segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

Vale abre a -20%


Bom dia, investidor!


Que Deus dê forças aos familiares, coragem ao que trabalham nas buscas e sabedoria aos responsáveis (Brumadinho).


VALE abriu a 45.00. Agora às 10:41 com -17% = clique para ampliar.

As bolsas asiáticas fecharam em baixa nesta segunda-feira, após mais sinais de fraqueza na China e à espera de uma nova rodada de negociações comerciais entre americanos e chineses.

Dados oficiais publicados no fim da noite de ontem mostraram que o lucro do setor industrial chinês sofreu queda anual pelo segundo mês consecutivo em dezembro, de 1,9%, em mais um indício de desaceleração da segunda maior economia do mundo. Na semana passada, a China revelou que seu Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 6,6% em 2018, o ritmo mais fraco desde 1990.

O arrefecimento da economia chinesa é parcialmente atribuído às divergências comerciais entre Pequim e Washington. Na quarta e quinta-feira (30 e 31), uma delegação liderada pelo vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, estará nos Estados Unidos para retomar discussões comerciais com os americanos.

Na semana passada, o Secretário de Comércio dos EUA, Wilbur Ross, comentou que Washington estava ainda muito distante de fechar um acordo comercial com os chineses.

Principal índice acionário chinês, o índice Xangai Composto encerrou o pregão de hoje com queda de 0,18%, a 2.596,98 pontos, revertendo ganhos de mais de 1% do começo dos negócios. O menos abrangente Shenzhen Composto, formado em boa parte por startups com menor de valor de mercado, recuou 0,38%, a 1.314,99 pontos.

Em outras partes da Ásia, o japonês Nikkei caiu 0,60% em Tóquio, a 20.649,00 pontos, pressionado também pela força do iene ante o dólar durante a madrugada, enquanto o Taiex perdeu 0,44% em Taiwan, a 10.013,33 pontos, e o sul-coreano Kospi teve baixa marginal de 0,02% em Seul, a 2.177,30 pontos. Em Hong Kong, o Hang Seng mostrava ligeira baixa de 0,05% antes do fechamento.

Em fato relevante divulgado na madrugada deste domingo, a Vale informou que foi intimada das decisões da Justiça de Minas Gerais que decretaram indisponibilidade e bloqueio de recursos no total de R$ 11 bilhões após o rompimento da barragem da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG). As liminares concedidas por juízes de plantão das comarcas de Belo Horizonte e Brumadinho também determinaram que a mineradora adote as "medidas necessárias para garantir a estabilidade da barragem VI do Complexo Mina do Córrego do Feijão, se responsabilize pelo acolhimento e integral assistência às pessoas atingidas, dentre outras obrigações".

No documento, a Vale também diz ter sido intimada da imposição de sanções administrativas pelo Ibama, no valor de R$ 250 milhões, e pelo Estado de Minas Gerais, no valor de R$ 99,139 milhões.

Impactos do rompimento da barragem VI e ações emergenciais 
Em outro fato relevante, a mineradora informa que, até às 18 horas de 27 de janeiro, 361 pessoas haviam sido localizadas, 305 pessoas permaneciam sem contato e 16 vítimas fatais haviam sido atestadas pelo Instituto Médico Legal (IML).

"A Vale continua com foco total nos esforços de socorro e apoio aos atingidos. O resgate e os atendimentos às vítimas no local continuam sendo realizados pelo Corpo de Bombeiros e pela Defesa Civil. Equipes da Vale trabalham, ininterruptamente, junto com o Corpo de Bombeiros e Defesa Civil, no apoio ao resgate das vítimas. A empresa colocou à disposição 15 torres de iluminação, retroescavadeiras, 40 ambulâncias, 800 leitos, um helicóptero para o apoio ao resgate e 1 milhão de litros de água potável, 1,6 mil litros de água mineral para a comunidade, além de atendimento em hospitais privados e mobilização de psicólogos", afirma.

Em relação ao deslocamento dos rejeitos, a empresa diz que, devido ao fato de a barragem estar inativa, os rejeitos se encontravam relativamente secos e, por isso, o deslocamento foi limitado. "O que está se deslocando na calha do rio é a água com nível de turbidez e cor alterados. Até o momento, 16:24 h do dia 27/01/19 a água atingiu o Km 63 a partir do ponto de rompimento da barragem. Entretanto, cabe ressaltar que os rejeitos ainda não estão estáveis, podendo haver movimentações com mais intensidade dependendo das condições climáticas, sobretudo eventuais chuvas sobre a região afetada". 

Os contratos futuros de minério de ferro da China saltaram na madrugada desta segunda-feira, após o rompimento de uma barragem de rejeitos da Vale em Brumadinho (MG), na última sexta (25). O incidente gerou preocupações sobre a oferta, uma vez que inspeções de segurança em outras operações da Vale podem afetar a produção da mineradora de forma mais ampla.

Por volta da 1h (de Brasília), o futuro de minério de ferro para entrega em julho negociado na Bolsa de Dalian subia 4%, atingindo o maior nível em seis meses. No mesmo horário, o futuro de vergalhão de aço da Bolsa de Xangai tinha alta de apenas 0,2%. 

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que mede a inflação na cidade de São Paulo, subiu 0,43% na terceira quadrissemana de janeiro, acelerando em relação à alta de 0,24% observada na segunda quadrissemana deste mês, segundo dados publicados hoje pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

Na terceira leitura de janeiro, cinco dos sete componentes do IPC-Fipe subiram com mais força, migraram para inflação ou reduziram deflação. Foi o caso de Habitação (de -0,29% na segunda quadrissemana para -0,12% na terceira quadrissemana), Alimentação (de 1,16% para 1,35%), Transportes (de -0,02% para 0,61%), Vestuário (de 0,01% para 0,03%) e Educação (de 1,35% para 2,10%).

Por outro lado, caiu de forma mais acentuada o segmento de Despesas Pessoais (de -0,01% para -0,17%) e avançou de maneira mais contida o item Saúde (de 0,09% para 0,07%).

A expectativa de alta para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2019 passou de 2,53% para 2,50%, conforme o Relatório de Mercado Focus. Há quatro semanas, a estimativa de crescimento era de 2,55%. Para 2020, o mercado financeiro alterou a previsão de alta do PIB, de 2,60% para 2,50%. Quatro semanas atrás, estava em 2,50%.

A projeção do BC para o crescimento do PIB em 2019 é de 2,4%. Esse porcentual foi divulgado no Relatório Trimestral de Inflação (RTI) de dezembro.

No dia 17, o BC informou que seu Índice de Atividade (IBC-Br) subiu 0,29% em novembro ante outubro, na série com ajuste sazonal. Em relação a novembro de 2017, o indicador avançou 1,86%, na série sem ajuste. No acumulado de janeiro a novembro de 2018, o IBC-Br avançou 1,38%.

No relatório Focus de hoje, a projeção para a produção industrial de 2019 seguiu indicando alta de 3,04%. Há um mês, estava em 3,17%. No caso de 2020, a estimativa de crescimento da produção industrial permaneceu em 3,00%, igual ao visto quatro semanas antes.

A pesquisa Focus mostrou ainda que a projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para 2019 passou de 56,30% para 56,00%. Há um mês, estava em 56,40%. Para 2020, a expectativa seguiu em 58,16%, ante 58,60% de um mês atrás. 

A cirurgia do presidente Jair Bolsonaro para retirada da bolsa de colostomia começou por volta das 6h30 desta segunda-feira, 28, informou a assessoria de imprensa do Palácio do Planalto. O procedimento está sendo realizado no hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde Bolsonaro foi internado na manhã de domingo, 27.

A previsão inicial era que a cirurgia durasse de três a quatro horas. Um boletim médico deve ser divulgado após a intervenção cirúrgica. O porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, deve fazer uma comunicação à imprensa por volta das 12 horas. 

A sessão dessa segunda-feira deverá corretiva para o IBOV do início ao final do pregão, sendo a magnitude do candle formado hoje essencial para uma sinalização de curto prazo.

Temos um mercado esticado, distante da média móvel de 21 períodos e um ponto-chave no diário: 96.395.

Um fechamento abaixo desse patamar, com a perda da média móvel de 5 períodos como consequência, uma vez que essa está colada no mesmo, apontaria para algo entre 93.300 e 93.400 como possível alvo do movimento.

Veremos...



Que Deus dê forças aos familiares, coragem ao que trabalham nas buscas e sabedoria aos responsáveis (Brumadinho).




Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan

Diretor da TopTraders
contato@toptraders.com.br


Nenhum comentário:

Postar um comentário