terça-feira, 13 de março de 2018

Mercado terá um pregão definitivo


Bom dia investidor!

As bolsas asiáticas ficaram sem direção única nesta terça-feira.

No Japão, Coreia do Sul e Taiwan, os mercados fecharam nas máximas do dia, após exibirem alguma volatilidade.

Em Tóquio, o índice Nikkei subiu 0,66% hoje, a 21.968,10 pontos, acumulando ganhos por quatro pregões consecutivos e sustentado pela fraqueza do iene em relação ao dólar durante a madrugada. Na capital sul-coreana, Seul, o Kospi avançou 0,42%, a 2.494,49 pontos, impulsionado por seu principal componente, a Samsung Electronics (+3,9%). Na bolsa taiwanesa, o Taiex registrou ganho de 0,85%, a 11.095,63 pontos, atingindo nova máxima em seis semanas.

Na China, por outro lado, os mercados ficaram pressionados após Pequim revelar planos de unir os reguladores bancário e de seguros do país para criar um poderoso órgão de supervisão. O Xangai Composto recuou 0,49%, a 3.310,24 pontos, com as perdas lideradas por ações de corretoras e seguradoras, enquanto o Shenzhen Composto, formado em boa parte por startups, caiu 0,71%, a 1.895,31 pontos.

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, receberá o advogado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-ministro do STF Sepúlveda Pertence, nesta quarta-feira, 14, ao meio-dia, em uma audiência solicitada pela defesa em meio a uma ofensiva que realiza em busca da marcação do julgamento do habeas corpus do petista.

A ministra tem resistido a pautar um novo julgamento que possa rever a jurisprudência do tribunal que permite a prisão após condenação em segunda instância, alegando que a última decisão é recente, do fim de 2016, e que rediscuti-la seria "apequenar" o Supremo.

Os contratos de cobre operam em alta modesta na manhã desta terça-feira. De acordo com alguns agentes do mercado, eles são apoiados pela percepção de que há menos risco de uma guerra comercial, após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciar tarifas à importação de aço e alumínio. O metal, porém, era contido pelo dólar mais forte.

Às 9h40 (de Brasília), o cobre para três meses subia 0,25%, a US$ 6.931,50 a tonelada, na London Metal Exchange (LME), e o cobre para maio subia 0,05%, a US$ 3,1255 a libra-peso, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).

Os metais básicos, como o cobre, ficaram sob pressão após Trump anunciar as tarifas. Há o temor de que elas se concretizem e de que possam ser lançadas medidas retaliatórias da China e da União Europeia.

O dólar, por sua vez, se valorizava ante outras moedas fortes em geral. Com isso, o cobre fica mais caro para os detentores de outras divisas.

Entre outros metais básicos, o alumínio operava estável, a US$ 2.091 a tonelada, o zinco tinha alta de 1,33%, a US$ 3.283 a tonelada, o estanho subia 0,19%, a US$ 21.420 a tonelada, o níquel avançava 1,06%, a US$ 13.830 a tonelada, e o chumbo tinha ganho de 2,25%, a US$ 2.388 a tonelada. 

Os contratos futuros de petróleo operam em queda nesta terça-feira, em meio a novos sinais de que o aumento da produção de xisto parece limitar os preços.

Às 9h44, o barril do tipo Brent com vencimento em maio caía 0,22%, a US$ 64,81, enquanto o WTI para abril recuava 0,15%, a US$ 61,27.

De acordo com um relatório da Administração de Informação de Energia (EIA, na sigla em inglês), braço de análise do Departamento de Energia dos EUA (DoE, na sigla em inglês), a extração de xisto deve subir 131 mil barris por dia em abril, para um recorde de 6,95 milhões de barris diários.

O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) dos Estados Unidos subiu 0,2% em fevereiro na comparação com o mês anterior, de acordo com o Departamento do Trabalho. O resultado veio em linha com o esperado pelos analistas ouvidos pelo Wall Street Journal, mas representa uma desaceleração ante a alta mensal de 0,5% registrada em janeiro, na série com ajustes sazonais.

Excluindo-se itens voláteis, como alimentos e energia, o núcleo do CPI subiu 0,2% em fevereiro ante janeiro, como esperado, também abaixo da alta mensal de 0,3% de janeiro.

Na comparação anual para fevereiro, o CPI subiu 2,2%, abaixo da previsão de alta de 2,3% dos analistas ouvidos pelo Wall Street Journal. O núcleo do CPI teve alta anual de 1,8%, também inferior à expectativa de alta de 1,9% dos analistas.

A ganho real por hora média trabalhada ficou estável em fevereiro, enquanto o ganho semanal médio real teve alta de 0,3% no mês, na série sazonalmente ajustada. O índice de preços de energia, por sua vez, teve alta mensal de 0,1% em fevereiro. 

O Ibovespa inicia os negócios no pregão dessa terça-feira em alta, testando a linha superior do canal de alta de médio prazo que guia os preços desde maio de 2017.

Se fechar acima de 86.930, cabeça de um possível pivot de alta, poderá reunir forças e romper a linha supracitada.

Se perder e fechar abaixo dessa região, haverá um rompimento falso e frustração, o que deverá pressionar os preços para baixo, rumo a 86.200 novamente.



Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan

Diretor da TopTraders


contato@toptraders.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário