sexta-feira, 18 de janeiro de 2019

Mercado forte operando nas alturas




Bom dia, investidor!

Na imagem, o IBOV durnte os 4 últimos governos >>> LEIA MAIS >>>

IBOV em máxima histórica = clique para ampliar

As bolsas asiáticas fecharam em alta generalizada nesta sexta-feira, reagindo a relatos de que os Estados Unidos estariam considerando a possibilidade de aliviar tarifas sobre a China, de modo a garantir que as negociações entre as duas maiores economias do mundo avancem.

O Wall Street Journal noticiou ontem que o Secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, propôs suspender algumas ou todas as tarifas adicionais impostas a importações chinesas no ano passado, numa tentativa de persuadir Pequim a fazer concessões maiores no diálogo comercial com Washington. Segundo o WSJ, porém, o representante do Comércio dos EUA, Robert Lighthizer, teria resistido à ideia por temer que ela fosse vista como sinal de fraqueza.

A notícia, de qualquer forma, foi suficiente para estimular o apetite por risco na Ásia.

Entre os mercados chineses, o índice Xangai Composto subiu 1,42% hoje, a 2.596,01 pontos, impulsionado por ações dos setores financeiro e imobiliário, enquanto o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 0,99%, a 1.322,14 pontos.

Já o Nikkei registrou alta de 1,29% em Tóquio, a 20.666,07 pontos, também favorecido pelo enfraquecimento do iene em relação ao dólar diante do otimismo com as discussões comerciais entre EUA e China. Na próxima quarta-feira (23), o Banco do Japão anuncia decisão de política monetária.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) reduziu sua produção substancialmente em dezembro, mesmo num momento em que seu principal aliado fora do cartel, a Rússia, impulsionou sua produção a níveis inéditos, segundo a Agência Internacional de Energia (AIE).

Em relatório mensal divulgado nesta sexta-feira, a AIE estimou que a produção da Opep sofreu diminuição de 590 mil barris por dia (bpd) no mês passado, a 32,39 milhões de bpd, o menor patamar desde julho do ano passado. A queda se deve principalmente ao resultado da Arábia Saudita, cuja oferta recuou 420 mil bpd em dezembro, a 10,64 milhões de bpd. Houve cortes na produção também da Líbia e do Irã, cuja indústria petrolífera está sob os efeitos de sanções dos Estados Unidos.

A AIE, entidade com sede em Paris que presta consultoria a governos e empresas sobre tendências do setor de energia, disse que a queda na produção da Opep contribuiu para um declínio na oferta de petróleo global de 950 mil bpd em dezembro, a 100,6 milhões de bpd. O número, contudo, é 2,8 milhões de bpd maior do que de um ano antes, ressaltou a agência.

Em seu próprio relatório mensal, publicado ontem, a Opep estimou que sua produção caiu 751 mil bpd no mês passado.

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) publicou hoje uma lista dos seus 50 maiores tomadores de recursos. Petrobras, Embraer, Norte Energia, Vale, Construtora Norberto Odebrecht, Tim, Telefônica, Oi e até o Estado de São Paulo estão entre os dez maiores. Segundo banco de fomento, é a primeira vez que esses dados são disponibilizados ao público neste formato.

A ferramenta permite ao usuário ver cada operação efetuada com os 50 maiores tomadores de recursos dos últimos 15 anos (2004 a 2018), além de disponibilizar recortes trienais. A nova página da plataforma de transparência também permitirá saber se os recursos emprestados pelo BNDES para os maiores clientes foram por meio de empréstimos ou de investimento em renda variável, por compra de ações negociáveis ou por outras formas do BNDES entrar na estrutura societária da empresa.

No período de 2004 a 2018, por exemplo, Petrobras aparece como a principal tomadora de recursos com R$ 62,429 bilhões, o equivalente a 4,05% de todos os recursos tomados no banco. Embraer aparece em segundo lugar, com R$ 49,37 bilhões ou 3,20% do total, seguida por Norte Energia (R$ 25,388 bilhões) e Vale (R$ 22,489 bilhões).

O presidente Jair Bolsonaro fará ofensiva no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na próxima semana, para legitimar um governo de transição na Venezuela. A estratégia do Brasil de liderar abertamente o movimento internacional pela queda do presidente Nicolás Maduro foi discutida por Bolsonaro e pelo chanceler, Ernesto Araújo, em reuniões no Palácio do Planalto e no Itamaraty, com opositores venezuelanos e representantes da Organização dos Estados Americanos (OEA).

Bolsonaro, porém, rejeitou pedidos de sanções econômicas, intervenção militar e instalação de um governo paralelo no território nacional.

Em nota divulgada à noite, o Itamaraty indicou que deve apoiar um governo interino do opositor Juan Guaidó, presidente da Assembleia Nacional da Venezuela. “A reunião teve por objetivo analisar a situação da Venezuela decorrente da ilegitimidade do exercício da presidência por Nicolás Maduro e da manifestação do presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, de sua disposição para assumir a presidência da Venezuela interinamente, seguindo a Constituição venezuelana”, ressaltou o comunicado.

No encontro, Bolsonaro aproveitou para atacar os antecessores. “Tudo nós faremos para que a democracia seja restabelecida, que vocês possam viver em liberdade”, afirmou. “Nós nos sentimos de uma maneira bastante constrangida”, ressaltou. “Sabemos como esse desgoverno chegou ao poder, inclusive com a ajuda de presidentes que o Brasil já teve, como Lula e Dilma, e isso nos torna responsáveis pela situação de vocês em parte.”

O gráfico diário do IBOV mostra um mercado forte, resiliente e operando nas alturas, refletindo otimismo externo em alguns momentos e em outros expectativa pelas reformas internas, em especial da Previdência nesse momento.

A média móvel de 21 períodos subiu e já protege o topo anterior em 91.240.

Enquanto acima de 94.695, máxima do enforcado anulado com a puxada de ontem, a compra será dominante.

Caso exista a perda desse patamar, acenderia a luz laranja.

Para esboçar uma correção mais aguda (luz vermelha), o mercado teria de perder a média móvel de 5 períodos como suporte, o que não ocorre desde o início da pernada de alta recente, iniciada em 28/12.




Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan
Diretor da TopTraders
contato@toptraders.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário