sexta-feira, 17 de agosto de 2018

IBOV descola do exterior


Bom dia, investidor!

Exterior opera em leve baixa, ferro com ganhos e petróleo no positivo - IBOV futuro em baixa.

As bolsas da Ásia e do Pacífico fecharam majoritariamente em alta nesta sexta-feira, seguindo o bom desempenho dos mercados de Nova York ontem e repercutindo ainda planos dos EUA e China de retomarem discussões comerciais. As bolsas chinesas, porém, contrariam o viés positivo da região e encerraram os negócios nos menores níveis em anos, afetadas por ações do setor farmacêutico.

Ontem, os índices acionários de Nova York registraram ganhos entre 0,4% e 1,6%, sustentados pela confirmação de que autoridades americanas e chinesas irão se reunir ainda este mês em Washington para uma nova rodada de negociações comerciais e por balanços trimestrais melhores do que o esperado, com destaque para o resultado do gigante varejista Walmart.

Nos últimos meses, EUA e China vêm impondo tarifas a bilhões de dólares em importações um do outro por divergências sobre desequilíbrios na balança comercial bilateral, que é notavelmente favorável a Pequim. Há temores de que a rixa comercial entre os dois países comprometa o crescimento da economia global.

Em Tóquio, o Nikkei subiu 0,35% hoje, a 22.270,38 pontos, mas foram negociadas apenas 1,1 bilhão de ações, o terceiro menor volume do ano. Ao longo da semana, o índice japonês mostrou perda marginal de 0,12%.

Também ficaram no azul o Hang Seng, que avançou 0,42% em Hong Kong, a 27.213,41 pontos, o sul-coreano Kospi, com ganho de 0,28% em Seul, a 2.247,05 pontos, e o Taiex, que garantiu ligeira alta de 0,07% em Taiwan, a 10.690,06 pontos. No acumulado da semana, por outro lado, o Hang Seng, o Kospi e o Taiex tiveram quedas de 4,1%, 1,6% e 2,7%, respectivamente.

O fraco resultado semanal na Ásia é explicado em boa parte pelo comportamento recente da lira turca, que apresentou forte desvalorização ante o dólar na segunda-feira, antes de começar a se recuperar nos dias seguintes. O tombo da lira, causado por divergências entre Turquia e EUA, causou turbulência nos mercados financeiros globais no começo da semana.

Na China, as bolsas foram pressionadas pelo segmento farmacêutico, em meio a um processo do governo contra a Changsheng Biotechnology, que teria falsificado vacinas. Quase 40 empresas da área farmacêutica tiveram perdas de mais de 5% hoje, incluindo a Changsheng, que é listada em Shenzhen. Principal índice acionário do país, o Xangai Composto caiu 1,34%, a 2.668,97 pontos, atingindo o menor patamar desde outubro de 2014, enquanto o Shenzhen Composto recuou 1,69%, a 1.442,38 pontos, menor nível desde dezembro de 2014. Na semana, os índices chineses desvalorizaram cerca de 5%.

O cobre opera em território negativo nesta sexta-feira, após a alta acentuada da sessão anterior. O quadro hoje parece de mais estabilidade, após forte volatilidade mais cedo nesta semana, porém continua a haver cautela com o quadro global.

Às 9h20 (de Brasília), o cobre para três meses caía 0,08%, a US$ 5.884,50 a tonelada, na London Metal Exchange (LME), um dia após reagir depois de atingir na quarta-feira a mínima em 12 meses. O cobre para setembro recuava 0,19%, a US$ 2,6115 a libra-peso, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).

Os mercados de metais aparentemente estão mais estáveis hoje, depois de uma semana de altos e baixos. O dólar mais forte e temores sobre a oferta estão no radar dos investidores nos últimos dias. Nesta manhã, a moeda americana está um pouco mais fraca ante outras divisas, o que tende a apoiar a demanda de investidores detentores de outras divisas.

Na semana, um salto nas tensões entre os EUA e Ancara e temores macroeconômicos mais amplos de contágio em emergentes e com o crescimento da China prejudicaram a demanda pelo cobre. Por outro lado, a perspectiva de diálogo entre americanos e chineses neste mês sobre comércio diminuíram as preocupações, na quinta-feira. Para o Commerzbank, os investidores podem se voltar novamente para os fundamentos, com o quadro global aparentemente um pouco mais calmo.

No setor, o principal sindicato de trabalhadores da mina Escondida, no Chile, chegou a um acordo com patrões no fim da quinta-feira, segundo a BN Americas. Uma oferta salarial deve ser votada nesta sexta-feira nesta mina, a maior de cobre do mundo.

Entre outros metais básicos negociados na LME, o zinco caía 0,9%, a US$ 2.356 a tonelada, o alumínio recuava 0,76%, a US$ 2.022,50 a tonelada, o estanho tinha alta de 0,08%, a US$ 18.625 a tonelada, o níquel cedia 0,67%, a US$ 13.250 a tonelada, e o chumbo subia 0,15%, a US$ 2.009,50 a tonelada. 

Os contratos futuros de petróleo operam em alta na manhã desta sexta-feira.

Às 9h34 (de Brasília), o barril do petróleo Brent para outubro subia 0,94% na IntercontinentalExchange (ICE), a US$ 72,10, enquanto o WTI para o mesmo mês avançava 0,55% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 65,24.

Apesar do viés positivo de hoje, o petróleo continua pressionado por preocupações com a crise da Turquia, cuja moeda, a lira, vem apresentando forte volatilidade desde a semana passada, e por números recentes sobre estoques de petróleo bruto dos EUA, que tiveram um inesperado e expressivo aumento na última semana.

Mais tarde, às 14h (de Brasília), está prevista a divulgação da pesquisa semanal da Baker Hughes sobre o número de plataformas e poços em atividade nos EUA. Fonte: Dow Jones Newswires.

Confirmado na relatoria do pedido de registro do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o ministro Luís Roberto Barroso quer uma resposta rápida para o caso, mas deve respeitar os prazos de tramitação do processo no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), segundo o Estadão/Broadcast apurou. O ministro não quer dar um tratamento diferenciado ao caso do ex-presidente, preso e condenado na Lava Jato.

De acordo com interlocutores do ministro, Barroso pretende imprimir ao registro de candidatura de Lula o mesmo rito previsto para qualquer outro candidato que dispute o Palácio do Planalto.

O edital que confirma a candidatura de Lula deve ser publicado nesta sexta-feira no "Diário da Justiça Eletrônico", marcando uma das primeiras etapas do processo de tramitação do registro.

A partir deste sábado (um dia depois da publicação do edital) deve ser iniciado o prazo de cinco dias para a contestação da candidatura. Depois da conclusão desse prazo é que, em tese, se deve abrir no dia 23 de agosto o prazo de sete dias da defesa, que se encerraria no dia 29.

O IBOV deverá abrir em baixa nessa sexta-feira, seguindo o fluxo do mercado futuro. Clique no gr[afico para ampliar.

Temos um forte suporte ao redor de 75.900 e também uma LTA (linha de tendência de alta) pontilhada em azul no gráfico diário.

Ambos poderão sustentar os preços, caso sejam realmente testados.

O exterior opera em leve baixa, com o minério tendo fechado com ganhos de +1,51% o petróleo operando em terreno positivo em Londres e Nova York.

Assim sendo, podemos ter uma sessão de recuperação gradual ao longo do pregão.





Bons negócios!


Wagner Caetano, para o Cartezyan
Diretor da TopTraders
contato@toptraders.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário