quarta-feira, 11 de julho de 2018

No exterior, EUA x China; aqui, Blocão barganha apoio


Bom dia, investidor!

EUA impõem mais tarifas, e China considera "inaceitável" >>> LEIA MAIS >>>

As bolsas asiáticas fecharam com perdas robustas nesta quarta-feira, após os EUA anunciarem planos de tarifar mais US$ 200 bilhões em produtos da China, interrompendo uma breve trégua no embate comercial entre as duas maiores economias do mundo.

Um total de 6.031 tipos de bens chineses estarão sujeitos a tarifas de 10%, segundo comunicado divulgado ontem à noite pelo Escritório do Representante Comercial dos EUA (USTR). O prazo de contestações da proposta tarifária termina em 30 de agosto.

O Ministério de Comércio chinês se disse "chocado" e descreveu o último lance de Washington como "totalmente inaceitável", prometendo tomar contramedidas não especificadas.

Na última sexta-feira (06), os EUA já haviam imposto tarifas de 25% sobre US$ 34 bilhões em produtos chineses, levando Pequim a retaliar na mesma proporção.

Principal índice acionário da China, o Xangai Composto recuou 1,77% hoje, a 2.777,77 pontos, interrompendo uma trajetória de três pregões de ganhos, e o menos abrangente Shenzhen Composto, que é em boa parte formado por startups, caiu 1,96%, a 1.554,62 pontos.

Em outras partes da Ásia, o japonês Nikkei teve queda de 1,19% em Tóquio, a 21.932,21 pontos, pressionado por ações de tecnologia, enquanto o Hang Seng perdeu 1,29% em Hong Kong, a 28.311,69 pontos, o sul-coreano Kospi recuou 0,59% em Seul, a 2.280,62 pontos, e o Taiex cedeu 0,74% em Taiwan, a 10.676,84 pontos.

Os futuros de petróleo operam em baixa nesta manhã, com perdas mais acentuadas do Brent, após a Líbia indicar que irá ampliar sua oferta e em meio à retomada de tensões comerciais envolvendo os EUA e a China.

Às 9h27 (de Brasília), o barril do Brent para setembro caía 2,08% na IntercontinentalExchange (ICE), a US$ 77,22, enquanto o do WTI para agosto recuava 0,58% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 73,68.

A Líbia anunciou hoje a retomada do controle de quatro portos na região leste que haviam suspendido exportações de petróleo desde que sofreram uma invasão por uma facção armada, no mês passado. "A produção e operações de exportação irão voltar para níveis normais nas próximas horas", informou a National Oil Corp. (NOC), petrolífera estatal líbia.

Os preços do cobre operam em queda acentuada nesta quarta-feira, em meio a escalada nas tensões comerciais, após os EUA anunciarem ontem que planejam aplicar novas tarifas em produtos importados da China.

Como a China é o maior importador de cobre do mundo, medidas contrárias ao país tendem a prejudicar o metal. Na Comex, a divisão de metais da bolsa mercantil de Nova York (Nymex), o cobre para entrega em setembro recuava 2,57%, a US$ 2,7665 por libra-peso, às 9h47 (de Brasília). Por volta das 9h50 (de Brasília), o cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) caía 2,9%, a US$ 6.162,50 por tonelada.

Entre outros metais negociados na LME, o zinco recuava 2%, a US$ 2,574.50 a tonelada, o alumínio perdia 0,7%, a US$ 2,071 a tonelada e o estanho caía 2,1%, a US$ 19.335 a tonelada. Já o níquel tinha baixa de 3,1%, a US$ 13.725 a tonelada e o chumbo recuava 3,4%, a US$ 2.242 a tonelada. 

O Centrão, grupo formado por DEM, Solidariedade, PRB e PP, se reúne no início da tarde desta quarta-feira, 11, para tentar firmar posição sobre qual candidatura presidencial irá apoiar nessas eleições gerais. Além da prerrogativa de indicar o vice na chapa do candidato escolhido nessa corrida ao Palácio do Planalto, o Centrão, rebatizado agora de 'Blocão' quer mais. 

Outros pontos que fazem parte dessa costura são a recondução do deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) ao comando da Câmara dos Deputados e a manutenção de cargos e postos estratégicos ocupados no governo de Michel Temer. 

Um dos maiores entraves para a definição do apoio é que os partidos têm preferências distintas. O DEM, por exemplo, está dividido entre as candidaturas presidenciais de Geraldo Alckmin (PSDB) e de Ciro Gomes (PDT). O PRB flerta com o presidenciável do Podemos, senador Alvaro Dias. O PR, que chegou a integrar esse bloco, anda meio desgarrado porque está em negociações com Jair Bolsonaro, pré-candidato do PSL. 

A tendência do Centrão é seguir com Ciro Gomes, pois a avaliação é que sua candidatura teria mais viabilidade eleitoral de se consolidar para tentar chegar ao Palácio do Planalto. Ciro deverá ganhar também o apoio do PSB, que reúne sua executiva na próxima segunda-feira,

A paralisação dos caminhoneiros, que resultou em bloqueios de estradas por todo o Brasil por 11 dias ao fim de maio, provocou uma queda generalizada na indústria por todo o País. A produção recuou em 14 dos 15 locais pesquisados, na passagem de abril para maio, segundo os dados da Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física Regional, divulgados há pouco pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O estado de São Paulo, maior parque industrial do País, registrou um tombo de 11,4%. Os recuos mais acentuados ocorreram em Mato Grosso (-24,1%), Paraná (-18,4%), Bahia (-15,0%) e Santa Catarina (-15,0%). Assim como São Paulo, o Rio Grande do Sul (-11,0%) também teve perda mais intensa do que a média global da indústria, de -10,9%.

As demais quedas ocorreram em Goiás (-10,9%), Minas Gerais (-10,2%), Região Nordeste (-10,0%), Pernambuco (-8,1%), Rio de Janeiro (-7,0%), Ceará (-4,9%), Amazonas (-4,1%) e Espírito Santo (-2,3%).

O Pará foi o único local com avanço no mês, uma alta de 9,2%, eliminando assim a queda de 8,5% observada em abril.

O gráfico diário do IBOV sugere correção, mesmo que seja intradiária, refletindo realização de lucros após a alta recente, o que poderá encorajar quem ficou de fora da ponta compradora a entrar com desconto.

A tendência para essa quarta-feira é de abertura baixista, de forma moderada, refletindo o exterior.

A média móvel de 5 períodos, respeitada ontem como piso, é suporte natural e imediato.

Na minha leitura, a tendência é de recuperação ao longo da sessão.

O benchmark terá duas barreiras decisivas pela frente, a fim de consolidar o movimento comprador: 75.075 e 75.340.


Bons negócios!


Wagner Caetano, para o Cartezyan
Diretor da TopTraders
contato@toptraders.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário