sexta-feira, 22 de março de 2019

Cenário 22/03/2019

As bolsas asiáticas fecharam em alta nesta sexta-feira, ainda que modesta, depois que os mercados acionários de Nova York subiram com vigor ontem, impulsionados principalmente por gigantes de tecnologia.

O rali "tecnológico" em Wall Street, que foi liderado pela Apple (+3,7%), influenciou empresas do setor em algumas partes da Ásia.

No Japão, o Nikkei exibiu ganho idêntico ao do Kospi, de 0,09%, terminando o pregão a 21.627,34 pontos. O mercado japonês, que ontem não operou devido a um feriado nacional, avançou 0,82% na semana, apesar da força do iene ante o dólar desde a quarta-feira (20), quando o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) surpreendeu ao indicar que não elevará juros este ano. Em dezembro, o Fed previa dois aumentos de juros em 2019.

Assim como os índices sul-coreano e japonês, o chinês Xangai Composto coincidentemente subiu 0,09% hoje, a 3.104,15 pontos, numa recuperação que veio na segunda metade da sessão. Já o Shenzhen Composto, que reúne ações chinesas com menor valor de capitalização, teve alta de 0,20%, a 1.700,94 pontos.

No acumulado da semana, o Xangai avançou 2,7% e o Shenzhen saltou 3,6%, na expectativa para a retomada de negociações comerciais entre China e Estados Unidos.

Nos próximos dias 28 e 29, o Representante do Comércio dos EUA, Robert Lighthizer, e o Secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, estarão em Pequim para retomar o diálogo comercial. No começo de abril, será a vez de o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, visitar Washington para dar continuidade às conversas.

Em meio à insatisfação de parlamentares com a proposta de mudança nas regras de aposentadoria dos militares com compensações bilionárias para a carreira, deputados do chamado Centrão decidiram rejeitar a relatoria da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e trabalham para barrar qualquer nome do bloco para o posto.

Segundo apurou o Broadcast, lideranças do Centrão ligaram para o presidente da CCJ, deputado Felipe Francischini (PSL-PR), para pressioná-lo a designar um nome do próprio PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, ou até mesmo da oposição. Entre os cotados para a relatoria estão os deputados Bia Kicis e General Girão, ambos do PSL.

Além disso, os integrantes do Centrão se reuniram ontem com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e tentaram cancelar a audiência na CCJ com o ministro da Economia, Paulo Guedes, prevista para terça-feira (26), sobre a proposta de emenda constitucional (PEC) da Previdência. O discurso dos parlamentares é que eles não querem ouvir ninguém do governo, já que o governo não está ouvindo ninguém do Congresso. Nem Maia nem Francischini aceitaram desfazer o convite ao ministro, mas agora há o risco de o Centrão esvaziar a sessão em que o ministro será ouvido na comissão.

Em Santiago, no Chile, o presidente Jair Bolsonaro afirmou, em transmissão ao vivo nas redes sociais, que não gostaria de ter apresentado uma proposta de reforma da Previdência. Ele declarou, porém, que propôs mudanças porque, se não tivesse feito, o Brasil iria "quebrar" sob o ponto de vista das contas públicas.

Os contratos futuros de petróleo operam em baixa na manhã desta sexta-feira à medida que os investidores digerem indicadores que apontam para uma desaceleração mais acentuada do que o esperado da economia mundial. Além disso, continuam no radar os cortes na produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e dados da produção de óleo nos Estados Unidos.

Às 9h50 (de Brasília), o petróleo WTI para entrega em maio recuava 1,10%, para US$ 59,32 por barril, no pregão eletrônico da New York Mercantile Exchange (Nymex), enquanto o barril do Brent para entrega no mesmo mês cedia 1,34%, para US$ 66,95.

Após ficar inicialmente sob pressão nesta semana, o dólar se fortaleceu na quinta-feira e continua sua jornada ascendente em relação a moedas emergentes e a algumas principais, como o euro. Hoje, pesam sobre o sentimento dos agentes novos temores de desaquecimento da economia global após o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) medido pela IHS Markit apontar que a indústria alemã apresentou contração maior do que a esperada pelo mercado neste mês. A indústria da zona do euro como um todo e a do Japão também estão em território de declínio.

Ainda nesta sexta-feira, a Baker Hughes divulgará o seu relatório semanal sobre o número de poços e plataformas de petróleo em operação nos EUA na semana. 

Tribunal Regional Federal da 2ª Região deve julgar ainda nesta sexta-feira o pedido de habeas corpus impetrado pela defesa de Michel Temer. O ex-presidente foi preso ontem numa operação da Lava Jato e está detido na Superintendência da Polícia Federal no Rio. Existe a previsão de que ele preste depoimento ainda hoje.

O ex-presidente está preso em uma sala da corregedoria, no terceiro andar do prédio. De acordo com o site G1, é uma das poucas salas da sede da PF no Rio que tem banheiro privativo. A sala, de 20 metros quadrados, tem frigobar e ar condicionado. Uma televisão seria instalada.

Ainda segundo o site, o ex-presidente teria recusado o jantar na noite de quinta-feira, informando os agentes de que estaria sem fome. Ele teria também recebido a visita do ex-ministro da Secretaria de Governo e aliado Carlos Marun.


O gráfico diário do IBOV mostra pressão vendedora no curtíssimo prazo, após um rompimento falso de 98.590.





Pelo menos no início do negócios, a venda deverá pressionar fortemente as cotações, empurrando os preços próximo de 95.000 possivelmente.

O fechamento de hoje, até mesmo pela formação do candle semanal, será de suma importância como sinal de curto prazo.

Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan
Diretor da TopTraders
contato@toptraders.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário