quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Caixa e China no radar


Bom dia investidor!

BOVESPA segue embalada >>> LEIA MAIS >>>

A Bolsa de Tóquio fechou em baixa pelo segundo pregão consecutivo nesta quinta-feira, influenciada por uma valorização do iene frente ao dólar. O índice Nikkei caiu 0,44% hoje na capital japonesa, a 23.763,37 pontos.

Nos negócios da manhã (pelo horário local), o Nikkei avançou e ultrapassou a barreira dos 24 mil pontos pela primeira vez desde novembro de 1991. Na segunda parte da sessão, no entanto, o índice migrou para terreno negativo à medida que o dólar chegou a recuar a 111,09 ienes, de 111,19 ienes no fim da tarde de ontem em Nova York.

O preço médio de moradias novas em 70 cidades da China subiu 5,8% em dezembro, na comparação com o mesmo mês de 2016, de acordo com cálculos do Wall Street Journal com base em dados divulgados pelo Escritório Nacional de Estatísticas do país. Em novembro, o preço havia subido 5,5%.

Na comparação mensal, o preço médio das moradias novas avançou 0,5% em dezembro ante novembro, excluindo habitação subsidiada pelo governo. Em novembro, o ganho mensal foi de 0,4%.

Pequim está tentando lidar com a desaceleração gradual do mercado imobiliário impondo controles mais restritos em grandes cidades e afrouxando as regras em outras áreas.

O crescimento da China ganhou força pela primeira vez em sete anos em 2017, contrariando expectativas de analistas e de autoridades locais de que esforços de Pequim para reduzir o endividamento de empresas, desaquecer o mercado imobiliário e conter a poluição desacelerariam a economia do país.

O Produto Interno Bruto (PIB) chinês teve expansão de 6,9% no ano passado, acelerando o ritmo em relação ao avanço de 6,7% verificado em 2016, segundo dados publicados hoje pelo Escritório Nacional de Estatísticas (NBS, pela sigla em inglês).

O resultado veio em linha com o número que o primeiro-ministro da China, Li Keqiang, havia citado na semana passada e ficou bem acima da meta de Pequim para 2017, de +6,5%.

A produção industrial da China teve expansão anual de 6,2% em dezembro, ganhando força em relação ao aumento de 6,1% observado em novembro, segundo dados publicados hoje pelo Escritório Nacional de Estatísticas (NBS, pela sigla em inglês). O resultado do mês passado superou a expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam acréscimo de 6%.

Na comparação mensal, a indústria chinesa produziu 0,52% mais em dezembro, depois do aumento de 0,48% visto em novembro.

Por outro lado, as vendas no varejo avançaram em ritmo anual mais fraco em dezembro, de 9,4%, após subirem 10,2% em novembro. Neste caso, a projeção do mercado era de alta de 10,1%. Em relação a novembro, o setor varejista chinês vendeu 0,7% mais no último mês.

O NBS também informou que os investimentos em ativos fixos fora de áreas rurais da China cresceram 7,2% em 2017, em linha com a projeção de analistas, mas apontando desaceleração ante 2016, quando o avanço foi de 8,1%. 

Enquanto uma parte de auxiliares do presidente Michel Temer tenta minimizar a crise envolvendo o afastamento de vice-presidentes da Caixa por suspeita de corrupção, alguns interlocutores do Palácio do Planalto temem que o desgaste em torno do tema tenha reflexos no núcleo duro do governo e chegue a afetar inclusive a retomada dos trabalhos do Legislativo, incluindo a reforma da Previdência.

O receio de fontes do Planalto que veem na crise da Caixa um potencial para atrapalhar o governo é o envolvimento do ministro Moreira Franco (Secretaria-Geral) nas suspeitas de corrupção. Para esses auxiliares, o que menos o governo precisa agora é uma nova crise no momento em que Temer se esforça no convencimento pela aprovação na mudança das regras de aposentadoria no Brasil, incluindo a participação em programas populares de TV.

A ideia do Planalto é que, ao diminuir a resistência da população em relação ao tema, ficará mais fácil convencer os parlamentares e obter os 308 votos necessários para a aprovação da matéria.

IBOV diário = clique para ampliar

O Ibovespa segue embalado, com os touros no comando.

Ainda longe da média móvel de 21 períodos, enquanto acima de 79.440 tem um pivot de alta em andamento.

Tracei o objetivo mais otimista possível do movimento, que seria a projeção de 100% do triângulo rompido no final do ano.usando Fibonacci.

Somente a perda de 79.440 traria pressão vendedora, frustrando os compradores e atraindo os ursos para fora da toca.


Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan

Diretor da TopTraders
contato@toptraders.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário