terça-feira, 11 de setembro de 2018

Eleição e aversão ao risco pautam Bolsa


Bom dia, investidor!

Novas pesquisas; PT confirma Haddad; Vamos ver a reação dos agentes em meio a esse turbilhão de informações.  >>> LEIA MAIS >>>

IBOV diário até ontem - clique para ampliar

As bolsas asiáticas não tiveram sinal único nesta terça-feira, com Tóquio em alta considerável, mas Hong Kong em baixa e entrando no chamado "bear market". Na China, a Bolsa de Xangai mostrou pouco fôlego e terminou em queda modesta, com o comércio global no radar.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng fechou em queda de 0,72%, em 26.422,55 pontos. Com isso, a bolsa local entrou no "bear market", caracterizado por uma queda de 20% ou mais em comparação com um pico recente. Ações de cassinos têm mostrado desempenho ruim nas últimas semanas, diante de temores sobre o crescimento chinês e os gastos dos consumidores mais endinheirados. Operadoras de cassinos no território de Macau, Galaxy Entertainment Group e Sands China caíram 5,7% e 3,7%, respectivamente, e recuam ambas mais de 15% até agora em setembro. As duas integram o Hang Seng. Ente os papéis mais negociados, China Tower caiu 0,85% e China Construction Bank teve baixa de 1,37%.

Na China, a Bolsa de Xangai fechou em baixa de 0,18%, em 2.664,80 pontos, mas a de Shenzhen, de menor abrangência, subiu 0,17%, a 1.473,39 pontos. A cautela com possíveis novas tarifas dos Estados Unidos contra o país continuou a colocar um freio no otimismo nas praças locais.

A Bolsa de Tóquio se destacou, com o índice Nikkei em alta de 1,30%, em 22.664,69 pontos. O iene mais fraco ajudou ações de exportadoras do Japão. Além disso, alguns papéis se recuperaram, após ficarem pressionados por desastres naturais ocorridos na semana anterior no país. Entre os destaques, a farmacêutica Daiichi Sankyo subiu 4,3% e Kose, do setor de cosméticos, avançou 3%.

O índice ZEW de expectativas econômicas na Alemanha teve alta de -13,7 em agosto a -10,6 na leitura de setembro, informou o próprio instituto nesta terça-feira. Analistas ouvidos pelo Wall Street Journal previam -12,9.

O índice das condições atuais da economia alemã avançou de 72,6 em agosto a 76,0 em setembro. A projeção, nesse caso, era de queda para 72,0. 

O cobre opera sem impulso na manhã desta terça-feira, com o mercado à espera de novos sinais da disputa comercial entre Estados Unidos e China. O país asiático é o maior consumidor de metais para a indústria.

Às 9h25 (de Brasília), o cobre para três meses estava estável, a US$ 5.892,50 a tonelada, na London Metal Exchange (LME). O cobre para dezembro subia 0,04%, a US$ 2,6290 a libra-peso, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).

Na semana passada, o presidente americano, Donald Trump, disse que poderia haver uma terceira rodada de tarifas, contra US$ 267 bilhões em importações chinesas. Os EUA já impuseram tarifa de 25% sobre US$ 50 bilhões em produtos da China e consideram adotar outras sobre mais US$ 200 bilhões em produtos do país.

Entre outros metais básicos negociados na LME, o zinco caía 0,78%, a US$ 2.344,50 a tonelada, o alumínio recuava 0,73%, a US$ 2.079,50 a tonelada, o estanho tinha alta de 0,42%, a US$ 19.060,00 a tonelada, o níquel subia 0,08%, a US$ 12.420,00 a tonelada, e o chumbo recuava 1,31%, a US$ 1.991,00 a tonelada. 

Os preços do petróleo marcavam alta na manhã desta terça-feira, em meio a riscos à oferta da Líbia após um ataque à empresa estatal no país africano.

Às 9h26 (de Brasília), o barril do Brent para novembro subia 0,78%, a US$ 77,98, na Intercontinental Exchange (ICE), enquanto o barril do WTI para outubro avançava 0,36%, a US$ 67,80, na New York Mercantile Exchange (Nymex).

Ontem, um grupo armado invadiu a sede da National Oil Corporation (NOC), matando duas pessoas. O ataque elevou preocupações sobre novas rupturas da produção de petróleo líbia, na esteira de uma série de interrupções causadas por ofensivas em outras ocasiões ao longo de 2018. Mais recentemente, a produção aparentava estar se estabilizando.

As instalações da NOC foram invadidas anteriormente por milícias concorrentes. Nenhuma organização assumiu a responsabilidade pelo ataque, mas o grupo autodenominado Estado Islâmico já teve como alvo instalações de petróleo em ocasiões passadas.

A renovação da violência na Líbia surge num momento em que investidores do mercado de petróleo voltam a atenção para as exportações de óleo bruto do Irã, como resultado das iminentes sanções econômicas contra a indústria petrolífera do país persa, previstas para entrar em vigor em novembro. Isso porque o óleo líbio vinha sendo considerado uma alternativa ao iraniano.

As intenções de voto no presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) oscilaram de 22% em agosto para 24% ontem, segundo pesquisa Datafolha divulgada na noite desta segunda-feira. Desta forma, o candidato segue na liderança da corrida eleitoral. Quatro candidatos estão tecnicamente empatados na segunda colocação, no limite da margem de erro, que é de dois pontos porcentuais.

De agosto até agora, Ciro Gomes (PDT) subiu de 10% para 13%; Marina Silva (Rede) caiu de 16% para 11%; Geraldo Alckmin (PSDB) oscilou de 9% para 10%; Fernando Haddad, que deve substituir o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na chapa do PT, cresceu de 4% para 9%.

Nas simulações de segundo turno, Bolsonaro perde para Ciro, Alckmin e Marina. No caso de o oponente ser Haddad, o candidato do PSL aparece tecnicamente empatado.

A pesquisa tem margem de erro de dois pontos porcentuais e nível de confiança de 95%. Foram ouvidos 2.804 eleitores nesta segunda-feira (10), em 197 municípios de todas as regiões do País. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-02376/2018. O levantamento foi encomendado pela TV Globo e pelo jornal Folha de S.Paulo.

O ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB), candidato ao Senado, foi preso nesta terça-feira, 11. A ordem é da Justiça do Estado e foi cumprida pelo Gaeco, do Ministério Público do Paraná.

Além desta ofensiva, aliados de Beto Richa foram alvo de mandados da Justiça Federal do Paraná. Também nesta terça, em mais uma ação ostensiva decorrente da Lava Jato, a Polícia Federal deflagrou a Operação Piloto nos estados da Bahia, de São Paulo e do Paraná.

Aproximadamente 180 policiais federais cumprem 36 ordens judiciais nas cidades de Salvador/BA, São Paulo/SP, Lupianópolis/PR, Colombo/PR e Curitiba/PR.

Em nota, a PF informou que a investigação mira suposto pagamento milionário de vantagem indevida, em 2014, pelo Setor de Operações Estruturadas do Grupo Odebrecht, o departamento de propina da empreiteira, para agentes públicos e privados no Estado Paraná. Segundo os investigadores, a contrapartida seria um possível direcionamento do processo licitatório para investimento na duplicação, manutenção e operação da rodovia estadual PR-323 na modalidade Parceria Público-Privada (PPP).

O IBOV deve abrir em baixa nessa terça-feira, refletindo o gap de baixa no índice futuro e a aversão ao risco no exterior.

Na minha leitura, a tendência é de recuperação ao longo do dia, talvez com fechamento próxima da estabilidade.

Enquanto escrevo, recebo a notícia que o PT confirma a troca de Lula por Haddad como candidato ao Planalto.

Havia um temor que o PT desistisse da candidatura para apoiar Ciro Gomes, o que praticamente o colocaria no segundo turno.

Vamos ver a reação dos agentes em meio a esse turbilhão de informações.

Bons negócios!



Wagner Caetano, para o Cartezyan
Diretor da TopTraders
contato@toptraders.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário