terça-feira, 16 de abril de 2019

Cenário 16/04/2019

As bolsas asiáticas fecharam em alta nesta terça-feira, à medida que os mercados da China se recuperaram com vigor de perdas recentes em meio a um artigo da publicação estatal Securities Times sugerindo que há espaço para mais valorização das ações do país.

Principal índice acionário chinês, o Xangai Composto subiu 2,39% hoje, a 3.253,60 pontos, depois de chegar a cair 0,8% na primeira metade do pregão. Os ganhos em Xangai, liderados por seguradoras, foram aparentemente impulsionados por uma busca de ações que baratearam desde a semana passada. O menos abrangente Shenzhen Composto registrou alta igualmente expressiva, de 2,09%, a 1.760,02 pontos.

No fim da noite desta terça (pelo horário de Brasília), Pequim divulga o Produto Interno Bruto (PIB) da China referente ao primeiro trimestre e dados de produção industrial e vendas no varejo de março. Os últimos números chineses de exportação e crédito, publicados na sexta-feira (12), surpreenderam positivamente e aliviaram preocupações com a tendência de desacelaração da segunda maior economia do mundo.

Em outras partes da Ásia, o japonês Nikkei avançou 0,24% em Tóquio, a 22.221,66 pontos, graças ao bom desempenho de operadoras de telefonia móvel, enquanto o Hang Seng subiu 1,07% em Hong Kong, a 30.129,87 pontos, o Taiex se valorizou 0,48% em Taiwan, a 10.927,85 pontos, e o sul-coreano Kospi teve alta de 0,26% em Seul, a 2.248,63 pontos, acumulando ganhos pelo 13º pregão seguido, recorde que não se repetia desde 1987.

Contribuíram para o sentimento positivo na região asiática sinais de que Estados Unidos e China caminham no sentido de fechar um acordo comercial e encerrar a batalha tarifária iniciada em meados do ano passado.

Ontem, o Secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, declarou que mais progresso foi feito nas recentes negociações comerciais com a China do que em qualquer outro momento do passado. No fim de semana, Mnuchin já havia dito que Washington e Pequim estavam "perto da rodada final" das conversas.

O índice de expectativas econômicas da Alemanha subiu de -3,6 em março para 3,1 em abril, segundo pesquisa divulgada hoje pelo instituto alemão ZEW. O resultado surpreendeu analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam alta menor do indicador, a 1,5.

Por outro lado, o chamado índice para as condições atuais medido pelo ZEW diminuiu de 11,1 em março para 5,5 em abril. Neste caso, a projeção era de redução menor, a 10,3. 

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, revelou nesta terça-feira em discurso ao Parlamento Europeu que, na reunião na semana passada em que se decidiu pela extensão flexível do Brexit até 31 de outubro, um dos líderes dos 27 Estados-membros remanescentes no bloco advertiu os demais a "não ser sonhadores" e não achar que a saída britânica pode ser revertida.

O líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO), e o deputado José Guimarães (PT-CE) anunciaram que a votação da admissibilidade da proposta de emenda à Constituição (PEC) da reforma da Previdência acontecerá na semana que vem na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Inicialmente, o governo havia previsto que o colegiado fizesse a votação ainda antes do feriado desta sexta-feira (19).

Um acordo foi fechado com a oposição para que as discussões sobre o tema comecem nesta terça-feira (16) e prossigam até a quarta (17) e, se necessário, até a próxima segunda (22). Há mais de 100 deputados inscritos para debaterem a proposta. De acordo com o presidente da CCJ, Felipe Francischini (PSL-PR), a discussão deverá consumir cerca de 30 horas. Os membros da comissão poderão falar por 10 minutos e os que não integram o colegiado terão cinco minutos. Os líderes partidários combinaram entre si que a sessão desta terça-feira começará às 10h e acabará às 22h.

Vitor Hugo havia afirmado antes de o acordo ser fechado que a postergação da votação da proposta para a Previdência na CCJ não é uma derrota para o governo.

A PEC do Orçamento impositivo já foi aprovada pela Câmara, mas sofreu modificações no Senado e, por isso, precisa ser novamente analisada pelos deputados. O texto determina como de pagamento obrigatório emendas parlamentares de bancada. Essas emendas são decididas por deputados e senadores, que fazem indicações em conjunto de investimentos na região deles, em áreas como saúde, educação e saneamento. A proposta, na prática, engessa ainda mais o Orçamento.

A reunião de acionistas da Gafisa realizada nesta segunda-feira tratou de vários assuntos, um deles o aumento de capital. Ficou definido pelo conselho de administração que para a emissão de ações até o limite do capital autorizado atualmente, de 71.031.876, o preço unitário será de R$ 6,02. Como hoje a Gafisa possui capital de 43.357.589 ações, a operação somaria cerca de R$ 160 milhões.

A proposta de elevar o limite do capital para 120 milhões de ações será tema de nova assembleia geral extraordinária em 23 de abril.

Também o conselho aprovou ontem bônus de 15% sobre o valor da ação no aumento de capital para os acionistas, que terão 30 dias para exercer o direito de preferência, além de um bônus de 3% sobre o valor da subscrição em eventual rateio de sobras.


O gráfico diário do IBOV mostra uma formação de harami de fundo, porém a sombra inferior vista ontem reduz a força do sinal, mas não o invalida.



Vejo 93.305 como divisor de águas no curtíssimo prazo, mas o ponto-chave, o qual uma vez rompido atrairia a compra é 94.125, na minha leitura.

Digamos que a região supra citada é uma tríplice resistência, uma vez que concentra a média móvel de 5 períodos e a LTA traçada em azul.

Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan
Diretor da TopTraders
contato@toptraders.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário