sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Ibovespa sinaliza correção


Bom dia investidor!

A equipe econômica não quer perder tempo e já começa na segunda-feira um corpo a corpo no Congresso para a aprovação da reforma da Previdência na Câmara e no Senado até o final de outubro. A votação da proposta ficou paralisada depois das denúncias contra o presidente Michel Temer.

Ontem, 03, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, detalhou o cronograma de projetos de interesse da equipe econômica no Congresso. 

Uma eventual mudança na meta fiscal de 2017, que hoje prevê um rombo de até R$ 139 bilhões nas contas do governo, não representaria uma perda de credibilidade da equipe econômica, disse Samar Maziad, vice-presidente e principal analista para o Brasil da agência de classificação de risco Moody’s.

O governo já trabalha com a possibilidade de elevar a meta para um rombo de até R$ 159 bilhões, mesma cifra do ano passado - o que, na avaliação de Maziad, “não será uma alteração significativa”, pois esse resultado negativo do Orçamento como proporção do PIB passaria de 2,4% para 2,5%. “A equipe econômica enfatiza a agenda de reformas de médio prazo e a solidez da economia”, apontou. “Se depois ocorrerem mudanças e mais mudanças de meta fiscal será outra história.”

Os contratos futuros de cobre avançam nesta sexta-feira, embora sem muito impulso, beneficiados pela notícia de que a produção de cobre chilena sofreu uma queda. Além disso, o dólar um pouco mais fraco colabora para esse movimento.

Às 9h10 (de Brasília), o cobre para três meses subia 0,24%, a US$ 6.360 a tonelada, na London Metal Exchange (LME). Às 7h37, o cobre para setembro avançava 0,19%, a US$ 2,885 a libra-peso, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).

No câmbio, o dólar mais fraco torna o cobre mais barato para os detentores de outras moedas, o que aumenta o apetite dos investidores. Há ainda expectativa pelo relatório mensal de empregos (payroll) dos Estados Unidos, que sai às 9h30, pode mexer com o câmbio e consequentemente influenciar o cobre. Analistas apontam que um dado fraco de geração de vagas enfraqueceria o dólar e, consequentemente, beneficiaria o cobre.

Economistas esperam que os EUA tenham gerado 180 mil novas vagas em julho, abaixo das 222 mil de junho. O dado é visto como um importante elemento para as decisões de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), que se reunirá novamente em setembro.

Entre outros metais básicos negociados na LME, o zinco subia 1%, a US$ 2.822 a tonelada, o alumínio caía 0,18%, a US$ 1.909,50 a tonelada, o estanho tinha alta de 0,22%, a US$ 20.700 a tonelada, o níquel avançava 0,19%, a US$ 10.395 a tonelada, e o chumbo subia 0,34%, a US$ 2.371 a tonelada. 

O petróleo opera em queda na manhã desta sexta-feira, com investidores novamente preocupados com o fato de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) não consegue controlar o mercado da commodity para resolver o quadro de excesso de oferta.

Às 9h30 (de Brasília), o petróleo WTI para setembro caía 0,36%, a US$ 48,56 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para outubro recuava 0,36%, a US$ 51,57 o barril, na ICE.

Os investidores aguardam uma reunião no início da próxima semana da Opep em Abu Dabi, onde o principal tópico deve ser o nível de cumprimento do acordo para reduzir a oferta. Dados preliminares têm mostrado que a produção do cartel continuou a aumentar em julho.

Os integrantes da Opep e dez países de fora do cartel, como a Rússia, concordaram em novembro e dezembro em limitar a produção em cerca de 1,8 milhão de barris por dia, em comparação com os níveis de outubro de 2016. A meta era acabar com o excesso de oferta que mantém os preços fracos, mas o mercado continuou sem muito impulso, em parte porque a produção dos EUA continuou a aumentar.

Os preços do petróleo vinham com viés positivo nos últimos dias, mas no fim da quinta-feira perderam força. Os preços do Brent não conseguiram novamente superar a marca de US$ 53 o barril, o que pode levar a algumas reações negativas no mercado.

O mercado aguarda também o dado de poços e plataformas em atividade nos EUA, que a Baker Hughes divulga às 14h. 


Clique para ampliar

O gráfico diário do Ibovespa sinaliza topo, indicando correção de preços.

O padrão seria uma mistura de pinça de topo com harami, nenhum dos dois formado de forma perfeita, mas o que importa é o significado, após uma forte escalada.

A distância em relação à média móvel de 21 períodos abre espaço para a citada correção.

Se esse movimento for materializado, terá suportes relevantes entre 65.600 e 65.900.

Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan
Diretor da TopTraders
contato@TopTraders.Com.BR

Nenhum comentário:

Postar um comentário