quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

O dia depois do vencimento...


Bom dia investidor!

Vencimento do futuro deixa candle de compra firme >>> LEIA MAIS >>>

As poucas bolsas asiáticas que operaram nesta quinta-feira tiveram altas significativas, seguindo os ganhos vistos ontem em Nova York, mas a liquidez na região foi limitada pela aproximação do feriado do ano-novo lunar, que manteve vários mercados locais fechados.

Ontem, os principais índices acionários americanos subiram mais de 1%, ampliando a valorização recente em Wall Street para o quarto pregão seguido, após os históricos tombos que haviam sofrido na semana passada.

Na China, não houve negócios hoje e os mercados continuarão fechados até o dia 21, em função da comemoração do ano-novo lunar. Na Coreia do Sul, o mercado fica inativo nesta quinta e amanhã. Em Taiwan, a bolsa não opera desde terça-feira.

Em Tóquio, Nikkei subiu 1,47% nesta quinta, a 21.464,98 pontos, apagando parte das perdas de 3,4% que acumulou nos três pregões anteriores. O índice japonês foi impulsionado não apenas pela recuperação em Nova York, como também por balanços corporativos domésticos.

Descrente de que o governo reúna os 308 votos necessários para aprovar a reforma da Previdência até o final de fevereiro, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já prepara o discurso em que anunciará o engavetamento da matéria, segundo apurou o Broadcast. Para evitar que o ônus do anúncio recaia sobre o Congresso Nacional e, muito menos, sobre ele, Maia deve responsabilizar o Palácio do Planalto por não ter obtido apoio suficiente à proposta. Deve dizer, ainda, que não vale a pena colocar a matéria em votação para ser derrotada.

Nos bastidores, outras lideranças partidárias também dão como certo de que a proposta será engavetada. A maioria suspendeu as articulações em torno da reforma da Previdência durante o carnaval e só deve retomar as conversas a partir de domingo (18). Sem o placar mínimo de votos para aprovação, a expectativa é de que o início da discussão em plenário, antes previsto para segunda-feira (19), seja mais uma vez adiado.

Entretanto, após se reunir com o presidente Michel Temer, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, disse foi buscar com orientações para uma reunião que terá nesta quinta-feira justamente com Rodrigo Maia para tratar da votação da reforma da Previdência. Marun afirmou que "está chegando a hora da verdade" e que o governo continua confiante que é possível aprovar a proposta. O ministro avaliou que faltam 40 votos para a aprovação da matéria e reafirmou que a votação tem que acontecer ainda este mês.

A ata do último encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, divulgada há pouco, indicou que a projeção para o IPCA de 2018 no cenário de mercado está em 4,2%. A projeção para 2019 também é de 4,2%.

Estes são os mesmos valores citados no comunicado que acompanhou a decisão do colegiado, na semana passada, quando a Selic (a taxa básica de juros) foi cortada em 0,25 ponto porcentual, de 7,00% para 6,75% ao ano. Foi a 11ª redução consecutiva da taxa, para o menor patamar da história. No Relatório Trimestral de Inflação (RTI), divulgado em dezembro, as projeções também estavam em 4,2% para 2018 e 2019.

As projeções do cenário de mercado levam em conta taxas de juros e câmbio variáveis, apuradas pela pesquisa Focus do BC. Nos últimos meses, a instituição tem dado maior ênfase justamente às projeções do cenário de mercado. Na visão do BC, o cenário de referência, que utiliza juros e câmbio fixos, teria perdido relevância. Na ata divulgada hoje, assim como nas anteriores, o BC não informou as projeções do cenário de referência.

A volatilidade nos mercados financeiros e os juros globais mais altos representam um desafio para mercados emergentes que dependem de financiamento externo, afirma o Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês). A entidade disse que avaliou o quadro em busca das maiores vulnerabilidades, com foco especialmente em locais onde os desequilíbrios em conta corrente têm aumentado. Nessa avaliação, a Argentina e a Turquia aparecem como países com rápido aumento nos déficits em conta corrente, moedas que se desvalorizam e a deterioração dos fundamentos.

Em geral, o IIF avalia que os mercados emergentes têm sido resistentes ao cenário. No caso de um cenário de excessivo aquecimento econômico nos Estados Unidos, porém, a vulnerabilidade nesses outros países poderia ser maior.

A abertura dos negócios domésticos deverá ser positiva, segundo o mercado futuro e as bolsas internacionais.

Ontem tivemos o vencimento do índice futuro, o que costuma ser um driver importante para o mercado.

Semana passada, no pregão de sexta-feira, o Ibovespa quase tocou o topo anterior na região de 79.415, deixando um sombra superior nesse dia.

Ontem tivemos um candle de compra firme, deixando as médias para trás. Clique para ampliar.

Na minha visão, a máxima do dia 07/02, marcada aos 84.410, será um divisor de águas para o curto prazo.

O gráfico de 60 minutos mostra a importância dessa região e também de 83.500, sendo esses pontos-chave para os próximos passos do benchmark.



Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan

Diretor da TopTraders
contato@toptraders.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário