segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Mundo Verde lá fora


Bom dia investidor!


A Bolsa de Tóquio fechou em baixa nesta segunda-feira, à medida que preocupações renovadas com a suposta interferência da Rússia na campanha presidencial dos EUA se sobrepuseram à aprovação de uma proposta de reforma tributária pelo Senado americano no último sábado.

Embora a passagem da reforma tributária tenha pesado no iene durante a madrugada, fator que tende a favorecer o mercado acionário japonês, temores sobre as consequências da investigação sobre o papel da Rússia na campanha eleitoral do Partido Republicano em 2016 podem ter levado investidores em Tóquio a realizar lucros, após três pregões de valorização.

O Nikkei caiu 0,49% hoje na capital japonesa, a 22.707,16 pontos. O setor de tecnologia foi destaque de baixa: a ação da fabricante de câmeras fotográficas Olympus, por exemplo, sofreu um tombo de 4,7%, o maior em quatro meses. 

Anfitrião do jantar promovido neste domingo com o presidente Michel Temer para discutir a reforma da Previdência, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que os líderes e presidentes de partidos convidados mostraram que têm um "compromisso" de trabalhar com suas bancadas ao longo da semana para verificar a viabilidade da votação ainda este ano.

Maia citou que os partidos presentes somam 320 deputados, disse que alguns vão avaliar a possibilidade de fechamento de questão, mas preferiu não falar se vai marcar a data da votação mesmo sem a certeza dos votos. Ele afirmou que, ao longo da semana, conforme o avançar das conversas, vai decidir se marca ou não a data da votação.

Segundo Maia, o encontro de hoje serviu para "organizar" a base e deu certo otimismo para o governo. "Sai da reunião de hoje com uma expectativa muito grande de conseguir reunir os votos desses partidos, que somam mais de 320 votos. Acho que a gente passa de forma organizada a ter condições de trabalhar a votação da reforma da previdência", disse o presidente da Câmara.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e o grupo de grandes produtores liderados pela Rússia deverão cumprir o acordo de limitar a produção da commodity até o fim de 2018, uma vez que a tarefa de reequilibrar o mercado ainda não foi concluída, mas eles dispõem de oferta suficiente com a qual podem responder a quaisquer interrupções repentinas, disse hoje o ministro de Energia da Arábia Saudita, Khalid al-Falih.

O petróleo WTI opera m baixa de 1,05% na Nymex, a US$ 57,75, enquanto o Brent perde 0,75%, a US$ 63,25, na ICE.

O minério de ferro subiu 4,78% na China, fechando cotado a 548 iuanes.

Os economistas do mercado financeiro projetam que a Selic (a taxa básica de juros) cairá 0,50 ponto porcentual nesta semana, de 7,50% para 7,00% ao ano, e mais 0,25 ponto porcentual em fevereiro, para 6,75% ao ano. Neste ponto, o Banco Central encerraria o atual ciclo de cortes de juros. Essas projeções fazem parte do Sistema de Expectativas de Mercado do relatório Focus, divulgado hoje pelo BC.

Os dados indicam ainda que o mercado espera pela manutenção da Selic em 6,75% ao ano até dezembro de 2017, quando o BC daria início a um novo ciclo, com alta de 0,25 ponto porcentual da taxa básica, para 7,00%. Uma nova elevação é esperada para fevereiro de 2019, para 7,25%. Depois, a projeção é de alta para 7,50% ao ano em março, para 7,75% em abril e para 8,00% em maio.

O encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) do BC ocorre amanhã e na quarta-feira, quando o colegiado anuncia o novo nível da Selic. Mais do que a decisão em si, a expectativa do mercado gira em torno das sinalizações que o Copom dará a respeito da política monetária em 2018. 



Bons negócios!


Wagner Caetano, para o Cartezyan

Diretor da TopTraders
contato@TopTraders.Com.BR

Nenhum comentário:

Postar um comentário