quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

E a S&P?


Bom dia investidor!

Mercado continua vivendo sob a espada de um downgrade >>> LEIA MAIS >>>

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse hoje que a reforma tributária sancionada por ele na semana passada, fará de 2018 "um grande ano" para as empresas e o mercado de trabalho.

Ele também previu que o mercado acionário terá mais um ano bem-sucedido.

Em sua conta no Twitter, o presidente americano disse que "todos os sinais são de que as empresas parecem muito bem para o próximo ano, apenas para serem ajudadas pela nossa reforma tributária. Será um grande ano para as empresas e pro mercado de trabalho. O mercado de trabalho está posicionado para mais um ano de sucesso". 

O lucro das maiores empresas do setor industrial da China aumentou 14,9% em novembro ante igual mês do ano passado, desacelerando em relação ao avanço de 27,7% em outubro, segundo dados publicados pelo Escritório Nacional de Estatísticas (NBS, na sigla em inglês) do país.

Nos primeiros 11 meses de 2017, o lucro industrial da China avançou 21,9% em relação ao mesmo período do ano passado.

A desaceleração de novembro foi causada por um desempenho decepcionante dos setores de fornecimento de energia elétrica, gás natural e água, que viram juntos um recuo de 12,8% nos lucros ante o período de janeiro a novembro do ano passado. 

A China registrou déficit na balança de serviços de US$ 18,3 bilhões em novembro, maior que o saldo negativo de US$ 17,8 bilhões de outubro, segundo dados da Administração Estatal de Câmbio (Safe, na sigla em inglês).

Já no comércio de bens, a China teve superávit de US$ 47,1 bilhões em novembro, acima do resultado positivo de US$ 42,3 bilhões do mês anterior, informou a Safe. 

Bolsa de Tóquio fechou em alta marginal nesta quarta-feira, sustentada por empresas ligadas a metais e petróleo, cujos preços saltaram ontem, mas registrou o volume de negócios mais fraco do ano, que envolveu apenas 981 milhões de ações.

O Nikkei subiu 0,08% na capital japonesa, encerrando o pregão a 22.911,21 pontos.

Os contratos futuros de petróleo operam em queda nesta sessão, em um movimento de realização de lucros após a explosão de um oleoduto na Líbia ontem ter gerado uma forte alta na commodity. O baixo volume de negócios devido ao período de recesso de fim de ano ainda ajuda no forte movimento de oscilação.

Às 9h00 (de Brasília) o contrato WTI para fevereiro recuava 0,62%, a US$ 59.60 o barril, na Nymex, em Nova York, e o Brent para março tinha queda de 1,11%, a US$ 65,72 o barril, na ICE, em Londres.

O petróleo chegou a subir quase 3,00% na terça-feira, com a explosão de um oleoduto ligado ao maior porto da Líbia, que deve reduzir a produção na região em 100 mil barris por dia, de acordo com uma estimativa da petroleira estatal do país.

Mais um dia se passou sem que a S&P rebaixasse o Brasil. Mas o mercado continua vivendo sob a espada de um downgrade e não sabe até quando o rating será poupado, o que atrasa o rali de final de ano da bolsa.

Nos bastidores de Brasília, o governo continua jogando o jogo para tentar emplacar a reforma da Previdência em fevereiro e convencer as agências de classificação de risco de que o país está fazendo a lição de casa.

O Ministério do Trabalho mudou o horário de divulgação dos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do mês de novembro para as 10h30. Inicialmente, a coletiva estava prevista para as 10h. 

A baixa liquidez dos mercados e a agenda esvaziada tanto aqui quanto no exterior devem limitar os negócios no câmbio nesta quarta-feira.

Para a abertura, a tendência é de o dólar começar a sessão em baixa, acompanhando a fraqueza da moeda ante divisas fortes. No entanto, o risco de um eventual rebaixamento da nota de crédito do Brasil segue no radar e pode amparar cautela.

Os agentes seguem monitorando em especial a S&P Global Ratings, já que a agência de classificação de risco não realiza avaliações de países em ano eleitoral e, desta forma, lideraria esse movimento, após o fracasso do governo na tentativa de aprovar as mudanças nas regras de pensões e aposentadorias no País neste ano.

O Ibovespa teve na véspera uma sessão positiva, de forma moderada, após corrigir no intraday, milimetricamente até o ponto apontado no informe Cenário de ontem (74.620).

Podemos considerar 75.075 como uma região importante para o rumo do benchmark.

Acima da mesma, o mercado aponta para 77.060.

Se houver a perda de 75.075, teremos suportes em 75.000, média móvel de 5 e no próprio 74.620.


Bons negócios!


Wagner Caetano, para o Cartezyan

Diretor da TopTraders
contato@TopTraders.Com.BR

Nenhum comentário:

Postar um comentário