segunda-feira, 20 de maio de 2019

Cenário 20/05/2019

As bolsas da Ásia fecharam sem direção única nesta segunda-feira, enquanto investidores ainda mantêm tensões comerciais entre Estados Unidos e China no radar, junto a notícias locais, como as eleições na Austrália e indicadores da economia japonesa.

O primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, surpreendeu ao vencer as eleições legislativas que ocorreram no país. A Bolsa de Sydney, em meio à notícia, liderou os ganhos, com o índice S&P/ASX 200 em alta de 1,74%, em 6.476,10 pontos.

No Japão, o Nikkei 225 registrou alta de 0,24%, a 21.301,73 pontos, após a economia local apresentar o segundo trimestre consecutivo de expansão. Economistas previam uma contração do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre, mas a forte demanda residencial e os gastos do governo ajudaram a sustentar a atividade.

"Continuamos a esperar que a economia japonesa se expanda apenas modestamente em 2019, com crescimento limitado por exportações fracas e desaceleração nos gastos de capital", afirmou o economista da Oxford Economics Stefan Angrick em nota. "A recente escalada nas tensões comerciais deve pesar ainda mais sobre o ímpeto [da atividade] em 2019-2020", acrescentou.

Na China, a Bolsa de Xangai fechou em queda de 0,41%, em 2.870,60 pontos, e a de Shenzhen, de menor abrangência, caiu 0,75%, a 1.521,72 pontos, em meio às tensões com os EUA. Na sexta-feira, relatos deram conta de que as negociações bilaterais parecem paradas após as novas ofensivas da administração de Donald Trump contra a gigante Huawei. Ao mesmo tempo, o governo chinês desvalorizou o yuan frente ao dólar hoje, fixando a moeda em 6,8988 por dólar, contra 6,9138 na sexta-feira.

A agenda de eventos internacionais desta semana traz como destaque a fala do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Jerome Powell, e do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump,

A fim de ajustar a proposta de mudança nas regras de aposentadoria, o relator na comissão especial da Câmara, Samuel Moreira (PSDB-SP), reúne-se com o ministro da Economia, Paulo Guedes, no começo da tarde de hoje, após ter se encontrado ontem com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). 

O líder do Governo na Câmara dos Deputados, Major Vitor Hugo (PSL-GO), disse neste domingo que após conversar com o relator da reforma da Previdência na Comissão Especial, Samuel Moreira (PSDB-MG), não acredita em um novo texto da reforma da Previdência. Moreira disse que quer simplificar as regras de transição para trabalhadores que já contribuem para a Previdência. O relator afirmou que pretende apresentar o relatório final à Comissão Especial até a primeira quinzena de junho. 

O Broadcast/Estado apurou, porém, que esse prazo pode ser encurtado para a primeira semana do mês. Maia indicou que vai encampar a proposta final do relator. O presidente da Comissão, deputado Marcelo Ramos (PR-AM), adiantou que um grupo de deputados decidiu que o projeto de reforma da Previdência terá o DNA do Parlamento, e não a do Executivo, sem mudar os prazos de tramitação.

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) subiu 0,58% na segunda prévia de maio, registrando desaceleração em relação à segunda prévia do mês anterior, quando a inflação medida pelo índice ficou em 0,78%, informou há pouco a Fundação Getulio Vargas (FGV). No ano, o IGP-M acumula alta de 3,69% e, nos últimos 12 meses, de 7,78%.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) também arrefeceu, de um patamar de 0,89% na segunda prévia de abril para 0,72% em maio. Os preços dos Bens Finais subiram 0,26% em maio, após alta de 0,89% em abril. A maior contribuição para este resultado partiu do subgrupo alimentos in natura, cuja taxa passou de -0,23% para -5,46%.

O índice referente aos Bens Intermediários subiu 0,97% em maio, contra 0,42% em abril.

"O destaque coube ao subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, cuja taxa passou de 0,64% para 4,07%. A taxa do grupo Matérias-Primas Brutas foi de 1,45% em abril para 0,97% em maio", informou a FGV Ibre em nota.

O IPA agrícola caiu 1,85%, depois de ter subido 0,54% na segunda prévia do mês anterior, puxado pela soja e o milho, entre outros produtos que tiveram seu preço depreciado.

Já o IPA Industrial se manteve positivo, com alta de 1,58%, contra alta de 1% contra a segunda prévia de abril.

As matérias-primas brutas também desaceleraram o preço, saindo de uma alta de 1,4% na segunda prévia de abril para alta de 0,97% em maio.

A expectativa de alta para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2019 recuou pela 12ª semana consecutiva e passou de 1,45% para 1,24%, conforme o Relatório de Mercado Focus. Há quatro semanas, a estimativa de crescimento era de 1,71%. Para 2020, o mercado financeiro manteve a previsão de crescimento do PIB em 2,50%. Quatro semanas atrás, também estava em 2,50%.

A projeção do BC para o crescimento do PIB em 2019 é de 2,0%. Esse porcentual foi atualizado no Relatório Trimestral de Inflação (RTI) de março, mas deve ser revisto no próximo documento, em junho.

No Focus de hoje, a projeção para o avanço da produção industrial de 2019 foi de 1,70% para 1,47%. Há um mês, estava em 1,70%. No caso de 2020, a estimativa de crescimento da produção industrial permaneceu em 3,00%, igual ao visto quatro semanas antes.

A pesquisa Focus mostrou ainda que a projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para 2019 passou de 56,20% para 56,10%. Há um mês, estava em 56,25%. Para 2020, a expectativa permaneceu em 58,30%, ante 58,70% de um mês atrás.


O gráfico diário do IBOV mostra uma linha de retorno, que une os fundos de fevereiro, março e o atual, que ainda não foi conformado como tal, mas tem potencial.



O padrão desenhado é denominado doji e mostra equilíbrio de forças após uma pernada baixista.

Para haver confiança no sinal, a máxima do candle de sexta-feira (17) deverá ser rompida, com fechamento acima da mesma e, de preferência, sobre 91.585, caso contrário o movimento seria um fraco repique, típico voo de galinha.

Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan
Diretor da TopTraders
contato@toptraders.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário