sexta-feira, 16 de novembro de 2018

IBOV buscará 87K


Bom dia, investidor!

Pregão após feriado fica de olho no exterior e nos quadros do presidente eleito >>> LEIA MAIS >>>

A maior parte das bolsas da Ásia e do Pacífico fechou em alta nesta sexta-feira, à medida que alguns ganhos setoriais mediram forças com a pressão exercida sobre o setor de tecnologia pelo balanço e as perspectivas divulgados pela americana Nvidia. Além disso, o conflito comercial entre os Estados Unidos e a China segue sendo monitorado.

Ao trazer ontem seus resultados trimestrais a público, a fabricante de chips Nvidia, sediada nos Estados Unidos, apontou perspectivas de desempenho e de mercado abaixo das expectativas de analistas, reforçando temores quanto à demanda no setor de tecnologia, que recentemente castigaram as ações da Apple.

Na China, o índice Xangai Composto avançou 0,41% hoje, a 2.679,11 pontos. Já o Shenzhen Composto, formado por empresas de menor valor de mercado, subiu 0,84%, a 1.410,18 pontos.

No plano do comércio global, repercutiu positivamente ontem e se estendeu para o pregão asiático a alegação de fontes ouvidas pelo Financial Times de que o representante comercial americano, Robert Lighthizer, teria dito a empresários do setor industrial que novas tarifas a serem implementadas sobre produtos chineses estariam "em suspenso" animaram os investidores e levaram as bolsas de Nova York às máximas do dia ao longo da tarde. As informações, contudo, foram negadas pelo Escritório do Representante Comercial (USTR, na sigla em inglês). Em comunicado, o órgão apontou que Lighthizer não fez nenhuma declaração desse tipo e ressaltou que o plano de impor barreiras à China "não mudou em nada".

Foi sobre a Bolsa de Tóquio, principalmente, que pesou o respingo do sentimento negativo para as techs trazido pela Nvidia. Lá, o índice japonês Nikkei encerrou em queda de 0,57%, aos 21.680,34 pontos.

O presidente do Bradesco, Octavio de Lazari Júnior, afirmou ao Broadcast em Nova York que são muito positivas as escolhas do governo do presidente eleito Jair Bolsonaro de Roberto Campos Neto para presidir o Banco Central e de Mansueto Almeida para continuar como o Secretário do Tesouro Nacional.

Octávio de Lazari Júnior chegou a avaliar que Ilan Goldfajn poderia prosseguir como presidente do Banco Central, mas compreende os fatores pessoais que não permitiram que ele continuasse no cargo.

Por outro lado, fez comentários favoráveis a Roberto Campos Neto. "Temos muito boas informações dele. É um profissional extremamente competente que trabalhou na tesouraria do Santander. A expectativa é muito boa e grande. O Ilan já estava lá há um tempo, já tinha construído uma história. A agenda de implementações, mudanças e ajustes que o BC precisava fazer está lá pronta. O próprio Ilan e sua equipe deixaram isso escrito. Então, vai facilitar muito o trabalho do Roberto no Banco Central."

O Banco Central informou há pouco que seu Índice de Atividade (IBC-Br) registrou alta de 1,74% no acumulado do trimestre até setembro, na comparação com o trimestre anterior (abril a junho), pela série ajustada.

O BC informou ainda que o IBC-Br acumulou alta de 1,72% no trimestre até setembro ante o mesmo período do ano passado, pela série sem ajustes sazonais.

Considerado uma espécie de "prévia do BC para o PIB", o IBC-Br serve como parâmetro para avaliar o ritmo da economia brasileira ao longo dos meses. 

O petróleo opera em alta nesta manhã, em uma tentativa de apagar as perdas recentes, que se acentuaram e levaram tanto o WTI quanto o Brent a entrar em bear market.

Às 9h48 (de Brasília), o barril para dezembro do petróleo tipo WTI subia 1,58%, A US$ 57,35 por barril, quanto o Brent para janeiro avançava 1,73%, a US$ 67,75 por barril.

Ainda em meio ao descompasso entre oferta e demanda que marcou a semana para o petróleo, os contratos futuros tentam apagar as perdas recentes. Pesam sobre o óleo os relatos de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e aliados poderiam cortar o equivalente a 1,4 milhão de barris por dia (bdp) na reunião do próximo mês, no dia 6 de dezembro, acima do que as autoridades mencionaram anteriormente, em torno de 1 milhão.

Nem a alta muito acima do esperado dos estoques em solo americano, que cresceram 10,27 milhões de barris na última semana, diante de projeção de alta de 2,2 milhões, que mostrou o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) do país ontem, pressionou os preços. 

IBOV em 86,5 às 10h20
Clique para ampliar

O gráfico diário do IBOV mostra a consolidação ode 84.000 pontos como suporte nas últimas sessões.

O fechamento do último pregão ocorreu na máxima do dia e acima da LTA e médias móveis de 5 e 21 períodos.

Isso abre espaço para a busca de 87.333, topo marcado no início de outubro, quem sabe ainda na sessão dessa sexta-feira se o exterior ajudar.




Bons negócios!


Wagner Caetano, para o Cartezyan
Diretor da TopTraders
contato@toptraders.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário