terça-feira, 18 de dezembro de 2018

Ainda à espera do FED, IBOV desenha fundo


Bom dia, investidor!

Mercados no mundo à espera dos juros do FED; IBOV desenha fundo >>> LEIA MAIS >>>

As bolsas asiáticas fecharam em baixa generalizada nesta terça-feira, influenciadas mais uma vez por um novo tombo nos mercados americanos, em meio a preocupações com a saúde da economia global e à espera de mais uma alta de juros nos Estados Unidos.

Ontem, as bolsas de Nova York sofreram perdas de mais de 2% após recentes sinais de desaceleração da economia mundial e temores de que os EUA voltem a enfrentar uma recessão.

O ambiente de negócios também é marcado por cautela antes da decisão de política monetária do Federal (Fed, o banco central americano), que amanhã, segundo analistas, deverá elevar seus juros básicos pela quarta vez este ano, apesar de reiteradas críticas do presidente dos EUA, Donald Trump. No Twitter, Trump afirmou ontem ser "incrível" que o Fed esteja considerando outro aumento de juros num momento de "dólar forte e praticamente nenhuma inflação".

Na China, o índice Xangai Composto recuou 0,82% hoje, a 2.576,65 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto teve queda semelhante, de 0,81%, a 1.312,55 pontos.

Em discurso para comemorar o 40º aniversário das reformas econômicas chinesas, o presidente Xi Jinping disse nesta terça que o país vai se manter na trajetória atual de reformas e "jamais buscará a hegemonia", numa tentativa de minimizar preocupações sobre sua excessiva influência econômica. Xi também manifestou apoio ao sistema multilateral de comércio, mas não fez referências diretas às atuais tensões comerciais entre Pequim e Washington.

Em outras partes da Ásia, o japonês Nikkei caiu 1,82% em Tóquio, a 21.115,45 pontos, também pressionado pela valorização do iene frente ao dólar durante a madrugada, e o Hang Seng registrou baixa de 1,05% em Hong Kong, a 25.814,25 pontos, enquanto o sul-coreano Kospi recuou 0,43% em Seul, a 2.062,11 pontos, e o Taiex apresentou queda de 0,70% em Taiwan, a 9.718,82 pontos.

O índice de sentimento das empresas da Alemanha caiu de 102 em novembro a 101 em dezembro, segundo pesquisa divulgada hoje pelo instituto alemão Ifo. O resultado, que marcou a quarta queda consecutiva do indicador, veio abaixo da expectativa de analistas consultados pelo Wall Street Journal, que previam redução a 101,6.

O chamado índice de condições atuais do Ifo recuou de 105,5 em novembro para 104,7 em dezembro, enquanto o índice de expectativas econômicas diminuiu de 98,7 para 97,3.

A pesquisa mensal do Ifo envolve cerca de 9.000 empresas dos setores de manufatura, serviços, comércio e construção. 

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que mede a inflação na cidade de São Paulo, subiu 0,05% na segunda quadrissemana de dezembro, desacelerando em relação à alta de 0,15% observada na primeira quadrissemana deste mês, segundo dados publicados hoje pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

Na segunda leitura de dezembro, seis dos sete componentes do IPC-Fipe caíram com maior intensidade ou avançaram com menos força. Foi o caso de Habitação (de -0,17% na primeira quadrissemana para -0,33% na segunda quadrissemana), Alimentação (de 0,27% para 0,26%), Transportes (de -0,76 para -0,93%), Saúde (de 0,86% para 0,79%) e Vestuário (de 0,15% para 0,14%).

A exceção foi o item Educação, com aumento de 0,08% na segunda prévia de dezembro, um pouco maior que o acréscimo de 0,06% da primeira quadrissemana.

Em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) publicada ontem (17), o ministro extraordinário da Transição e futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, acrescentou uma nova área ao gabinete de transição governamental: Assuntos Estratégicos. O gabinete agora passa a contar com 19 grupos técnicos.

Além de Assuntos Estratégicos, compõem o gabinete de transição as seguintes áreas temáticas: Agricultura; Atualização e Consolidação de Atos Normativos; Cidadania; Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações; Defesa; Desenvolvimento Regional; Desenvolvimento Sustentável; Economia e Comércio Exterior; Educação; Infraestrutura; Justiça, Segurança e Combate à Corrupção; Minas e Energia; Modernização do Estado; Mulher, Família e Direitos Humanos; Previdência; Relações Exteriores; Saúde; e Turismo.

Onyx Lorenzoni também designou, em edição extra, Carlos Alberto dos Santos Cruz, futuro ministro da Secretaria de Governo, para exercer a função de Coordenador do Grupo Técnico de Assuntos Estratégicos do Gabinete de Transição Governamental. Por fim, Onyx Lorenzoni realizou alterações no Grupo Técnico de Atualização e Consolidação de Atos Normativos e Turismo e criou a composição da equipe de Assuntos Estratégicos, que será coordenada por Carlos Alberto dos Santos Cruz e Mauro Biancamano Guimarães (Coordenador-Adjunto). 

O valor médio de locação de imóveis residenciais em 15 cidades brasileiras permaneceu praticamente estável em novembro, com uma ligeira queda de 0,08%. Comparativamente, a inflação medida pelo IPCA (IBGE) foi de -0,21% no período. Os dados foram divulgados pelo Índice FipeZap de Locação Residencial.

De acordo com o levantamento, nove das 15 cidades monitoradas pelo Índice FipeZap apresentaram alta no preço médio do aluguel residencial no mês de novembro, com destaque para as variações observadas em São Bernardo do Campo (+1,37%), Distrito Federal (+0,57%) e Belo Horizonte (+0,47%). Já entre as cidades que registraram queda nos preços de locação residencial no último período estão Rio de Janeiro (-0,65%), Recife (-0,49%) e Santos (-0,43%).

A direção do Banco Central (BC) manteve a avaliação de que o atual cenário econômico exige política monetária estimulativa, mas retirou trecho do texto em que o BC indicava que esse estímulo deveria ser removido gradualmente. No documento conhecido nesta manhã, os diretores da autoridade monetária defendem que o ambiente "prescreve manutenção da taxa Selic no nível vigente" de 6,50% ao ano.

No parágrafo 26 da ata da reunião de dezembro do Comitê de Política Monetária (Copom), os diretores do BC repetiram a avaliação de que "a conjuntura econômica prescreve política monetária estimulativa, ou seja, com taxas de juros abaixo da taxa estrutural".

Ao contrário da ata divulgada após a reunião de outubro, porém, o texto de dezembro não menciona mais que "esse estímulo começará a ser removido gradualmente caso o cenário prospectivo para a inflação no horizonte relevante para a política monetária e/ou seu balanço de riscos apresentem piora".

O documento conhecido nesta manhã de terça-feira nota ainda no parágrafo 26 que "a evolução do cenário básico e do balanço de riscos prescreve manutenção da taxa Selic no nível vigente". Para os próximos meses, os diretores do BC afirmam que "os próximos passos da política monetária continuarão dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação". 

Clique para ampliar

O gráfico diário do IBOV mostra que o benchmark sentiu a linha tracejada em azul na primeira batida, sendo essa a LTA mais longa dentre as quais estão apontadas na imagem.

A linha de tendência de alta marrom ganha força e destaque, uma vez que segurou os preços inúmeras vezes desde o início de outubro e foi justamente onde fechou o candle na véspera.

Hoje teremos um pregão decisivo, com um ponto ótimo para a formação de um fundo se bons ventos soprarem do exterior.



Bons negócios e sucesso!



Wagner Caetano, para o Cartezyan
Diretor da TopTraders
contato@toptraders.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário