quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

FED segue dovish e IBOV mantém compra


Bom dia, investidor!

Em dia de FED, IBOV mantém compra.

Clique para ampliar

As bolsas asiáticas fecharam sem direção única nesta quinta-feira, após o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) seguir com sua postura "dovish" (favorável à manutenção de estímulos monetários) e números desanimadores do setor manufatureiro da China, ainda que um pouco melhores do que o esperado.

O Fed manteve ontem seus juros básicos nos níveis atuais, como era amplamente esperado, e reiterou que será paciente ao determinar futuros ajustes nas taxas. O BC americano também retirou a palavra "gradual" de seu comunicado, sugerindo que poderá demorar para voltar a elevar juros. No ano passado, o Fed aumentou as taxas em quatro ocasiões.

Já o último índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) oficial do setor industrial da China subiu levemente, de 49,4 em dezembro para 49,5 em janeiro, surpreendendo analistas que previam queda do indicador a 49,2. A leitura abaixo de 50, no entanto, mostra que a manufatura chinesa teve contração pelo segundo mês consecutivo.

Em meses recentes, uma série de dados macroeconômicos mostrou que a China passa por uma significativa desaceleração. Em 2018, o Produto Interno Bruto (PIB) chinês teve expansão de 6,6%, resultado mais fraco desde 1990.

Os mercados chineses fecharam mistos hoje. O Xangai Composto subiu 0,35%, a 2.584,57 pontos, mas o Shenzhen Composto, que é em boa parte formado por startups, recuou 0,70%, a 1.274,74 pontos. Ao longo de janeiro, o Xangai acumulou valorização de 3,6% e o Shenzhen, de 0,5%.

Em Tóquio, o Nikkei avançou 1,06%, a 20.773,49 pontos, impulsionado por empresas de tecnologia. Neste mês, o índice japonês teve ganho de 3,8%.

O Bradesco anunciou hoje lucro líquido recorrente de R$ 5,830 bilhões no quarto trimestre de 2018, cifra 19,9% maior que a registrada um ano antes, de R$ 4,862 bilhões. Em relação aos três meses imediatamente anteriores, de R$ 5,471 bilhões, o aumento foi de 6,6%.

O banco destaca, em relatório que acompanha suas demonstrações financeiras, que as evoluções do lucro, tanto no comparativo trimestral como no anual refletem o desempenho do resultado operacional, impulsionado pela performance da margem financeira e as despesas com provisões (PDD expandida). O Bradesco cita ainda o "desempenho positivo" das receitas de prestação de serviços e resultados com operações de seguros, previdência e capitalização.

Em todo o ano de 2018, o lucro líquido recorrente do Bradesco alcançou R$ 21,564 bilhões, aumento de 13,4% na comparação com o exercício de 2017, quando o resultado foi de R$ 19,024 bilhões.

Vale quer buscar acordo com autoridades de Minas Gerais para antecipar indenizações às famílias das vítimas do rompimento de barragem em Brumadinho. O objetivo da mineradora é chegar de forma rápida a um entendimento que permita pagar essas indenizações. O valor que seria pago às famílias, no entanto, ainda não está claro. 

O presidente Jair Bolsonaro deve ter despachos somente a partir das 13h30 desta quinta-feira, 31. Internado no Hospital Albert Einstein após uma cirurgia na segunda-feira, 28, ele poderá ter contato com ministros por áudio ou videoconferência, conforme informou o governo ontem. Ainda não há nenhuma audiência prevista, de acordo com a assessoria do Planalto.

O gráfico diário do IBOV mostra o rompimento e fechamento da média móvel de 5 períodos e do forte 96.395, pendendo a balança para o lado da compra, ao contrário do pregão de terça-feira.

Isso torna a sessão de hoje ainda mais importante, sendo uma espécie de prova dos nove.


Na minha leitura, temos uma linha média (96.395), um ponto cujo rompimento poderá acelerar a compra (97.940) e um outro, cuja perda, poderia levar o benchmark a testar a média móvel de 21 períodos ou mesmo algum ponto um pouco abaixo da mesma (94.660).



Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan

Diretor da TopTraders
contato@toptraders.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário