terça-feira, 18 de setembro de 2018

Arrancada supera 77.000


Bom dia, investidor!

Arrancada do IBOV ontem e alta moderada hoje supera os 77K >>> LEIA MAIS >>>

As bolsas asiáticas chegaram a mostrar mais fraqueza no início do pregão, mas fecharam na maioria em alta, com investidores em geral dando pouca importância ao anúncio do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de que uma nova rodada de tarifas sobre produtos chineses entrará em vigor na próxima semana. Nesta madrugada, o governo chinês já disse que pretende retaliar. Algumas praças se recuperaram após quedas recentes, com Xangai e Tóquio registrando altas superiores a 1%.

A Bolsa de Xangai fechou com ganho de 1,82%, em 2.699,95 pontos, e a de Shenzhen, de menor abrangência, subiu 1,68%, a 1.467,99 pontos. Xangai se recuperou após recuar em 12 das últimas 15 sessões, depois de atingir na segunda-feira patamar próximo à mínima de fechamento em quatro anos. A Bolsa de Xangai chegou a oscilar durante o pregão, mas ganhou força nas horas finais.

Na Bolsa de Tóquio, o índice Nikkei fechou com ganho de 1,41%, em 23.420,54 pontos. Segundo a gestora de ativos Shinkin Asset Management, as tarifas dos EUA contra a China vieram como esperado, a economia global mostra solidez e os balanços em geral têm sido positivos, o que se reflete nos preços das ações. Papéis de companhias siderúrgicas, aéreas e seguradoras se saíram bem hoje.

Os contratos futuros de petróleo chegaram a operar em território negativo nesta madrugada, mas inverteram o sinal após relatos de que o governo da Arábia Saudita se declarou "confortável" com o barril do Brent na casa dos US$ 80. Além disso, investidores monitoram os sinais para a oferta e a demanda e também a disputa comercial entre Estados Unidos e China.

Às 9h55 (de Brasília), o petróleo WTI para outubro subia 1,35%, a US$ 69,84 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para novembro avançava 1,45%, a US$ 79,18 o barril, na ICE.

A sinalização da Arábia Saudita de que está confortável com o preço atual do barril é importante porque o país é o líder de fato da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e um dos principais nomes nesse mercado. Com isso, Riad sinaliza que não deve agir para colocar mais petróleo no mercado, o que pressionaria os preços.

O ministro da Energia da Rússia, Alexander Novak, por sua vez, declarou mais cedo que, na avaliação dele, o patamar atual do petróleo é algo apenas temporário, fruto das sanções dos Estados Unidos contra o Irã. Segundo a imprensa russa, Novak criticou as sanções americanas como "contraproducentes" e um "equívoco". O governo do presidente americano, Donald Trump, se retirou do acordo internacional sobre o programa nuclear iraniano, o que abriu o caminho para a volta de sanções econômicas contra o país persa. Essas sanções devem se voltar especificamente contra o setor de petróleo iraniano em novembro, mas a expectativa por elas já influi no mercado e tem levado empresas a rever seus negócios com Teerã.

Investidores ainda aguardam o relatório semanal de estoques nos EUA do American Petroleum Institute (API), que sai às 17h30. 

O cobre opera com ganhos superiores a 1%, na manhã desta terça-feira.

Às 9h58 (de Brasília), o cobre para três meses subia 1,42%, a US$ 6.035 a tonelada, na London Metal Exchange (LME), e às 7h50 o cobre para dezembro tinha alta de 1,68%, a US$ 2,6955 a libra-peso, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).

Entre outros metais básicos negociados na LME, o zinco subia 1,74%, a US$ 2.373,50 a tonelada, o alumínio avançava 0,91%, a US$ 2.052,00 a tonelada, o estanho tinha ganho de 0,32%, a US$ 19.000 a tonelada, o níquel operava em alta de 0,94%, a US$ 12.390,00 a tonelada, e o chumbo recuava 0,48%, a US$ 2.058 a tonelada. 

O candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad (PT), afirmou nesta terça-feira, 18, que não vai dar indulto ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso pela Operação Lava Jato. "Lula é o primeiro a dizer que não quer favor, quer reconhecimento do erro do Judiciário". Pressionado, Haddad, pela primeira vez, negou: "Não. Não ao indulto", disse, em entrevista à Rádio CBN e ao portal G1.

Na entrevista, Haddad citou novamente que nas visitas que faz ao líder petista ele próprio rechaça a ideia de deixar a prisão por meio de um decreto presidencial, pois confia que as cortes brasileiras de justiça e os fóruns internacionais irão atestar a sua inocência no processo do tríplex do Guarujá, em que foi condenado a 12 anos e um mês de prisão. Lula está preso na carceragem da Polícia Federal de Curitiba desde o dia 7 de abril. "Lula é o primeiro a dizer que não quer favor, quer reconhecimento do erro judiciário", emendou.

O IBOV inicia o pregão dessa terça-feira em leve alta, após a escalada vista na véspera.

Ontem houve o rompimento das duas médias e ainda da cunha de baixa. IBOV intradiário ondem e hoje: clique para ampliar.

O desafio é operar acima dos pontos vencidos, reunindo forças para superar 77.300, cujo rompimento projetaria teste de 78.785 em um ou dois pregões.

A expectativa para o pregão de hoje é de alta moderada.




Bons negócios!


Wagner Caetano, para o Cartezyan
Diretor da TopTraders
contato@toptraders.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário