quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Mercado sinaliza correção


Bom dia investidor!

Os futuros de cobre operam em alta nesta manhã, após sua recente trajetória positiva ser ameaçada mais cedo por um movimento de realização de lucros.

Por voltas das 9h (de Brasília), o cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) subia 0,66%, a US$ 6.907,50 por tonelada, recuperando-se depois de abrir em baixa de mais de 0,9%.

Na Comex, a divisão de metais da bolsa mercantil de Nova York (Nymex), o cobre para entrega em dezembro tinha alta de 0,51%, a US$ 3,1440 por libra-peso.

Há algumas semanas, analistas vêm sugerindo que a tendência positiva do cobre está mais relacionada com o otimismo de investidores em relação à economia chinesa do que com mudanças na oferta e demanda.

Na sexta-feira (08), está prevista a divulgação da balança comercial mensal da China, que é o maior consumidor mundial de metais básicos.

Outros metais negociados na LME não exibiam sinal único: o alumínio caía 0,45% no horário indicado acima, a US$ 2.086,50 por tonelada; o estanho recuava 0,43%, a US$ 20.618,00 por tonelada; o níquel avançava 0,08%, a US$ 11.990,00 por tonelada; o chumbo subia 0,78%, a US$ 2.350,50 por tonelada; e o zinco cedia 0,45%, a US$ 3.091,00 por tonelada. 

Os contratos futuros de petróleo operam em alta nesta quarta-feira, com investidores avaliando os potenciais impactos do furacão Irma na produção dos Estados Unidos. Além disso, são monitoradas as notícias sobre a retomada nos trabalhos em refinarias da Costa do Golfo.

Às 9h05 (de Brasília), o petróleo WTI para outubro subia 0,43%, a US$ 48,87 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para novembro avançava 0,92%, a US$ 53,87 o barril, na ICE.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, declarou estado de emergência na Flórida, Porto Rico e nas Ilhas Virgens Americanas, ao passo em que se aproxima o Furacão Irma.

A declaração autoriza o Departamento de Segurança Interna e a Agência Federal de Administração de Emergências a coordenarem esforços de alívio de desastre nesses lugares.

A perigosa tempestade de categoria 5 traz os ventos mais poderosos já registrados no Oceano Atlântico. O Irma pode atingir a Flórida no fim de semana. 

A agenda de eventos dos Estados Unidos desta quarta-feira traz como destaque a divulgação do Livro Bege, relatório sobre as condições econômicas atuais em cada um dos distritos federais do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) às 15h. Além disso, o presidente Donald Trump continua seu giro pelo país para defender a reforma tributária, em um discurso na Dakota do Norte.

Trump ainda realiza uma nova reunião com líderes republicanos e democratas sobre a agenda legislativa do governo e a Câmara dos Representantes irá votar um pacote de US$ 7,9 bilhões em ajuda para as vítimas do furacão Harvey.

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), homologou a delação premiada do corretor Lúcio Funaro, que admite perante a Justiça ter sido o operador financeiro do PMDB da Câmara e informa fatos que envolvem autoridades com foro privilegiado no Supremo Tribunal Federal (STF).

A Procuradoria-Geral da República (PGR) aguardava a homologação para poder utilizar na denúncia que prepara contra o presidente da República, Michel Temer, parte dos conteúdos apresentados por Funaro. Após ter a denúncia por corrupção passiva contra si barrada na Câmara dos Deputados, o presidente ainda é investigado sob supostos crimes de obstrução de Justiça e organização criminosa. A expectativa era que a denúncia seja apresentada ainda nesta semana.

O plenário do Senado aprovou ontem por 36 votos a 14 o texto-base do relatório da Medida Provisória 777, que cria a Taxa de Longo Prazo (TLP) para substituir a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) nos financiamentos concedidos pelo BNDES. Os senadores ainda rejeitaram dois destaques apresentados pela oposição. O projeto segue agora para sanção da Presidência da República e a nova taxa entrará em vigor em 1º de janeiro de 2018.

Desde a edição da MP, a equipe econômica frisou que a nova taxa é um dos principais projetos do governo dentro do ajuste fiscal, na medida em que reduz os subsídios implícitos custeados pelo Tesouro Nacional nos empréstimos do banco de fomento. Diretores do Banco Central e secretários do Ministério da Fazenda acompanharam a votação no plenário.

Atualmente o BNDES empresta a uma taxa de juros (TJLP, hoje em 7% ao ano) menor do que o custo de captação do governo federal no mercado por meio da emissão de títulos públicos (Selic, hoje em 9,25% ao ano). No passado, o diferencial de juros já foi muito maior, gerando uma conta bilionária aos cofres públicos. Em 2016, por exemplo, esse custo foi de R$ 29 bilhões, e este ano deve chegar a R$ 15 bilhões.

A nova taxa será calculada mensalmente pelo Banco Central a partir da variação do IPCA e da taxa de juros prefixada das NTN-Bs de cinco anos, que refletem o custo de captação do Tesouro. Já a TJLP atualmente é definida trimestralmente pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), com base na meta de inflação e no prêmio de risco do País.

O Congresso Nacional concluiu na noite de ontem a votação da proposta que altera as metas fiscais de 2017 e 2018 para um rombo de até R$ 159 bilhões em cada ano. A decisão representa um alívio para equipe econômica, que terá agora espaço para reverter parte do corte sobre o Orçamento deste ano e poderá aprovar a proposta orçamentária da União do próximo ano já sob o novo objetivo.

A votação da revisão das metas fiscais começou em sessão do Congresso da última quarta-feira (30). Por volta das 4 horas da manhã da quinta-feira (31), porém, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), teve de encerrar a sessão sem concluir a votação, por falta de quórum para votar os últimos dois destaques que visavam alterar o texto-base da proposta. Os destaques, apresentados pelo PT, foram rejeitados.


O Ibovespa tem sinal de topo, deixando um candle com longa sombra superior e forte volume, com considerável distância em relação à média móvel de 21 períodos.

A região de 71.500 é o primeiro suporte que deverá ser testado caso a mínima da véspera seja perdida (71.827). Clique no gráfico para ampliar.

Pelo viés negativo no exterior, alta do ouro (busca por proteção) e mercado sobre comprado, um teste da linha de tendência de lata pontilhada em azul seria o caminho mais natural para os preços nos próximos dias.

O feriado e a expectativa com o Copom deverão trazer volatilidade adicional ao pregão.


Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan
Diretor da TopTraders
contato@TopTraders.Com.BR


Nenhum comentário:

Postar um comentário