quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Ibovespa belisca a LTB mas recua, e agora?


Bom dia investidor!

Reforma tributária americana influencia mais que míssil coreano >>> LEIA MAIS >>>

As principais bolsas asiáticas terminaram os negócios desta quarta-feira em alta, com as da China se recuperando na segunda metade do pregão, após mais um dia de recordes em Nova York e apesar do último teste de míssil da Coreia do Norte.

Ontem, os mercados acionários dos EUA fecharam em níveis inéditos, após a aprovação de um projeto de reforma tributária elaborado por senadores republicanos no Comitê Orçamentário do Senado. A votação era considerada crucial para a eventual passagem da legislação no plenário do Senado.

Apagando perdas de mais cedo, as bolsas chinesas terminaram a sessão com leves ganhos. O Xangai Composto subiu 0,13%, a 3.337,86 pontos, enquanto o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 0,04%, a 1.919,06 pontos. Há suspeita de que fundos controlados pelo governo estariam ajudando a sustentar os mercados, após fortes quedas recentes das ações chinesas. No fim da noite de hoje, a China irá divulgar índices de atividade oficiais de indústria e serviços.

Em Tóquio, o Nikkei subiu 0,49%, a 22.597,20 pontos, após dois pregões negativos, apesar de a Coreia do Norte ter testado ontem um novo míssil balístico que caiu no litoral do Japão. Nesta madrugada, o regime norte-coreano confirmou o teste e informou que o míssil tem capacidade de atingir qualquer parte do território dos EUA.

O dólar ante o real poderá ficar mais volátil hoje do que o habitual, por causa da falta de direção única da moeda americana no exterior e das rolagens de contratos cambiais que podem começar no mercado futuro, mas devem se concentrar amanhã - dia de formação da última taxa Ptax de novembro, que servirá de base na sexta-feira para o cálculo da liquidação do dólar dezembro e os ajustes de contratos cambiais.

As negociações e contagem de votos para a reforma da Previdência seguem no foco local. Lá fora, os destaques são a segunda leitura do Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre dos Estados Unidos (11h30) - a primeira estimativa mostrou crescimento de 3,0%, além do depoimentos da presidente do Federal Reserve, Janet Yellen, no Comitê Econômico Conjunto do Congresso (13 horas).

O vice-líder do governo na Câmara, Beto Mansur (PRB-SP), disse ontem, 28, que pelo menos 20 parlamentares da base aliada começam nesta quarta-feira uma intensa rotina de ligações para deputados atrás de votos para aprovar a reforma da Previdência. A ideia é medir a temperatura do apoio à proposta e verificar o cenário atual em relação aos votos contabilizados em maio, logo antes do estouro da crise política.

À época, o governo contabilizava ter 240 votos confirmados e ainda 100 integrantes da base no time dos "indecisos". Segundo Mansur, o trabalho agora será para checar se os 240 estão mantidos e para tentar virar o voto dos demais em favor da Previdência.

O petróleo WTI recua 0,84%, a US$ 57,50 por barril, na Nymex, enquanto o Brent cai 1,14%, a US$ 62,51 por barril, na ICE.

O minério de ferro negociado na bolsa de Dalian, na China, subiu 2,09%.

O Ibovespa deixou longa sombra superior na sessão de ontem, apesar da mesma ter sido de alta.

Chegou a romper a LTB no intradiário, mas devolveu.

Hoje temos bolsas em alta e commodities em baixa no exterior.

O desafio será manter-se acima das médias, para que a inclinação de compra de curtíssimo prazo não se perca.

Acima de 74.480 mostra força, sendo a primeira prova de fogo a própria LTB e o ponto decisivo de fato a região de 75.075, cujo rompimento acionaria um pivô de alta. No gráfico, abertura de hoje até 10h20 = clique para ampliar.

Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan
Diretor da TopTraders
contato@TopTraders.Com.BR

Nenhum comentário:

Postar um comentário