quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

Bom dia investidor!


Bom dia investidor!

As repercussões criminal e política do julgamento de Lula geram grande expectativa >>> LEIA MAIS >>>

A Bolsa de Tóquio fechou em baixa nesta quarta-feira, pressionada pela força que o iene exibe ante o dólar desde ontem e com tendência a realizar lucros depois de acumular ganhos por três pregões seguidos.

O índice Nikkei caiu 0,76% na capital japonesa, a 23.940,78 pontos, após superar a barreira dos 24 mil pontos pela primeira vez desde novembro de 1991 na sessão anterior.

O índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) composto da Alemanha, que mede a atividade nos setores industrial e de serviços, caiu de 58,9 em dezembro para 58,8 janeiro, segundo dados preliminares publicados hoje pela IHS Markit. Apesar da queda marginal, a leitura acima da marca de 50,0 indica que a atividade econômica alemã continuou se expandindo neste mês, ainda que em ritmo ligeiramente mais fraco.

Apenas o PMI do setor industrial da Alemanha recuou de 63,3 em dezembro para 61,2 em janeiro, atingindo o menor nível em três meses.

No setor de serviços alemão, por outro lado, o PMI aumentou de 55,8 em dezembro para 57 em janeiro, alcançando o maior patamar em 82 meses. Neste caso, a projeção do mercado era de leve baixa, a 55,5. 

O Senado dos Estados Unidos confirmou por 85 votos a 12 Jerome Powell como o 16º presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano).

Powell assumirá o comando do BC quando expirar o mandato de quatro anos da atual presidente, Janet Yellen, no próximo dia 3. Ela disse que deixaria o conselho de dirigentes do Fed assim que seu sucessor tomasse posse.

Powell, que é dirigente do Fed desde 2012, terá a tarefa de sustentar a expansão da economia americana sem deixá-la superaquecer.

Na política monetária, Powell deve adotar a postura cautelosa e gradual de Yellen ao elevar os juros.

O Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4) iniciou a sessão que irá julgar recurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra sua condenação, pelo juiz Sérgio Moro, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no processo envolvendo o tríplex do Guarujá.

O caso está sendo analisado pela 8.ª turma do tribunal, formada por três desembargadores. O relator e desembargador federal João Pedro Gebran Neto fará a leitura do relatório. O Ministério Público Federal (MPF) deve se pronunciar, na sequência, por 30 minutos. Depois, os advogados de defesa das partes terão 15 minutos cada para apresentar os seus argumentos.

As repercussões criminal e política da decisão geram grande expectativa e mobilizaram grupos pró e contra o petista, que prometem atos na capital gaúcha e em diversas cidades do País. Se a sentença de Moro for confirmada na segunda instância da Justiça, Lula - que lidera as pesquisas de intenção de voto - poderá ficar inelegível e ter a prisão decretada.

O Ministério Público Federal (MPF) vai pedir o aumento da pena do ex-presidente, enquanto os advogados do petista vão argumentar que ele é inocente. A defesa alega que os crimes estão prescritos e que Moro não é o juiz natural do caso.

A decisão que condenou Lula por 9 anos e seis meses de prisão, em julho do ano passado, considerou que havia provas de que o imóvel era parte da propina destinada ao petista pela empreiteira OAS. Foi a primeira vez que um ex-presidente da República sofreu condenação por crime comum no Brasil. Lula nega que tenha aceitado o imóvel da construtora e apela por sua absolvição.

Até agora, o TRF-4 absolveu apenas cinco dos 77 condenados pelo juiz Sérgio Moro em quase quatro anos de Operação Lava Jato. O índice de absolvição na 8ª Turma, responsável por julgar os recursos contra as sentenças de Moro, é de 6,5%. Apesar das reformas das decisões, 93,5% dos condenados não conseguiram escapar da pena de prisão. 

O petróleo opera em direções opostas nesta manhã, pressionado por expectativas de aumento nos estoques da commodity nos Estados Unidos.

Às 9h55, o contrato do barril do tipo Brent com entrega em março caía 0,23% na Intercontinental Exchange (ICE), para US$ 69,80. Já o WTI para o mesmo mês, negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex), subia 0,16%, a US$ 64,57 por barril.

O American Petroleum Institute (API) publicou ontem que houve um aumento de 4,8 milhões de barris nos estoques americanos na semana encerrada em 19 de janeiro. Os dados oficiais do Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) saem nesta tarde.

Ainda assim, os preços do petróleo continuam perto dos níveis mais altos desde o fim de 2014, impulsionados por diversas interrupções na produção, aumento dos riscos geopolíticos e cortes coordenados na produção.

Clique para ampliar

O Ibovespa deverá abrir em alta nessa quarta-feira, seguindo as negociações do mercado futuro.

Ontem tivemos um candle baixista, sendo um marobuzu, sinal de topo.

O volume chamou a atenção, bem acima da média.

O desafio dos comprados será sustentar os negócios no campo positivo.


Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan

Diretor da TopTraders
contato@toptraders.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário