terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

O pregão depois de amanhã


Bom dia investidor!

Perdas generalizadas no mundo; lucro recorde do Itaú >>> LEIA MAIS >>>

O tombo de mais de 4% das bolsas de Nova York ontem mantém os mercados avessos a ativos de risco nesta manhã, o que se traduz em perdas generalizadas na Europa e na Ásia, onde a bolsa de Tóquio registrou o pior desempenho desde 2016.

No entanto, passada a sangria, os índices futuros em Wall Street ensaiam uma melhora, ainda que contida, sinalizando um dia de volatilidade. Enquanto os especialistas permanecem divididos sobre se o forte ajuste da véspera foi apenas uma correção nos preços após o forte rali das bolsas neste início de ano ou se o mercado entrou em tendência de baixa, as T-Notes de dois anos já voltam a cair nesta manhã, indicando um arrefecimento no impulso de busca por segurança.

O movimento global de baixa foi engatilhado pela percepção de que pressões inflacionárias elevam as chances de o Federal Reserve acelerar o ritmo da alta de juros nos Estados Unidos, leitura corroborada pelos números fortes do mercado de trabalho divulgados na última sexta-feira. Em termos porcentuais, o tombo de ontem foi o maior desde 2011 e anulou os ganhos obtidos pelos investidores em 2018.

O bitcoin chegou a cair abaixo da barreira de US$ 6 mil nesta terça-feira, estendendo um movimento de desvalorização que eliminou mais de US$ 200 bilhões de seu valor de mercado em quase dois meses.

O último tombo do bitcoin coincide com um forte movimento de queda nos mercados globais de ações. Nos EUA, o Dow Jones caiu mais de 1.175 pontos ontem, sua maior queda histórica em um único dia. O movimento de liquidação se espalhou para as bolsas da Ásia durante a madrugada e também afeta os mercados europeus nesta manhã.

Nas últimas semanas, o bitcoin ficou pressionado em meio a iniciativas na Coreia do Sul, China e Índia para restringir operações com as chamadas criptomoedas. Além disso, há relatos recentes de bolsas de moedas digitais que sofreram ataques de hackers no Japão e Coreia do Sul. 

Após participar da abertura do ano legislativo, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), voltou a afirmar que o prazo final de votação da reforma da Previdência é fevereiro. Ele, no entanto, admitiu que ainda não há consenso sobre a proposta, e que será necessário buscar uma solução nas próximas semanas.

Segundo ele, essa "solução" vai ficar mais clara a partir do dia 19 e 20, quando está previsto o início da discussão do projeto no plenário.

O presidente da Câmara também evitou se comprometer com a ideia de criar um novo fundo para "suportar" o rombo da Previdência nos Estados. A ideia foi discutida nesta segunda-feira em um reunião com governadores.

Segundo Maia, está se abrindo um processo de diálogo com os governadores, porque ele sabem que a questão previdenciária "está fora do controle". "Todos sabem que é preciso construir uma solução, mas temos que ir com calma. Tem alguns temas que dá para construir um diálogo", disse.

Questionado se os governadores apoiariam o novo texto que será apresentado pelo relator da reforma da Previdência, deputado Arthur Maia (PPS-BA), o presidente da Câmara disse que não sabia, mas que há uma "grande convergência" em relação à necessidade de fazer mudanças no sistema de aposentadorias.

A conversa com governadores nesta segunda-feira é parte da estratégia do governo de buscar votos a favor da proposta da Previdência. A ideia é levantar demandas dos Estados em troca de apoio à proposta no Congresso. 

O Itaú Unibanco registrou lucro líquido de R$ 6,280 bilhões no quarto trimestre de 2017, aumento de 7,95% em relação ao mesmo período de 2016, de R$ 5,817 bilhões. Na comparação com os três meses imediatamente anteriores, de R$ 6,254 bilhões, foi vista leve alta de 0,4%.

O lucro do Itaú no quarto trimestre foi influenciado, conforme explica o banco, em relatório que acompanha as suas demonstrações financeiras, por maiores receitas com prestação de serviços, principalmente com o impulso em cartões. Foi compensado, em partes, por uma menor margem financeira com clientes, aumento do custo de crédito e das despesas operacionais (não decorrentes de juros).

No ano de 2017, o lucro líquido recorrente somou R$ 24,879 bilhões, representando um incremento de 12,32% frente a 2016, quando somou R$ 22,150 bilhões.

O gráfico diário do Ibovespa acionou o topo duplo ao perder 83.803 e caiu em direção à linha de retorno pontilhada na imagem, que conecta três topos importante desde 2016.

Ainda por pouco não tocou a média móvel de 21 períodos.

Mesmo que tenhamos um repique intradiário ou mesmo no diário, na minha visão a tendência de baixa deverá prevalecer no curto prazo, com alvo em 80.525 ou mesmo 79.440 se a venda pressionar um pouco mais.


Bons negócios!


Wagner Caetano, para o Cartezyan

Diretor da TopTraders
contato@toptraders.com.br



Nenhum comentário:

Postar um comentário