segunda-feira, 1 de abril de 2019

Cenário 01/04/2019

As bolsas asiáticas fecharam com ganhos robustos nesta segunda-feira, lideradas pelas chinesas, na esteira de dados que mostraram recuperação do setor industrial da China, segunda maior economia do mundo. Também contribui para o sentimento positivo a avaliação de que os governos dos EUA e chinês caminham no sentido de selar um pacto comercial e reverter a guerra tarifária iniciada em meados do ano passado.

Na China, o índice Xangai Composto subiu 2,58% hoje, a 3.710,36 pontos, atingindo o maior nível desde fevereiro de 2018. Já o menos abrangente Shenzhen Composto, formado por empresas de menor valor de mercado, saltou 3,57%, a 1.755,67 pontos, alcançando o maior patamar desde maio do ano passado.

Dados publicados no fim de semana mostraram que o segmento industrial chinês voltou a se expandir. O índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) industrial medido pela IHS Markit e Caixin Media subiu de 49,9 em fevereiro para 50,8 em março, enquanto o oficial foi de 49,2 para 50,5 no mesmo período. Leituras acima de 50 indicam expansão de atividade.

Investidores também estão na expectativa de que EUA e China superem suas desavenças comerciais e cheguem a um acordo a ser submetido aos presidentes Donald Trump e Xi Jinping. Autoridades de alto escalão dos dois países se reuniram no fim da semana passada, em Pequim, e darão continuidade ao diálogo comercial nesta semana, em Washington.

O petróleo opera em alta nesta segunda-feira, na esteira dos ganhos no pregão das bolsas asiáticas, que fecharam hoje com robusto avanço após dados positivos sobre a atividade industrial na China.

Às 9h35 (de Brasília), o barril do petróleo tipo Brent para junho subia 1,33% na Intercontinental Exchange (ICE), a US$ 68,48, enquanto o do WTI para maio avançava 0,95% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 60,71.

Os números divulgados pela Baker Hughes na sexta-feira mostraram uma queda no número de plataformas de petróleo em operação nos Estados Unidos. O número de plataformas americanas caiu em 72 desde meados de novembro até chegar a 816 na última semana, "um sinal de que uma queda na atividade econômica do quarto trimestre está afetando a produção", disse o analista de commodities do UBS Wealth Management Giovanni Staunovo. "Esperamos que o Brent se eleve para os US$ 70-80 por barril", disse.

A expectativa de alta para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2019 passou de 2,00% para 1,98%, conforme o Relatório de Mercado Focus. Há quatro semanas, a estimativa de crescimento era de 2,30%. Para 2020, o mercado financeiro alterou a previsão de alta do PIB de 2,78% para 2,75%. Quatro semanas atrás, estava em 2,70%.

A projeção do BC para o crescimento do PIB em 2019 é de 2,0%. Esse porcentual foi atualizado no Relatório Trimestral de Inflação (RTI) de março.

No Focus de hoje, a projeção para a produção industrial de 2019 foi de 2,57% para 2,50%. Há um mês, estava em 2,90%. No caso de 2020, a estimativa de crescimento da produção industrial permaneceu em 3,00%, igual ao visto quatro semanas antes.

A pesquisa Focus mostrou ainda que a projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para 2019 foi de 56,15% para 56,20%. Há um mês, estava em 56,15%. Para 2020, a expectativa permaneceu em 58,20%, ante 58,35% de um mês atrás. 


O gráfico diário do IBOV mostra a LTA, desenhada em azul, respeitada como suporte, inclusive apontando um rompimento falso da mesma.


Uma vez acima de 93.305, o mercado ganhou força e foi testar a média móvel de 21 períodos, que vai separar os homens dos meninos na sessão dessa segunda-feira, que deverá ter abertura positiva.

Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan
Diretor da TopTraders
contato@toptraders.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário