quinta-feira, 18 de abril de 2019

Cenário 18/04/2019

As bolsas asiáticas fecharam em baixa nesta quinta-feira, com investidores aproveitando para realizar lucros antes do feriado de Páscoa. O tom negativo também se seguiu a leves perdas ontem nos mercados acionários de Nova York.

Na China, o Xangai Composto caiu 0,40% hoje, a 3.250,20 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto recuou 0,59%, a 1.762,30 pontos, com ambos os índices encerrando os negócios perto das mínimas do dia. Ações dos setores financeiro, imobiliário e automotivo se destacaram negativamente.

Já o Nikkei teve baixa de 0,84% em Tóquio, a 22.090,12 pontos, influenciado principalmente por um tombo de 3,3% no segmento farmacêutico.

Em relação às negociações comerciais entre Estados Unidos e China, que aparentemente estão na fase final, há relatos de que autoridades chinesas estão acompanhando a agenda de viagens internacionais do presidente americano, Donald Trump, para identificar a oportunidade de realizar uma cúpula fora do território americano. Um dos possíveis locais de um encontro é o Japão, que Trump visitará no final de maio, quando espera-se que o diálogo comercial seja concluído.

A Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma da China anunciou nesta quinta-feira que aprovou 50 projetos de investimento em infraestrutura no primeiro trimestre, com um investimento total de 370,3 bilhões de yuans (cerca de US$ 55,2 bilhões).

Segundo o órgão, as aprovações incluem um gasoduto que liga a China e a Rússia e uma expansão do aeroporto da cidade de Xianyang, na província de Xianxim.

Os governos locais da China aceleraram a emissão de títulos no primeiro trimestre do ano para financiar investimentos em infraestrutura. Os governos locais emitiram um total de 1,18 trilhões de yuans de títulos no primeiro trimestre, um aumento acentuado de 219,5 bilhões de yuans emitidos no mesmo período do ano anterior, de acordo com dados do Ministério das Finanças.

O índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) composto da Alemanha, que mede a atividade nos setores industrial e de serviços, subiu de 51,4 em março para 52,1 em abril, segundo dados preliminares divulgados hoje pela IHS Markit. O avanço acima da barreira de 50 indica expansão em ritmo mais forte do que no mês passado.

Apenas o PMI da indústria alemã aumentou de 44,1 em março para 44,5 em abril, sugerindo contração mais moderada do setor. Analistas consultados pela Dow Jones Newswires, no entanto, previam avanço maior do indicador, a 44,8.

Já no setor de serviços da Alemanha, o PMI foi de 55,4 em março para 55,6 em abril, atingindo o maior nível em sete meses. Neste caso, a projeção era de queda a 55,1.

As vendas no varejo do Reino Unido subiram 1,1% em março ante fevereiro, segundo dados publicados hoje pelo Escritório Nacional de Estatísticas (ONS, na sigla em inglês) do país. O resultado surpreendeu analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam queda de 0,7% nas vendas.

Na comparação anual, o setor varejista britânico ampliou as vendas em 6,7% em março. Neste caso, a projeção era de acréscimo menor, de 4,2%.

A Usiminas reportou lucro líquido de R$ 76 milhões no do primeiro trimestre do ano, resultado 51,6% inferior ao lucro de R$ 157 milhões informado um ano antes. Nos últimos três meses de 2018, o lucro da companhia havia sido de R$ 401 milhões. No comparativo entre mesmos trimestres, a margem líquida recuou de 4,9% para 2,2%. No quarto trimestre, esse indicador atingiu 11,7%.

O lucro atribuível aos acionistas da Usiminas chegou a R$ 46,8 milhões no primeiro trimestre, 66,6% abaixo do reportado um ano antes e 87% inferior ao do quarto trimestre de 2018.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) atingiu R$ 474 milhões, apontando queda de 24% ante o visto um ano antes e retração de 29% na comparação trimestral. Na mesma base de comparação, a margem Ebitda ficou em 13,4%, ante 19,2% um ano antes e 10,7% no quarto trimestre de 2018.

Em entrevista à GloboNews nesta quarta-feira (ontem), 17, o ministro da Economia, Paulo Guedes, avaliou que as projeções do mercado para a economia com a reforma da Previdência em dez anos estão "erradas". Ele reiterou que acredita em um valor em torno de R$ 1 trilhão, ou pelo menos "substancialmente maior" do que os R$ 500 a R$ 600 bilhões estimados por economistas.

Guedes afirmou ainda que, embora o governo venha enfrentando problemas evidentes de articulação política, a coordenação "está melhorando". Quando confrontado sobre o adiamento da votação do parecer do relator da PEC da Previdência na Comissão e Justiça da Câmara (CCJ) da Câmara, o ministro disse que a situação já foi muito pior, lembrando de quando teve que postergar sua primeira ida à CCJ. "É interessante politicamente resolver reforma da Previdência no primeiro semestre."

Ele não quis comentar sobre quais pontos o governo poderá ceder - se limitou a comentar que o governo está preparado para ceder "em algumas coisas e não em outras" - e afirmou que, "aparentemente", a votação do parecer acontecerá na terça-feira, 23.


O gráfico diário do IBOV mostra uma movimentação truncada e complexa, porém com o fechamento preservando a região de 93.300 omo suporte.



Vejo uma possível fundo duplo, com eixo em 95.060 e potencial para jogar o mercado em 97.610, caso seja rompido.

Lembrando que os touros não terão vida fácil por falta de combustível (fluxo externo).

Além disso, primeiramente é preciso romper e operar acima da tríplice resistência formada pela média móvel de 5 períodos, LTA azul e fundo marcado dia 03/04 aos 94.125.

Bons negócios e uma ótima Páscoa!

Wagner Caetano, para o Cartezyan
Diretor da TopTraders
contato@toptraders.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário