junho e colado na média móvel de 21 períodos.

Apertem os cintos e bons negócios!



Wagner Caetano, para o Cartezyan
Diretor da TopTraders
contato@toptraders.com.br



Nenhum comentário:

Postar um comentário