segunda-feira, 29 de abril de 2019

Cenário 29/04/2019

As bolsas chinesas fecharam em baixa nesta segunda-feira, em uma sessão marcada por oscilações entre perdas e ganhos e pela fraqueza nos papéis do setor de tecnologia. Já a Bolsa de Tóquio não operou, no início de um feriado prolongado no Japão para marcar a posse de um novo imperador.

A Bolsa de Xangai fechou em queda de 0,77%, em 3.062,50 pontos, e a de Shenzhen teve recuo de 2,41%, a 1.700,08 pontos. Analistas comentam que as praças chinesas têm sido pressionadas nas últimas sessões por sinais de que o governo de Pequim está menos propenso a lançar mão de estímulos econômicos, após indicadores recentes fortes. Em Xangai, a fabricante de componentes de smartphones AAC caiu 2,05%. Na semana passada, Xangai recuou 5,6%, sua maior baixa desde outubro.

As negociações entre China e Estados Unidos seguem no radar. Haverá nova rodada de diálogo nesta semana, agora em território chinês, com sinalizações de autoridades de que um acordo estaria mais perto. A Casa Branca disse que devem ser tratadas nesta semana questões como propriedade intelectual, transferência forçada de tecnologia, barreiras não tarifárias, serviços e compras.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng teve alta de 0,97%, a 29.892,81 pontos, seu melhor desempenho em duas semanas. Entre as ações com desempenho positivo, China Resources subiu 2,21% e China Construction Bank, 1,16%.

De olho na nova configuração comercial do Reino Unido após o Brexit, como é conhecida a saída dos britânicos da União Europeia, o ministro das Relações Exteriores, Jeremy Hunt, faz a primeira visita de um titular da pasta ao Senegal em quase duas décadas, oferecendo um pacote de parcerias. A defesa de uma nova iniciativa diplomática do Reino Unido no continente, incluindo países francófonos nos quais a Grã-Bretanha tradicionalmente desempenhou um papel menor, é acompanhada de um programa de 4 milhões de libras para o ensino de inglês em países de língua francesa e portuguesa na África subsaariana e de 750 milhões de libras para apoiar o comércio e o investimento entre os dois países.

A empreitada é parte de um compromisso feito pela primeira-ministra Theresa May de que o Reino Unido será o principal investidor do G-7 (grupo das sete maiores economia do globo) na África até 2022. A viagem de Hunt pela África está prevista para durar uma semana e incluirá também visitas a Gana, Nigéria, Etiópia e Quênia e marca a ampliação da presença diplomática no continente, incluindo novas embaixadas em Níger e Chade.

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) subiu 0,92% em abril, desacelerando do patamar de 1,26% alcançado em março, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta segunda-feira (29). A taxa, contudo, foi a maior para o mês desde 2015 (1,17%).

Mesmo com o arrefecimento mensal, o IGP-M avançou em 12 meses, de 8,27% até março para 8,64% em abril, uma vez que a variação do quarto mês de 2018 foi menor (0,57%). No ano, o indicador acumula alta de 3,10%.

A expectativa de alta para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2019 sofreu novo recuo de 1,71% para 1,70%, conforme o Relatório de Mercado Focus. Há quatro semanas, a estimativa de crescimento era de 1,98%. Para 2020, o mercado financeiro manteve a previsão de alta do PIB em 2,50%. Quatro semanas atrás, estava em 2,75%.

A projeção do BC para o crescimento do PIB em 2019 é de 2,0%. Esse porcentual foi atualizado no Relatório Trimestral de Inflação (RTI) de março.

No Focus de hoje, a projeção para a alta da produção industrial de 2019 foi de 1,70% para 2,00%. Há um mês, estava em 2,50%. No caso de 2020, a estimativa de crescimento da produção industrial permaneceu em 3,00%, igual ao visto quatro semanas antes.

A pesquisa Focus mostrou ainda que a projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para 2019 passou de 56,25% para 56,30%. Há um mês, estava em 56,20%. Para 2020, a expectativa foi de 58,70% para 58,50%, ante 58,20% de um mês atrás.

O gráfico diário do IBOV apresenta inclinação altista no curtíssimo prazo, mesmo que esteja subindo aos trancos e barrancos.

O benchmark opera acima das médias, agora suportes pelo princípio da inversão de polaridade.

Isso aumenta a chance e torna factível uma a escalada para testar o decisivo, definitivo e divisor de águas 97.610, talvez na sessão de amanhã, quem sabe.

Na minha leitura, qualquer alta até esse ponto é voo de galinha, sendo uma fronteira entre ursos e touros.

Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan
Diretor da TopTraders
contato@toptraders.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário