segunda-feira, 31 de julho de 2017

China em destaque


Bom dia investidor!

Bolsa de Tóquio encerrou o pregão desta segunda-feira em leve baixa, influenciada por oscilações do iene ante o dólar e balanços corporativos desfavoráveis.

O índice Nikkei caiu 0,17% hoje na capital japonesa, a 19.925,18 pontos, afastando-se ainda mais da marca psicológica dos 20 mil pontos.

O índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) oficial do setor industrial da China recuou de 51,7 em junho para 51,4 em julho. 

Apesar da queda, números acima de 50 indicam expansão das atividades, enquanto uma leitura abaixo desse nível representa contração.

O subíndice de novas encomendas caiu de 53,1 em junho para 52,8 em julho, enquanto o subíndice de produção recuou de 54,4 para 53,5, de acordo com o escritório do governo. 

O índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) do setor de serviços da China caiu de 54,9 em junho para 54,5 em julho, de acordo com informações do Escritório Nacional de Estatísticas do país.

Em mais uma tentativa do Partido Republicano de revogar partes do atual sistema de saúde dos Estados Unidos, o senador Lindsey Graham (Carolina do Sul) trabalha em um novo projeto de lei, a ser apresentado ainda esta semana, após o fracasso dos republicanos em obterem 50 votos para a aprovação de uma revogação e substituição parciais do Obamacare.

Alguns republicanos já começaram a abandonar Washington para o recesso de agosto do Congresso, após a tentativa fracassada do governo de Donald Trump de tentar revogar e substituir o Obamacare. Quando os deputados retornarem em setembro, terão apenas 12 dias úteis para evitar outro grande problema: o financiamento ao governo.

Em uma carta aos congressistas na sexta-feira, o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, disse que o teto da dívida federal precisaria ser aumentado até 29 de setembro ou o governo poderia ficar sem dinheiro para pagar suas contas.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) fará nova reunião, por meio do comitê que monitora os níveis de conformidade dos países em relação ao acordo de redução na oferta de petróleo, para os dias 7 e 8 de agosto, em Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos.

Os contratos futuros de petróleo operam em baixa moderada nesta manhã, num aparente movimento de realização de lucros, após os fortes ganhos que acumularam recentemente. Mais cedo, porém, o petróleo mostrou certa volatilidade.

Na semana passada, o petróleo garantiu valorização de mais de 7%, a maior do ano, na esteira de uma série de notícias positivas. Arábia Saudita e Nigéria, por exemplo, mostraram-se dispostas a colaborar mais para os esforços de grandes produtores de conter a oferta da commodity. Além disso, os estoques nos EUA mostraram uma redução bem maior do que se esperava em pesquisas do Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) e do American Petroleum Institute (API).

Às 9h17 (de Brasília), o barril do petróleo tipo Brent para outubro caía 0,19% na IntercontinentalExchange (ICE), a US$ 52,12, enquanto o do WTI para setembro avançava 0,30% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 49,56.

Também no radar está a crescente tensão na Venezuela, onde uma votação realizada ontem para eleger uma nova Assembleia Constituinte gerou violentos protestos. Há temores de que os distúrbios levem a uma redução das exportações do país sul-americano. Também existe a possibilidade de que os EUA adotem sanções contra o setor petrolífero venezuelano. 

Os economistas do mercado financeiro mantiveram a projeção para a atividade em 2017 e 2018. A expectativa de alta para o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano seguiu em 0,34% no Relatório de Mercado Focus, divulgado há pouco. Há um mês, a perspectiva era de avanço de 0,39%.

Para 2018, o mercado manteve a previsão de alta do PIB, de 2,00%. Quatro semanas atrás, a expectativa estava no mesmo patamar.

Em 22 de junho, o BC informou em seu Relatório Trimestral de Inflação (RTI) a manutenção em 0,5% da estimativa para o PIB em 2017. Já em 21 de julho foi a vez de o Ministério do Planejamento manter em 0,5% sua projeção para o PIB este ano, conforme o Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas do 3º Bimestre.

No Focus de hoje, a projeção para a produção industrial deste ano seguiu com avanço de 0,83%. Há um mês, estava em 0,66%. No caso de 2018, a estimativa de crescimento da produção industrial foi de 2,26% para 2,22%, ante 2,30% de quatro semanas antes.

Já a projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para 2017 passou de 51,70% para 51,50%. Há um mês, estava em 51,53%. Para 2018, as expectativas no boletim Focus foram de 55,10% para 55,15%, ante 55,17% de um mês atrás. 

Clique para ampliar

O Ibovespa tem um possível topo duplo sendo configurado no gráfico diário, com três tentativas, semana passada, em romper a região de 65.624. 

Se for respeitar religiosamente a simetria proposta, a máxima do movimento seria marcada amanhã, pela contagem de candles.

O eixo dessa figura ficaria em 64.599.

Por outro lado, se romper e fechar acima de 65.624, a inclinação altista ganhará força, indicando alta no curto prazo, especialmente se superar a máxima da semana passada em 65.873.

Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan

Diretor da TopTraders
contato@TopTraders.Com.BR

Nenhum comentário:

Postar um comentário