quinta-feira, 13 de setembro de 2018

IBOV testa 74/75.000


Bom dia, investidor!

Ontem alta moderada em torno de 75, hoje testa suporte; dados da China e da Alemanha movimentam bolsas no mundo; eleições tensionam B3 >>> LEIA MAIS >>>

As bolsas asiáticas fecharam com ganhos nesta quinta-feira, interrompendo uma sequência de dias em geral negativos, em meio a notícias de uma nova rodada de diálogos sobre comércio entre China e Estados Unidos. Além disso, fatores locais influíram, como avanços em papéis de alguns bancos no continente.

Na China, a Bolsa de Xangai fechou em alta de 1,15%, em 2.686,58 pontos, e a de Shenzhen, de menor abrangência, avançou 0,71%, a 1.477,86 pontos. As ações chinesas abriram em alta, chegaram a operar em território negativo no meio do dia, mas retomaram a força, levando a Bolsa de Xangai a interromper uma sequência de três recuos consecutivos. Ações de energia e seguradoras puxaram os ganhos, enquanto o setor farmacêutico esteve sob pressão, por temores de medidas do governo na área.

Na Bolsa de Tóquio, o índice Nikkei subiu 0,96%, a 22.821,32 pontos. SoftBank subiu 4,7%, na máxima em 18 anos, após a corretora Mizuho elevar o preço-alvo da ação. Papéis do setor de energia também se saíram bem, com a petroleira Inpex em alta de 3,7%.

A China atraiu US$ 10,43 bilhões em investimento estrangeiro direto (IED) em agosto, uma alta de 11,4% em comparação com igual período do ano passado, informou o Ministério do Comércio nesta quinta-feira. Nos primeiros oito meses do ano, o IED na China avançou 6,1% ante igual intervalo de 2017, a US$ 68,5 bilhões.

O governo também disse que a China realizou US$ 74,09 bilhões de investimento direto não financeiro no exterior no período entre janeiro e agosto, alta de 7,8% na comparação com o mesmo período do ano passado. 

O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) da Alemanha subiu 0,1% em agosto ante julho e registrou alta de 2% na comparação anual, segundo dados finais publicados hoje pela agência de estatísticas do país, a Destatis.

Os números vieram em linha com as expectativas de analistas consultados pelo The Wall Street Journal e confirmaram estimativas preliminares divulgadas no fim de agosto.

Já o CPI harmonizado alemão ficou estável no confronto mensal de agosto e registrou acréscimo de 1,9% em doze meses, também como estimado anteriormente. 

O cobre opera com ganhos na manhã desta quinta-feira, apoiado por relatos de que os Estados Unidos convidou a China para uma nova rodada de diálogo sobre comércio.

Às 9h30 (de Brasília), o cobre para três meses subia 0,80%, a US$ 6.049,50 a tonelada, na London Metal Exchange (LME). O cobre para dezembro avançava 0,97%, a US$ 2,7020 a libra-peso, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).

O governo do presidente Donald Trump está dando a Pequim mais uma oportunidade de tentar evitar novas tarifas sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses, pedindo a autoridades uma nova rodada de diálogo ainda neste mês, informou o Wall Street Journal na quarta-feira. Hoje, o governo chinês confirmou a informação.

Operadores de metal têm reagido às notícias sobre o comércio nos últimos meses, diante do temor de que uma guerra comercial entre Washington e Pequim possa prejudicar a demanda por matérias-primas. A China representa quase a metade da demanda global por cobre e é um importante consumidor de metais básicos.

Entre os metais básicos negociados na LME, o zinco caía 0,3%, a US$ 2.338 a tonelada, o alumínio subia 0,5%, a US$ 2.067,50 a tonelada, o estanho operava estável, a US$ 19.050 a tonelada, o níquel subia 0,7%, a US$ 12.720 a tonelada, e o chumbo subia 1,6%, a US$ 2.068 a tonelada. 

Os contratos futuros de petróleo operam em baixa na manhã desta quinta-feira, com os agentes digerindo o relatório mensal da Agência Internacional de Energia (AIE) e monitorando o movimento do furacão Florence, que deve chegar aos Estados Unidos durante a noite.

Na Intercontinental Exchange (ICE), o barril do Brent para entrega em novembro caía 0,75%, para US$ 79,14, enquanto o WTI para outubro, negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex), recuava 1,32%, para US$ 69,44 por barril.

Os preços do petróleo apresentam queda à medida que apresentaram forte avanço nos dias anteriores em meio à divulgação do relatório semanal dos estoques de petróleo nos EUA. De acordo com o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) do país, o volume estocado de óleo cru caiu 5,3 milhões de barris na semana passada, para 396 milhões de barris, o que marca a primeira leitura abaixo de 400 milhões de barris desde fevereiro de 2015 e está 3% abaixo da média de cinco anos. Analistas esperavam queda menor, de apenas 1,6 milhão de barris.

Além disso, os contratos foram ajudados nos últimos dias pela aproximação do Furacão Florence dos EUA, que pode afetar um oleoduto. A tormenta, no entanto, perdeu força antes de tocar o solo americano esta noite e, agora, é de categoria 2. Mesmo assim, o Centro Nacional de Furacões (NHC, na sigla em inglês) alerta que o Florence continua a ser perigoso para a população americana.

Os agentes também digerem o relatório mensal de petróleo da AIE. Nesta manhã, a instituição apontou que, em agosto, a produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) superou "com folga" a redução da oferta do Irã, cuja produção caiu 150 mil barris por dia em agosto e a exportação recuou 280 mil barris por dia mês passado. 

Um dos filhos do candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL) nas eleições 2018, Carlos Bolsonaro, disse na madrugada desta quinta, 13, que o militar da reserva viveu uma noite "delicada", mas que a situação foi contornada. O presidenciável precisou passar por mais uma cirurgia de emergência, na noite desta quarta, por causa de um inchaço na região abdominal.

O procedimento desta quarta durou pouco mais de uma hora e foi bem-sucedido, de acordo com médicos do Hospital Albert Einstein, onde Bolsonaro está internado desde a última sexta. Na quinta, 6, o candidato foi esfaqueado durante um ato de campanha em Juiz de Fora, e teve perfurações no intestino grosso e no intestino delgado. O hospital deve divulgar um boletim atualizado sobre o estado de saúde de Bolsonaro ainda na manhã desta quinta.

Com o aparecimento do inchaço nesta quarta, os médicos que cuidam do candidato decidiram realizar uma tomografia de abdome, que evidenciou a presença de aderência obstruindo o intestino delgado e a necessidade da cirurgia. 

O gráfico diário do IBOV apresenta uma cunha de baixa (costuma ser um padrão altista, desde que a linha superior seja rompida, naturalmente) e um harami de fundo, limitado pelo movimento curto que o antecede, porém não menos relevante.

O fechamento acima de 74.875 mantém a compra "viva" no diário.

A abertura deverá ser altista, pelo tom no exterior e índice futuro.

Caso acelere um pouco após a abertura do mercado a vista no Brasil e posteriormente do norte-americano, poderemos ter um importante teste da média móvel de 21 períodos como resistência.

A minha visão é que haverá um pregão com alta moderada, nos moldes de ontem.


Bons negócios!


Wagner Caetano, para o Cartezyan
Diretor da TopTraders
contato@toptraders.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário