terça-feira, 9 de outubro de 2018

IBOV deve conter euforia


Bom dia, investidor!

Após euforia das eleições, IBOV deverá passar por uma sessão mais comedida >>> LEIA MAIS >>>

As bolsas asiáticas fecharam sem sinal único. Xangai teve alta, mas com ganho tímido após a queda forte da sessão anterior, enquanto a Bolsa de Tóquio registrou a quarta baixa consecutiva. Na Coreia do Sul, um feriado local manteve os mercados fechados.

Mais cedo, o Fundo Monetário Internacional (FMI) revisou para baixo suas projeções para o crescimento global, o que contribuiu para certa cautela. O FMI citou o crescente protecionismo e a instabilidade em mercados emergentes como fatores. Além disso, hoje o yuan operou em baixa, porém o governo da China reiterou que não pretende usar a moeda como arma na disputa comercial com os Estados Unidos. 

Na China, a Bolsa de Xangai fechou com ganho de 0,17%, em 2.721,01 pontos, enquanto a de Shenzhen, de menor abrangência, teve baixa de 0,09%, a 1.448,03 pontos. Ontem, Xangai havia recuado 3,72%. Hoje, ações do setor de energia se saíram bem, porém as dos setores aeroespacial e de tecnologia estiveram sob pressão.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng caiu 0,11%, a 26.172,91 pontos, oscilando perto da estabilidade durante o pregão, mas atingindo nova mínima de fechamento em 15 meses. Tencent teve baixa de 1,7% e foi decisiva para o Hang Seng terminar em território negativo. AIA caiu 0,9%, em seu sexto recuo seguido.

Na Bolsa de Tóquio, o índice Nikkei fechou em queda de 1,32%, a 23.469,39 pontos, após a praça local ficar fechada na segunda-feira por causa de um feriado no Japão. O Nikkei absorveu hoje a fraqueza regional e registrou a quarta queda seguida, com o setor de eletrônicos apresentando resultado ruim. Sharp teve baixa de 5,2%, pressionada pela valorização do iene desde a sexta-feira.

A Alemanha teve superávit comercial de 18,3 bilhões de euros em agosto, segundo dados com ajustes sazonais publicados hoje pela agência de estatísticas do país, a Destatis. O resultado veio abaixo da expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam saldo positivo de 19 bilhões de euros em agosto.

As exportações alemãs sofreram leve declínio de 0,1% em agosto ante julho, enquanto as importações tiveram queda acentuada, de 2,7%.

Ainda em agosto, a Alemanha registrou superávit em conta corrente de 15,3 bilhões de euros, informou a Destatis. 

O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, afirmou na noite de ontem, segunda-feira (8) ao Jornal Nacional, da TV Globo, que pretende unir o País se for eleito ao Planalto. "Nós vamos pacificar e unir o povo brasileiro", disse o candidato. Bolsonaro afirmou ainda que vai ser "escravo da nossa Constituição".

O candidato colocou o vice em sua chapa em saia-justa. Ao comentar declarações polêmicas do general Hamilton Mourão (PRTB), Bolsonaro disse que "ele é general, eu sou capitão, mas o presidente sou eu".

Bolsonaro afirmou também que não pretende recriar a CPMF e prometeu isentar de pagamento de Imposto de Renda quem ganha até cinco salários mínimos.

Em um aceno ao eleitorado no Nordeste, onde não foi o mais votado, o candidato do PSL disse que é uma fake news dizer que ele vai acabar com o Bolsa Família.

Em entrevista exibida mais cedo no SBT, Bolsonaro afirmou que vai viajar ao Nordeste se for autorizado pelos médicos que vão examiná-lo nesta quarta-feira (10).

Também ao Jornal Nacional, o candidato ao Planalto pelo PT, Fernando Haddad, disse que sua campanha reavaliou o posicionamento sobre a proposta de se realizar uma Constituinte e afirmou que seu eventual governo iria apostar em reformas, mas por meio de emendas constitucionais. Haddad destacou três propostas: reforma tributária, bancária e fim do teto de gastos aprovado pelo governo de Michel Temer.

O cobre opera em alta nesta terça-feira, apesar do dólar mais forte, com investidores concentrados na perspectiva de uma oferta menor mais adiante pelo metal.

Às 9h55 (de Brasília), o cobre para três meses subia 0,7%, a US$ 6.240 a tonelada, na London Metal Exchange (LME), e o cobre para dezembro tinha alta de 0,89%, a US$ 2,7915 a onça-troy, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).

O dólar avançava ante outras moedas fortes, o que torna as commodities mais caras para os detentores de outras moedas e tende a conter o apetite dos investidores. Ainda assim, operadores e gerentes de fundo se reúnem para um evento em Londres nesta semana para discutir a perspectiva para o setor no próximo ano, e muitos deles mostram-se otimistas sobre a trajetória dos preços do cobre.

Entre outros metais básicos negociados na LME, o zinco subia 2,4%, a US$ 2.686,50 a tonelada, o estanho tinha alta de 0,03%, a US$ 18.930 a tonelada, o níquel avançava 1,22%, a US$ 12.820 a tonelada, e o chumbo subia 0,91%, a US$ 1.991 a tonelada. 

O petróleo opera em território positivo nesta terça-feira, em meio a preocupações sobre o recuo na oferta do Irã. Além disso, é acompanhado o risco de que um furacão possa afetar refinarias nos Estados Unidos.

Às 9h58 (de Brasília), o petróleo WTI para novembro subia 0,67%, a US$ 74,79 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para dezembro avançava 0,88%, a US$ 84,65 o barril, na ICE.

O furacão Michael se encaminha para a região do Golfo do México e já causou a perda de 320 mil barris por dia de oferta de petróleo e uma redução significativa na produção de gás, de acordo com o governo dos Estados Unidos. O fenômeno deve tocar terra nesta quarta-feira.

Operadores também acompanham notícias sobre os embarques do Irã, que recuam mais rápido do que o esperado antes das sanções dos EUA contra o setor do país persa começarem a vigorar, em novembro. A União Europeia já sinalizou que desejava continuar a comprar petróleo do Irã, desafiando Washington, mas analistas veem isso como improvável no curto prazo. 

O Fundo Monetário Internacional reduziu suas previsões para o crescimento do Brasil para 2018 e 2019, que passam agora a ser de 1,4% e 2,4%, respectivamente, segundo o documento Perspectiva Econômica Mundial, cujo título é "Desafios para crescimento constante." A mudança para baixo da previsão para este ano foi uma das maiores realizadas pelo FMI. Em julho, as projeções para o PIB do País estavam em 1,8% para 2018 e 2,5% para 2019. Em abril, o Fundo estimou que o Produto Interno Bruto do País avançaria 2,3% neste ano e 2,5% no próximo.

A produção industrial cresceu em 11 dos 15 locais pesquisados em agosto de 2018 ante agosto de 2017, segundo os dados da Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física Regional, divulgados há pouco pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os avanços mais expressivos ocorreram no Rio Grande do Sul (12,3%), Pernambuco (11,7%) e Pará (11,0%). No Rio Grande do Sul, o resultado foi impulsionado, principalmente, pelos avanços observados nos setores de veículos automotores, celulose, produtos de metal, máquinas e equipamentos, e derivados de petróleo e biocombustíveis. Em Pernambuco, a expansão foi puxada pelos produtos alimentícios. No Pará, o resultado foi impulsionado pelas indústrias extrativas.

Os demais aumentos na produção foram registraram no Paraná (6,5%), Santa Catarina (5,0%), Rio de Janeiro (4,5%), Região Nordeste (3,6%), Mato Grosso (1,4%), Bahia (1,2%), São Paulo (0,7%) e Minas Gerais (0,5%).

Na direção oposta, houve perdas no Amazonas (-6,7%), Goiás (-4,1%), Espírito Santo (-1,8%) e Ceará (-0,5%).

Na média global da indústria, a produção cresceu 2,0% em agosto ante o mesmo mês do ano passado.

Após a euforia na véspera, na esteira das eleições, o IBOV deverá passar por uma sessão mais comedida, talvez de leve baixa nessa terça-feira.

Por um lado temos uma LTB rompida, assim como a linha superior do "filhote" de canal com cunha no diário, por outro uma considerável distância em relação à media móvel exponencial de 21 períodos.

Na minha visão, teremos um recuo, entre hoje e quinta-feira, até a média móvel de 5 períodos pelo menos, que está colada na LTB supra citada (reta vermelha inclinada para baixo).

Isso daria cerca de 2,5% de queda em três dias, uma projeção ousada, que parece improvável, mas possível.




Bons negócios!


Wagner Caetano, para o Cartezyan
Diretor da TopTraders
contato@toptraders.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário