quinta-feira, 30 de maio de 2019

Cenário 30/05/2019

As bolsas asiáticas fecharam em geral em queda nesta quinta-feira. Após uma sessão negativa ontem em Nova York, os mercados do continente foram pressionados pelo temor com o quadro de tensões no comércio entre Estados Unidos e China e também com a trajetória do crescimento global, mesmo que sem grandes novidades nessas frentes nas últimas horas.

Na China, a Bolsa de Xangai fechou em baixa de 0,31%, em 2.905,81 pontos, e a de Shenzhen, de menor abrangência, recuou 0,63%, a 1.602,21 pontos. Xangai reduziu perdas mais para o fim do pregão, mas as ações do setor tecnológico em geral estiveram sob pressão, especialmente as fabricantes de microchips.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng caiu 0,44%, a 27.114,88 pontos. Tencent subiu 0,75% e os bancos em geral também avançaram, mas AIA teve queda de 2,15%. Henderson Land cedeu 2,9% e HK & China, 1,7%, ampliando perdas recentes.

O índice Nikkei, da Bolsa de Tóquio, teve baixa de 0,29%, em 20.942,53 pontos. Apesar de ter encerrado na máxima do dia, a praça japonesa atingiu seu patamar mais baixo de fechamento desde meados de fevereiro. Astellas Pharma recuou 4,2% e a varejista Aeon caiu 3,1%, enquanto alguns papéis do setor financeiro e de eletrônicos subiram, com Tokyo Election em alta de 3,3%.

A Câmara dos Deputados aprovou no início da madrugada desta quinta-feira, 30, a medida provisória que determina um pente-fino nos benefícios do INSS. O texto também modifica regras para a concessão de aposentadoria rural, eliminando o papel de sindicatos no cadastro do trabalhador do campo, com o objetivo de coibir fraudes.

O secretário especial da Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, e outros membros do governo estavam no Plenário da Câmara negociando diretamente com os deputados. Eles comemoraram a aprovação, apesar das modificações em parte do texto. O projeto vai ainda nesta quinta-feira ao Senado, onde precisa ser aprovado em plenário.

Em votação simbólica, o Plenário da Câmara dos Deputados aprovou há pouco a medida provisória 872/19, que ampliou o prazo para o pagamento de gratificações a servidores e empregados cedidos à Advocacia-Geral da União (AGU).

A medida prorrogou até 4 de dezembro de 2020 o prazo de pagamento da gratificação de representação de gabinete e da gratificação temporária a servidores ou empregados de outros órgãos que estejam trabalhando na AGU. O prazo para as gratificações se encerraria no dia 31 de janeiro deste ano, dia em que o Executivo editou a MP.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, anunciou em Plenário na quarta-feira, 29, a criação da Comissão Especial para analisar a reforma da Previdência dos militares. O Projeto de Lei 1645/19 estabelece ainda reestruturação salarial da categoria.

Os textos foram encaminhados em março pelo governo e preveem um impacto fiscal líquido de pelo menos R$ 10,45 bilhões em dez anos. Até 2022, a exposição de motivos assegura que serão R$ 2,29 bilhões.

A Comissão será composta de 34 membros titulares e de igual número de suplentes designados.

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) desacelerou a 0,45% em maio, após 0,92% em abril, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quinta-feira (30). O resultado ficou abaixo da mediana de 0,55% das estimativas da pesquisa do Projeções Broadcast, mas dentro do intervalo de expectativas, que ia de 0,33% a 0,64%.

Em 12 meses, o IGP-M também perdeu força, de 8,64% em abril para 7,64% em maio. Esse resultado também ficou aquém da mediana de 7,75%, mas no intervalo de 7,52% a 7,86%. No ano, o indicador acumula alta de 3,56%.

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro registrou queda de 0,2% no primeiro trimestre de 2019 ante o quarto trimestre de 2018, informou há pouco o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado veio igual à mediana das estimativas calculada pelo Projeções Broadcast a partir do intervalo de previsões que ia de uma queda de 1,0% a elevação de 0,37%.

Na comparação com o primeiro trimestre de 2018, o PIB apresentou alta de 0,5% no primeiro trimestre de 2019, vindo também igual à mediana das estimativas, calculada pelo Projeções Broadcast. O intervalo ia de uma queda de 0,40% a alta de 1,13%.

Ainda segundo o instituto, o PIB do primeiro trimestre de 2019 totalizou R$ 1,713 trilhão. Os técnicos do IBGE concedem entrevista dentro de instantes para comentar os resultados.

O gráfico diário do IBOV traz consigo um desenho complexo e desafiador.

Já temos considerável distância em relação à média móvel de 21 períodos porém,a memória é compradora, no curto prazo.

Acima de 96.310 poderá esticar até 97.125, quem sabe "beliscar" 97.610.

A perda de 96.310 projetaria um teste de 95.210, onde está a média móvel de 5 períodos, reforçando a região.

Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan
Diretor da TopTraders
contato@toptraders.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário