segunda-feira, 31 de julho de 2017

China em destaque


Bom dia investidor!

Bolsa de Tóquio encerrou o pregão desta segunda-feira em leve baixa, influenciada por oscilações do iene ante o dólar e balanços corporativos desfavoráveis.

O índice Nikkei caiu 0,17% hoje na capital japonesa, a 19.925,18 pontos, afastando-se ainda mais da marca psicológica dos 20 mil pontos.

O índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) oficial do setor industrial da China recuou de 51,7 em junho para 51,4 em julho. 

Apesar da queda, números acima de 50 indicam expansão das atividades, enquanto uma leitura abaixo desse nível representa contração.

O subíndice de novas encomendas caiu de 53,1 em junho para 52,8 em julho, enquanto o subíndice de produção recuou de 54,4 para 53,5, de acordo com o escritório do governo. 

O índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) do setor de serviços da China caiu de 54,9 em junho para 54,5 em julho, de acordo com informações do Escritório Nacional de Estatísticas do país.

Em mais uma tentativa do Partido Republicano de revogar partes do atual sistema de saúde dos Estados Unidos, o senador Lindsey Graham (Carolina do Sul) trabalha em um novo projeto de lei, a ser apresentado ainda esta semana, após o fracasso dos republicanos em obterem 50 votos para a aprovação de uma revogação e substituição parciais do Obamacare.

Alguns republicanos já começaram a abandonar Washington para o recesso de agosto do Congresso, após a tentativa fracassada do governo de Donald Trump de tentar revogar e substituir o Obamacare. Quando os deputados retornarem em setembro, terão apenas 12 dias úteis para evitar outro grande problema: o financiamento ao governo.

Em uma carta aos congressistas na sexta-feira, o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, disse que o teto da dívida federal precisaria ser aumentado até 29 de setembro ou o governo poderia ficar sem dinheiro para pagar suas contas.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) fará nova reunião, por meio do comitê que monitora os níveis de conformidade dos países em relação ao acordo de redução na oferta de petróleo, para os dias 7 e 8 de agosto, em Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos.

Os contratos futuros de petróleo operam em baixa moderada nesta manhã, num aparente movimento de realização de lucros, após os fortes ganhos que acumularam recentemente. Mais cedo, porém, o petróleo mostrou certa volatilidade.

Na semana passada, o petróleo garantiu valorização de mais de 7%, a maior do ano, na esteira de uma série de notícias positivas. Arábia Saudita e Nigéria, por exemplo, mostraram-se dispostas a colaborar mais para os esforços de grandes produtores de conter a oferta da commodity. Além disso, os estoques nos EUA mostraram uma redução bem maior do que se esperava em pesquisas do Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) e do American Petroleum Institute (API).

Às 9h17 (de Brasília), o barril do petróleo tipo Brent para outubro caía 0,19% na IntercontinentalExchange (ICE), a US$ 52,12, enquanto o do WTI para setembro avançava 0,30% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 49,56.

Também no radar está a crescente tensão na Venezuela, onde uma votação realizada ontem para eleger uma nova Assembleia Constituinte gerou violentos protestos. Há temores de que os distúrbios levem a uma redução das exportações do país sul-americano. Também existe a possibilidade de que os EUA adotem sanções contra o setor petrolífero venezuelano. 

Os economistas do mercado financeiro mantiveram a projeção para a atividade em 2017 e 2018. A expectativa de alta para o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano seguiu em 0,34% no Relatório de Mercado Focus, divulgado há pouco. Há um mês, a perspectiva era de avanço de 0,39%.

Para 2018, o mercado manteve a previsão de alta do PIB, de 2,00%. Quatro semanas atrás, a expectativa estava no mesmo patamar.

Em 22 de junho, o BC informou em seu Relatório Trimestral de Inflação (RTI) a manutenção em 0,5% da estimativa para o PIB em 2017. Já em 21 de julho foi a vez de o Ministério do Planejamento manter em 0,5% sua projeção para o PIB este ano, conforme o Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas do 3º Bimestre.

No Focus de hoje, a projeção para a produção industrial deste ano seguiu com avanço de 0,83%. Há um mês, estava em 0,66%. No caso de 2018, a estimativa de crescimento da produção industrial foi de 2,26% para 2,22%, ante 2,30% de quatro semanas antes.

Já a projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para 2017 passou de 51,70% para 51,50%. Há um mês, estava em 51,53%. Para 2018, as expectativas no boletim Focus foram de 55,10% para 55,15%, ante 55,17% de um mês atrás. 

Clique para ampliar

O Ibovespa tem um possível topo duplo sendo configurado no gráfico diário, com três tentativas, semana passada, em romper a região de 65.624. 

Se for respeitar religiosamente a simetria proposta, a máxima do movimento seria marcada amanhã, pela contagem de candles.

O eixo dessa figura ficaria em 64.599.

Por outro lado, se romper e fechar acima de 65.624, a inclinação altista ganhará força, indicando alta no curto prazo, especialmente se superar a máxima da semana passada em 65.873.

Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan

Diretor da TopTraders
contato@TopTraders.Com.BR

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Red Friday?



Bom dia investidor!

Os futuros de cobre operam sem direção única nesta manhã, com os de Londres consolidando os fortes ganhos acumulados ao longo da semana e os de Nova York aparentemente pressionados por um movimento de realização de lucros.

Por volta das 9h40 (de Brasília), o cobre para três meses da London Metal Exchange (LME) subia 0,13%, a US$ 6.328,50 por tonelada, exibindo valorização de 5,4% desde a semana passada.

Por outro lado, o cobre para setembro da Comex - divisão de metais da bolsa mercantil de Nova York (Nymex) - recuava 0,24%, a US$ 2,8705 por libra-peso.

Segundo nota da Investec, o avanço do cobre na semana o levou a ser o metal básico com melhor desempenho em 2017, com valorização de 14% desde 1º de janeiro.

Mais adiante, investidores vão acompanhar dados chineses de atividade industrial a ser divulgados no início da próxima semana.

Outros metais básicos na LME operavam sem tendência única: o zinco caía 0,88% no horário indicado acima, a US$ 2.771,00 por tonelada; o alumínio cedia 0,26%, a US$ 1.929,00 por tonelada; o estanho tinha alta marginal de 0,10%, a US$ 20.720,00 por tonelada; o níquel subia 0,64%, a US$ 10.210,00 por tonelada; e o chumbo diminuía 0,24%, a US$ 2.298,00 por tonelada. 

Os contratos futuros do petróleo operam com modestos ganhos na manhã desta sexta-feira, atingindo a máxima em dois meses antes de uma importante leitura sobre a produção da commodity nos Estados Unidos.

Às 9h43 (de Brasília), o petróleo WTI para setembro subia 0,12%, a US$ 49,10 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para outubro avançava 0,14%, a US$ 51,59 o barril, na ICE.

O petróleo sobe mais de 6% na comparação semanal, em meio a dados econômicos positivos dos EUA e após a reafirmação do compromisso da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) para controlar a produção e exportações. Mas há dúvidas sobre se o petróleo pode se sustentar, caso a alta nos preços se mantenha.

A Arábia Saudita poderia ser desafiada a manter seus cortes prometidos de exportações após a temporada de verão com maior demanda na região terminar e há mais petróleo disponível para exportação no outono local, segundo Commerzbank.

As bolsas da Ásia e do Pacífico encerraram os negócios desta sexta-feira majoritariamente em baixa, com investidores realizando lucros após o fraco desempenho do setor de tecnologia em Wall Street.

Ontem, ações de tecnologia negociadas em Nova York sofreram uma abrupta queda, depois de atingirem uma série de recordes na esteira de balanços trimestrais. Com isso, o Nasdaq recuou cerca de 0,6%, contrastando com o Dow Jones, que avançou para mais um nível inédito de fechamento.

A menos de uma semana da votação da denúncia contra o presidente Michel Temer na Câmara, aliados do governo tentaram demonstrar confiança de que o resultado será favorável ao peemedebista.

Após um jantar no Palácio do Jaburu oferecido por Temer a parlamentares e ministros nesta quinta-feira, 27, o deputado Carlos Marun (PMDB-MS) minimizou a baixa popularidade do governo, apontada em pesquisa CNI/Ibope divulgada mais cedo, e disse que o presidente estava "muito alegre e descontraído".

Pelo terceiro pregão seguido, o Ibovespa tentou romper a barreira dos 65.624 na sessão de ontem, sem sucesso.

Temos sombra superior, o que abre espaço para uma sexta-feira de correção moderada.

A região de 65.000 deverá ser testada.

Se violada, abrirá espaço rumo ao decisivo 64.600, mas talvez não no pregão de hoje.

Na figura, intradiário de ontem e hoje até 11:00. Clique para ampliar.

Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan

Diretor da TopTraders
contato@TopTraders.Com.BR

quinta-feira, 27 de julho de 2017

Copom, FED e China em pauta


Bom dia investidor!

O Federal Reserve (Fed, o banco central americano) afirmou que iniciará a redução de seu balanço patrimonial "relativamente em breve", em uma atualização sobre quando espera começar a diminuir sua carteira de ativos de aproximadamente US$ 4,5 trilhões.

Em junho, o Federal Reserve anunciou que pretendia reduzir gradualmente o seu balanço, comentando que iniciaria o processo reduzindo suas participações em ativos em US$ 10 bilhões por mês. Segundo a instituição, haverá um enxugamento mensal de US$ 6 bilhões em títulos do Tesouro, "que serão aumentados em US$ 6 bilhões em intervalos de três meses ao longo de 12 meses, até atingir o nível de US$ 30 bilhões por mês". Em relação às participações em agências de dívidas e de ativos lastreados em hipotecas, o Fed anunciou um enxugamento de US$ 4 bilhões mensais, aumentando em etapas de US$ 4 bilhões em intervalos de três meses ao longo de 12 meses até atingir US$ 20 bilhões por mês.

A despeito do aumento das incertezas sobre o andamento das reformas estruturais, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu, por unanimidade, reduzir a Selic (a taxa básica de juros) em 1 ponto porcentual, de 10,25% para 9,25% ao ano. O corte, anunciado há pouco pela instituição, foi o sétimo consecutivo e coloca a Selic novamente em um dígito após quase quatro anos. Este é o menor patamar para a taxa desde agosto de 2013, quando estava em 9,00% ao ano.

No comunicado que acompanhou a decisão, a instituição reconhece que há aumento das incertezas sobre o andamento das reformas estruturais. Mesmo assim, os diretores do BC defendem que há espaço para a continuidade da flexibilização da política monetária.

O BC, porém, não se compromete com a continuidade do ritmo de corte da taxa de juros nas próximas reuniões e diz que isso só será possível se as condições do cenário básico avaliado pela instituição não forem alteradas. 

No documento, o BC também atualizou suas projeções para a inflação. No cenário de mercado - que utiliza expectativas para câmbio e juros do mercado financeiro -, o BC alterou sua projeção para o IPCA em 2017 de 3,8% para 3,6%. No caso de 2018, a expectativa foi de 4,5% para 4,3%. 

O índice de confiança do consumidor da Alemanha subiu para 10,8 na pesquisa de agosto do instituto GfK, de 10,6 na leitura de julho. 

O GfK avalia que a esperada melhora do índice reflete "um ambiente de consumo decididamente propício".

O instituto de pesquisa alemão utiliza dados do mês atual para estimar a confiança do mês seguinte. 

O lucro das indústrias chinesas avançou 19,1% em junho ante o mesmo período do ano anterior, na sequência de um aumento de 16,7% em maio, de acordo com dados divulgados hoje pelo Escritório Nacional de Estatísticas do país.

O governo afirma que o crescimento dos lucros acelerou em junho graças a melhora das vendas e custos moderados de produção. 

Os contratos futuros de cobre operam em alta na manhã desta quinta-feira, após a decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), que fez com que o dólar se enfraquecesse ante outras moedas principais.

Por volta das 8h40 (de Brasília), o cobre para três meses subia 1,04%, a US$ 6.372,00 por tonelada, na London Metal Exchange (LME). O cobre para setembro avançava 0,54%, a US$ 2,8875 por libra-peso, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).

Entre outros metais básicos, o zinco subia 1,02%, para US$ 2.829,00 por tonelada; o alumínio avançava 0,62%, para US$ 1.947,50 por tonelada; o estanho ganhava 1,67%, a US$ 20.680,00 por tonelada; o níquel tinha expansão de 2,01%, a US$ 10.175,00 por tonelada; e o chumbo tinha alta de 1,15%, a US$ 2.333,00 por tonelada. 

Em uma vitória para o Palácio do Planalto, o desembargador Hilton José Gomes de Queiroz, presidente do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), derrubou ontem, 26, a liminar de um juiz de primeira instância que barrava o aumento das alíquotas de PIS/Cofins sobre combustíveis, decretado pelo governo de Michel Temer na semana passada.


IBOVESPA intradiário - final de ontem e 5 primeiros minutos agora
Clique para ampliar

Conforme adiantado no informe de ontem, o Ibovespa não conseguiu sustentação acima de 65.624, ponto que havia confirmado um pivot de alta no fechamento de terça-feira (25.07).

Ontem chegou a atingir 65.873, cedendo em seguida, o que configura rompimento falso.

A correção indicada foi materializada, com bom volume.

O caminho mais natural para os preços seria a continuidade da baixa, rumo ao decisivo 64.599, possível eixo de M (topo duplo).

A abertura porém deverá ser positiva, se o mercado futuro continuar sustentando a abertura altista.

Esse ponto será um divisor de águas entre a compra e a venda no curto prazo.

Se entrar pressão vendedora, a média móvel de 21 será suporte, assim como a LTA pontilhada em azul.

Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan

Diretor da TopTraders
contato@TopTraders.Com.BR

quarta-feira, 26 de julho de 2017

FED e FOMC em destaque


Bom dia investidor!

Os preços do cobre em Londres operam em alta, apoiados por notícias recentes da economia da China. Além disso, havia expectativa pela decisão do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), que sai depois do fechamento do mercado do metal.

O cobre para três meses subia 0,59%, a US$ 6.298 a tonelada, na London Metal Exchange (LME), por volta das 9h45 (de Brasília), enquanto o cobre para setembro avançava 0,16%, a US$ 2,8510 a libra-peso, na Comex.

O cobre em Londres atingiu novas máximas em mais de dois anos nesta quarta-feira, apoiado pela revisão em alta na segunda-feira da projeção de crescimento da China feita pelo Fundo Monetário Internacional (FMI). Na comparação semanal, o cobre avançava 5,5% na LME, no nível mais alto desde maio de 2015.

Entre outros metais básicos negociados na LME, o zinco caía 0,76%, a US$ 2.823,50 a tonelada, o alumínio avançava 0,13%, a US$ 1.942 a tonelada, o estanho subia 0,07%, a US$ 20.320 a tonelada, o níquel recuava 0,90%, a US$ 9.935 a tonelada, e o chumbo caía 0,24%, a US$ 2.317 a tonelada. 

A Polícia Federal prendeu dois investigados na Operação Zelotes. Foram capturados o auditor da Receita Eduardo Leite e Mario Pagnosi.

Eduardo Leite é um dos réus em ação penal por corrupção na Receita Federal e no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), órgão que julga as apelações contra multas aplicadas pelo Fisco. O grupo é acusado pelo Ministério Público Federal (MPF) de envolvimento em esquema pagamento de propina para livrar o Bank Boston, atualmente Itaú-Unibanco, de autuações milionárias.

A Petrobras anuncia aumento dos preços dos combustíveis nas refinarias, de 0,6% para a gasolina e 3,5% para o diesel, a partir desta quinta-feira (27).

A nova política de revisão de preços foi divulgada pela petroleira no dia 30 de junho. Com o novo modelo, a Petrobras espera acompanhar as condições do mercado e enfrentar a concorrência de importadores. Em vez de esperar um mês para ajustar seus preços, a Petrobras agora avalia todas as condições do mercado para se adaptar, o que pode acontecer diariamente. Além da concorrência, na decisão de revisão de preços, pesam as informações sobre o câmbio e as cotações internacionais.

Além do FED (15H) e FOMC (após o fechamento), correm por fora desdobramentos sobre a meta fiscal, balanços corporativos no Brasil e no Exterior os estoques de petróleo (11h30).

Acima de 65.624 temos um pivot de alta no Ibovespa, pelo menos tecnicamente.

Pessoalmente, acho difícil o mercado permanecer acima desse patamar na sessão dessa quarta-feira.

O caminho mais provável seria uma correção de preços, para tomar fôlego, sem perder a inclinação altista.

Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan

Diretor da TopTraders
contato@TopTraders.Com.BR


terça-feira, 25 de julho de 2017

China turbina o mercado


Bom dia investidor!

O cobre tocou máxima em cinco meses em Londres e também tinha alta forte em Nova York nesta terça-feira, em meio a sinais de demanda mais forte da China. Além disso, há preocupações constantes do lado da oferta do metal.

Às 9h40 (de Brasília), o cobre para três meses subia 2,21%, a US$ 6.167 a tonelada, na London Metal Exchange (LME). O cobre para setembro avançava 2,59%, a US$ 2,8075 a libra-peso, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex). Foto: mining.com.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) revisou sua projeção de crescimento para a China, maior consumidora mundial do cobre. O FMI elevou a expectativa na segunda-feira em 0,1 ponto porcentual, para 6,7%.

Os dados econômicos são divulgados após a China revelar números sobre suas importações de cobre mais cedo na segunda-feira, mostrando um aumento nas compras de junho na comparação mensal.

Do lado da oferta, Antofagasta e Barrick Gold, que controlam a mina Zaldívar, no Chile, reverteram uma greve ao longo da noite, mas ainda há riscos. A mina Grasberg, da Freeport McMoRan na Indonésia, entrou em seu quarto mês de greve na segunda-feira. Trata-se da segunda maior do mundo, o que ajuda a apoiar o metal básico, segundo Patterson.

Entre outros metais básicos negociados na LME, o zinco subia 1,52%, a US$ 2.830,50 a tonelada, o alumínio avançava 0,52%, a US$ 1.922,50 a tonelada, o estanho caía 0,02%, a US$ 20.245 a tonelada, o níquel ganhava 1,84%, a US$ 9.940 a tonelada, e o chumbo tinha alta de 1,79%, a US$ 2.298 a tonelada.

Os contratos futuros de petróleo operam em alta nesta manhã, mantendo o tom positivo da sessão anterior, ainda em reação ao resultado da reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) com outros grandes produtores da commodity.

Às 9h45 (de Brasília), o barril do petróleo tipo Brent para setembro avançava 1,89% na IntercontinentalExchange (ICE), a US$ 49,25, enquanto o do WTI para o mesmo mês subia 1,90% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 46,96.

Em encontro realizado ontem na cidade russa de São Petersburgo, a Arábia Saudita - maior exportador mundial de petróleo - criticou outros países da Opep por terem falhado em cumprir o acordo para a redução da produção da commodity.

Segundo pacto fechado no fim do ano passado e renovado em maio, a Opep e dez países que não pertencem ao cartel precisam reduzir sua produção combinada em cerca de 1,8 milhão de barris por dia até pelo menos março de 2018.

A Arábia Saudita, que também não conseguiu respeitar sua cota de produção em junho, prometeu ir além do acordo e limitar suas exportações diárias a 6,6 milhões de barris em agosto.

Já a Nigéria, integrante da Opep que havia sido originalmente isenta do pacto, aceitou ontem em São Petersburgo em não produzir mais que 1,8 milhão de barris por dia.

O índice de sentimento das empresas da Alemanha subiu para 116 em julho, de 115,2 em junho, atingindo máxima histórica pelo terceiro mês consecutivo, segundo o instituto alemão Ifo. 

Apenas o subíndice de condições atuais subiu para 125,4 em julho, de 124,2 em junho. Já o subíndice sobre as expectativas das empresas para os próximos seis meses aumentou neste mês a 107,3, de 106,8 em junho.

O Ifo entrevista cerca de 7.000 empresas dos setores de manufatura, construção, atacado e varejo para sua pesquisa mensal. 

Pressionado pelo risco de não conseguir fechar as contas públicas neste e no próximo ano, o governo vai lançar um Programa de Demissão Voluntária (PDV) para os servidores civis do Executivo. Pelos cálculos do ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, o governo poderá economizar cerca de R$ 1 bilhão por ano com a iniciativa. O último PDV foi feito no governo Fernando Henrique Cardoso.

A expectativa é que pelo menos 5 mil servidores participem do programa - aproximadamente 1% do total. Segundo o Planejamento, a proposta prevê também que os servidores efetivos poderão requerer a redução da jornada de trabalho de 8 horas diárias e 40 horas semanais para 6 ou 4 horas diárias e 30 ou 20 horas semanais. A remuneração será proporcional.

Para quem optar pela redução de jornada, será assegurado o pagamento adicional de meia hora diária. O funcionário público poderá exercer outra atividade, pública ou privada, desde que não haja potencial conflito de interesses ou incompatibilidade de horários. Também lhe será permitido atuar na administração de empresas.

Depois de elevar a tributação dos combustíveis, a equipe econômica tem sido criticada por ter mantido os reajustes dos servidores acertados pela ex-presidente Dilma Rousseff, com forte peso nos gastos do governo.

As medidas serão enviadas ao Congresso por meio de uma Medida Provisória (MP), que entra em vigor imediatamente para a adesão dos servidores - o pagamento só ocorrerá em 2018.

O Ibovespa poderá surpreender e não buscar apoio na média móvel exponencial de 21 períodos e no topo anterior em 64.170. Clique para ampliar.

Com o exterior positivo, correções passam a ser oportunidades de compra.

Nesse caso a média tende a subir e sustentar os preços, assim como a própria LTA ao longo do tempo.

Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan

Diretor da TopTraders
contato@TopTraders.Com.BR

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Relatório Focus em destaque


Bom dia investidor!

O petróleo opera em alta nesta segunda-feira, após o fim da reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) em São Petersburgo, com a presença também de alguns países de fora do cartel, como a Rússia. O mercado monitora declarações de autoridades presentes, após o encontro para discutir o atual acordo liderado pela Opep para reduzir a oferta da commodity a fim de apoiar os preços.

O petróleo WTI para setembro subia 0,76%, a US$ 46,12 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para setembro avançava 0,94%, a US$ 48,51 o barril, na ICE, às 9h15 (de Brasília).

O petróleo já subia, mas ganhou força após declarações vindas da cidade russa. O ministro de Omã, por exemplo, disse que a Nigéria concordou em entrar no acordo e limitar sua produção em 1,8 milhão de barris por dia, enquanto a Arábia Saudita reafirmou seu apoio à iniciativa e disse que tem reduzido sua oferta no mercado, esperando que os demais países façam o mesmo.

Nigéria e Líbia vinham ficando de fora do acordo para limitar a produção, já que enfrentam problemas com violência e no próprio setor. Analistas questionam se a inclusão de ambos mudaria muito o cenário no mercado, já que os dois países têm produzido abaixo de sua capacidade. Na avaliação do analista de energia Gao Jian, da SCI International, a inclusão ou não das duas nações no acordo não ajudará a reajustar a dinâmica entre a oferta e a demanda no curto prazo. Aparentemente, a Líbia continua de fora da iniciativa.

Os contratos futuros de cobre operam perto da estabilidade, na manhã desta segunda-feira, após a divulgação de indicadores sólidos de importação da China. Além disso, investidores aguardam notícias dos Estados Unidos previstos para esta semana.

Por volta das 9h20 (de Brasília), o cobre para três meses subia 0,02%, a US$ 5.998 a tonelada, na London Metal Exchange (LME). Já o cobre para setembro avançava 0,17%, a US$ 2,7270 a libra-peso, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).

As importações chinesas de minério de ferro e concentrados aumentaram 23% em junho na comparação com o mês anterior, para 1,4 milhão de toneladas, segundo dados da BOCI Global Commodities. 

Ainda assim, o mercado está relativamente estável, à espera de vários indicadores importantes dos EUA nesta semana, entre eles o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. Além disso, haverá decisão de juros do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) na quarta-feira.

Analista sênior da Sucden Financial, Kash Kamal previu que o mercado mostre calma, antes dos indicadores mais importantes da semana e do Fed. Não há expectativa para elevação de juros neste mês.

Entre outros metais básicos negociados na LME, o zinco subia 1,16%, a US$ 2.786,50 a tonelada, o alumínio avançava 0,29%, a US$ 1.922 a tonelada, o estanho caía 0,07%, a US$ 20.200 a tonelada, o níquel tinha alta de 0,84%, a US$ 9.630 a tonelada, o chumbo subia 0,58%, a US$ 2.258 a tonelada.

O índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) composto da Alemanha, que mede a atividade nos setores industrial e de serviços, caiu para 55,1 em julho, de 56,4 em junho, atingindo o menor nível em seis meses, segundo dados preliminares publicados hoje pela IHS Markit. Apesar da queda, a leitura acima de 50,0 indica que a atividade econômica alemã continua se expandindo neste mês, ainda que em ritmo mais contido.

Os economistas do mercado financeiro mantiveram a projeção para a atividade em 2017 e 2018. A expectativa de alta para o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano seguiu em 0,34% no Relatório de Mercado Focus, divulgado há pouco. Há um mês, a perspectiva era de avanço de 0,39%.

Para 2018, o mercado manteve a previsão de alta do PIB, de 2,00%. Quatro semanas atrás, a expectativa estava em 2,10%.

Em 22 de junho, o BC informou em seu Relatório Trimestral de Inflação (RTI) a manutenção em 0,5% da estimativa para o PIB em 2017. Na última sexta-feira, 21 de julho, o Ministério do Planejamento também manteve em 0,5% sua projeção para o PIB este ano, conforme o Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas do 3º Bimestre.

No Focus de hoje, as projeções para a produção industrial para este ano tiveram leve piora. O avanço projetado para 2017 foi de 0,97% para 0,83%. Há um mês, estava em 0,55%. No caso de 2018, a estimativa de crescimento da produção industrial foi de 2,30% para 2,26, ante 2,30% de quatro semanas antes.

Já a projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para 2017 seguiu em 51,70%. Há um mês, estava em 51,50%. Para 2018, as expectativas no boletim Focus foram de 55,15% para 55,10%, ante 55,07% de um mês atrás. 

Clique para ampliar

O Ibovespa tem inclinação baixista de curtíssimo prazo, dentro de uma perda de alta que deverá ter continuidade.

Ainda existe espaço para correção, com possível alvo na média móvel de 21 períodos ou mesmo na linha de tendência de alta de coloração azul no gráfico.

Um ponto importante, com possível inflexão de preços, seria o topo anterior em 64.170.

Para a sessão desta segunda-feira, o caminho mais provável, na minha visão, seria uma sessão de baixa contida, lenta e arrastada, como foram as últimas.

Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan

Diretor da TopTraders
contato@TopTraders.Com.BR

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Governo aumenta impostos


Bom dia investidor!

A concessão de financiamento imobiliário desacelerou na China no segundo trimestre, uma vez que medidas tomadas para conter o superaquecimento do setor começaram a afetar as vendas de imóveis em grandes cidades.

No fim de junho, o volume de empréstimos imobiliários cresceu 30,8% na comparação anual, a 20,1 trilhões de yuans (US$ 2,97 trilhões), ante um avanço de 35,7% no fim de março, segundo dados do banco central chinês (PBoC).

A Bolsa de Tóquio fechou em baixa moderada nesta sexta-feira, uma vez que o iene voltou a se fortalecer ante o dólar, prejudicando ações do setor exportador.

Num pregão de volume reduzido, o Nikkei caiu 0,22%, a 20.099,75 pontos. Ao longo da semana, o índice japonês acumulou perda marginal de 0,09%.

Segundo analistas, alguns investidores preferiram ficar às margens dos negócios em Tóquio, após o Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês) manter sua política monetária inalterada ontem e sugerir que não tem pressa de retirar os agressivos estímulos atuais.

Os futuros de cobre operam nos maiores níveis em quatro meses nesta manhã, impulsionados por um aperto da oferta global do metal básico e pela perspectiva de novas disputas trabalhistas no Chile.

Por volta das 9h25 (de Brasília), o cobre para entrega em três meses negociado na London Metal Exchange (LME) avançava 1,05%, a US$ 6.038,00 por tonelada.

Na Comex, a divisão de metais da bolsa mercantil de Nova York (Nymex), o cobre para setembro tinha alta de 0,99%, a US$ 2,7430 por libra-peso.

O rali do cobre veio após dados mostrarem que os estoques do metal na Bolsa de Futuros de Xangai tiveram queda semanal de 5% e se aproximaram dos menores patamares no ano.

Entre outros metais básicos na LME, o viés era positivo: o alumínio subia 0,73% no horário indicado acima, a US$ 1.930,00 por tonelada, enquanto o zinco avançava 1,23%, a US$ 2.761,50 por tonelada, o chumbo aumentava 1,26%, a US$ 2.245,00 por tonelada, o pouco negociado estanho tinha valorização de 0,32%, a US$ 20.170,00 por tonelada, e o níquel aumentava 1,21%, a US$ 9.625,00 por tonelada. 

O presidente Michel Temer disse ao chegar em Mendoza, na Argentina, na noite desta quinta-feira, 20, que a decisão anunciada pelo governo, de aumento de PIS/Cofins para gasolina, diesel e etanol, está em linha com a responsabilidade fiscal e será bem compreendida pela população.

Temer negou que a medida - que não precisa de aprovação do Congresso para entrar em vigor - tenha sido tomada por conta da frustração com a não aprovação das reformas. "O Congresso sempre colaborou conosco", disse. Segundo ele, a decisão de aumentar o PIS/Cofins foi adotada por um critério de responsabilidade fiscal.


Clique para ampliar

O gráfico diário do Ibovespa mostra o benchmark com um fechamento perto da mínima e levemente abaixo da média móvel de 5.

Temos uma correção no tempo nesse momento.

Se a mínima da semana for perdida com convicção (64.873), a venda poderá acelerar e apontar rumo a 64.170 para segunda ou terça-feira.

A distância, ainda relevante, em relação a média móvel de 21 e a baixa do minério (-1,32%) na China e petróleo nesse momento cedendo pouco mais de 1% tornam a chance de um pregão altista remota.

Assim sendo, um pregão de queda moderada é o caminho mais provável.


Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan

Diretor da TopTraders
contato@TopTraders.Com.BR

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Ibovespa corrige no tempo


Bom dia investidor!

O Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês) manteve inalterada sua política monetária nesta sexta-feira. O conselho do BoJ votou para manter sua meta para o yield dos bônus de 10 anos em torno de zero e a taxa de juros de curto prazo em -0,1%, como já era esperado.

O banco também reiterou que continuaria a comprar bônus governamentais num ritmo anual de cerca de 80 trilhões de ienes (US$ 714 bilhões).

Os futuros de cobre operam em leve alta em Londres e Nova York, em meio a relatos conflitantes sobre greves em minas do Peru.

Por volta das 10h30 (de Brasília), o cobre para entrega em três meses negociado na London Metal Exchange (LME) avançava 0,14%, a US$ 5.974,50 por tonelada.

Na Comex, a divisão de metais da bolsa mercantil de Nova York (Nymex), o cobre para setembro tinha alta marginal de 0,09%, a US$ 2,7130 por libra-peso.

Entre outros metais básicos na LME, o viés era majoritariamente positivo: o alumínio subia 0,26% no horário indicado acima, a US$ 1.925,00 por tonelada, enquanto o zinco avançava 0,31%, a US$ 2.747,50 por tonelada, o chumbo aumentava 0,34%, a US$ 2.220,00 por tonelada, e o pouco negociado estanho tinha valorização de 0,17%, a US$ 20.130,00 por tonelada. Única exceção, o níquel caía 0,31%, a US$ 9.620,00 por tonelada. 

Como esperado, o Banco Central Europeu (BCE) manteve suas taxas de juros inalteradas após a reunião de política monetária desta quinta-feira. A principal taxa da instituição, a de refinanciamento, utilizada em empréstimos regulares, permaneceu na mínima histórica de 0% e a taxa de depósitos ficou inalterada em -0,40%. Com isso, os bancos comerciais continuarão pagando para deixar recursos depositados no BCE.

Frankfurt foi a cidade apontada por dois grandes conglomerados financeiros com forte atuação em Londres como a alternativa ao pós-Brexit (saída do Reino Unido da União Europeia) no caso de as negociações tornarem-se mais duras. No dia em que encerra-se a segunda rodada de negociações entre as partes, a imprensa britânica registra que este será o destino do alemão Deutsche Bank e do norte-americano Citigroup. Na sexta-feira passada, terminou o prazo para que as instituições financeiras informassem ao Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) seus planos para o período posterior ao fim das tratativas, previstas para encerrarem em março de 2019.

O número de pedidos de auxílio-desemprego nos Estados Unidos caiu 15 mil na semana encerrada em 15 de julho, para 233 mil, no cálculo com ajustes sazonais, segundo o Departamento do Trabalho do país. Analistas consultados pelo Wall Street Journal previam recuo menor do indicador, a 243 mil solicitações. O dado da semana anterior foi revisado de 247 mil para 248 mil.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) registrou queda de 0,18% em julho, após subir 0,16% em junho.

Com o resultado anunciado hoje, o IPCA-15 acumula aumento de 1,44% no ano. A taxa acumulada em 12 meses até julho foi de 2,78%.


IBOVESPA no intradiário, agora ao meio dia e meia
Clique para ampliar

O Ibovespa teve uma forte escalada recente, partindo de 60.543 dia 21 de junho até atingir 65.624 dia 14 de julho.

Depois disso, podemos notar candles mais contidos, com corpo menor, redução de volume e leve viés de baixa.

Isso configura uma correção no tempo, que seria confirmada com rompimento de 65.624, apontando continuidade da alta.

Como ainda está distante da média móvel de 21 períodos, o cenário mais provável seria a continuidade dessa movimentação lateral com leve viés de queda, o que não impediria o mercado de surpreender e mergulhar, corrigindo no preço, com suporte imediato em 64.170, onde está o último topo e onde a a MM21 encontraria os preços, se continuar a subir no mesmo ritmo.

Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan

Diretor da TopTraders
contato@TopTraders.Com.BR

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Temer x Maia


Bom dia investidor!

A Bolsa de Tóquio fechou em leve alta nesta quarta-feira, impulsionada por ações ligadas à demanda doméstica, num pregão mercado por cautela antes da decisão de política monetária do Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês).

O índice Nikkei subiu 0,10% na capital japonesa e voltou a superar a marca psicológica dos 20 mil pontos, encerrando o dia a 20.020,86 pontos.

Os contratos futuros de cobre operam em queda na manhã desta quarta-feira, influenciados por uma cautela em relação às propostas do governo de Donald Trump, nos Estados Unidos.

Por volta das 9h (de Brasília), o cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) caía 0,19%, a US$ 5.992,50 por tonelada. Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o cobre para entrega em setembro recuava 0,29%, a US$ 2,7220 por libra-peso.

Após uma forte queda ante outras moedas fortes ontem, o dólar ensaia uma recuperação nesta quarta-feira, influenciando negativamente o preço de commodities, que subiram nos negócios de ontem. Contra o cobre, pesa, além do pequeno fortalecimento da moeda americana, o fato de que os investidores continuam céticos quanto à agenda de reformas proposta pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que propôs, durante a campanha, aumentar os investimentos em infraestrutura no país.

Entre outros metais básicos na LME, o zinco caía 0,56%, a US$ 2.774,00 por tonelada; o alumínio avançava 0,1%, a US$ 1.932,00 por tonelada; o estanho subia 0,22%, a US$ 20.060,00 por tonelada; o níquel ganhava 0,31%, a US$ 9.750,00 por tonelada; e o chumbo perdia 1,19%, a US$ 2.245,00 por tonelada.

Os contratos futuros de petróleo operam em alta no começo da manhã, recuperando-se de perdas que mostraram durante a madrugada, mas ainda em busca de direção após a divulgação de dados mistos dos estoques dos EUA.

No fim da tarde de ontem, a associação de refinarias conhecida como American Petroleum Institute (API) estimou que o volume de petróleo bruto estocado nos EUA teve acréscimo de 1,6 milhão de barris na última semana. Por outro lado, o API também apontou reduções nos estoques de gasolina, de 5,4 milhões de barris, e de destilados, de 2,9 milhões de barris.

Nesta manhã, o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) norte-americano publica o levantamento oficial sobre estoques. A previsão de analistas consultados pela Dow Jones Newswires é que a pesquisa do DoE mostrará queda de 3,1 milhões de barris nos estoques de petróleo bruto.

Às 9h10 (de Brasília), o barril do petróleo tipo Brent para setembro avançava 0,29% na Intercontinental Exchange (ICE), a US$ 48,98, enquanto o do WTI para o mesmo mês subia 0,19% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 46,49.

A Opep e grandes produtores que não pertencem ao cartel, como a Rússia, vêm tentando reduzir sua oferta combinada em cerca de 1,8 milhão de barris por dia desde o começo do ano. O acordo de corte na produção irá se estender até março de 2018.

Na próxima segunda-feira (24), a Opep fará uma reunião para discutir a possibilidade de incluir Líbia e Nigéria, atualmente isentos do acordo. 

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que mede a inflação na cidade de São Paulo, caiu 0,15% na segunda quadrissemana de julho, após ficar estável na primeira quadrissemana deste mês, segundo dados divulgados hoje pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

O presidente Michel Temer convidou nesta terça-feira dissidentes do PSB a ingressar no PMDB e criou um novo atrito com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também interessado em atrair parlamentares para o seu partido. Embora aliados, Temer e Maia disputam 16 dos 36 deputados do PSB. A sigla deixou o governo em maio, após a divulgação da delação do empresário Joesley Batista, da JBS, que fundamentou a denúncia por corrupção passiva contra o peemedebista.

O mercado de câmbio pode manter o bom humor diante da perspectiva de novos ingressos de fluxo de investidores estrangeiros para as próximas Ofertas Públicas Iniciais (IPOs) de ações na B3, após a movimentação de R$ 5,125 bilhões no IPO do Carrefour Brasil ontem na B3. Estão previstas a precificação da oferta pública inicial (IPO) da companhia do setor farmacêutico Biotoscana, nesta sexta-feira, e as ofertas do ressegurador IRB Brasil e da companhia do setor de energia renovável Ômega Geração, na próxima semana.

Clique para ampliar

O gráfico diário do Ibovespa mostra o benchmark tocando a média móvel de 5 na sessão de ontem, deixando sombra inferior e respeitando a região.

Porém o candle com corpo limitado mostra cansaço na compra, indicando correção de preços como caminho mais provável.

A questão é saber se será mais lenta, no tempo, com movimentação lateral ou mais aguda e rápida, no preço, buscando suporte talvez no topo anterior (64.170).

Isso se a compra não surpreender e elevar os preços, sem correção prévia.

Acredito, pessoalmente, que os drivers externos terão mais impacto no curtíssimo prazo, como metais, petróleo, bolsas na Europa e EUA, durante o recesso parlamentar.


Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan
Diretor da TopTraders
contato@TopTraders.Com.BR

terça-feira, 18 de julho de 2017

Ibovespa indica correção


Bom dia investidor!

O preço médio de moradias novas na China subiu 0,7% em junho ante maio, de acordo com dados divulgados hoje pelo Escritório Nacional de Estatísticas. Na comparação anual, o preço médio avançou 9,6% em junho ante o mesmo período do ano passado.

Os preços subiram em 70 de 70 cidades chinesas em junho ante o mesmo período do ano passado, de acordo com o governo. Na comparação mensal, os preços avançaram em 60 de 70 cidades. 

A Bolsa de Tóquio fechou em baixa nesta terça-feira, à medida que o iene se fortaleceu ante o dólar em meio a preocupações de que o presidente dos EUA, Donald Trump, tenha dificuldades de avançar com sua agenda de reformas no Congresso americano.

Ontem, o governo Trump sofreu um revés ao não obter apoio suficiente no Partido Republicano para aprovar um novo projeto de lei de saúde, que tinha como objetivo substituir o chamado "Obamacare". O maior temor dos investidores é que, mais adiante, a Casa Branca enfrente obstáculos também para implementar uma aguardada reforma tributária.

O índice Nikkei caiu 0,59% hoje, encerrando o pregão ligeiramente abaixo da marca psicológica dos 20 mil pontos, a 19.999,91 pontos. Ontem, o mercado japonês não operou devido a um feriado nacional.

O índice de expectativas econômicas da Alemanha caiu para 17,5 em julho, de 18,6 em junho, segundo o instituto alemão ZEW. 

Já o chamado índice para as condições atuais medido pelo ZEW recuou para 86,4 em julho, de 88 no mês anterior. Neste caso, a projeção era de estabilidade do índice a 88. 

Os contratos futuros de petróleo operam com modestas altas na manhã desta terça-feira, à espera de novos números dos estoques da commodity nos Estados Unidos. Além disso, o dólar mais fraco colabora para o movimento positivo.

Às 9h30 (de Brasília), o petróleo WTI para setembro avançava 0,35%, a US$ 46,18 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para setembro subia 0,45%, a US$ 48,64 o barril, na ICE.

A produção total de xisto dos EUA deve avançar 113 mil barris por dia em agosto na comparação com o mês anterior, para chegar a 5,585 milhões de barris por dia, segundo o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês). Caso se confirme, esse seria o oitavo avanço mensal consecutivo.

Os futuros de cobre operam em baixa em Londres e Nova York nesta manhã.

Por volta das 9h35 (de Brasília), o cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) caía 0,41%, a US$ 5.980,00 por tonelada.

Na Comex, a divisão de metais da bolsa mercantil de Nova York (Nymex), o cobre para entrega em setembro recuava 0,44%, a US$ 2.7120,00 por libra-peso.

Outros metais básicos na LME não exibiram uma direção única: o alumínio tinha queda de 0,52% no horário indicado acima, a US$ 1.902,50 por tonelada, enquanto o zinco diminuía 1,52%, a US$ 2.777,50 por tonelada, o pouco negociado estanho aumentava 0,28%, a US$ 19.965,00 por tonelada, o níquel avançava 0,42%, a US$ 9.650,00 por tonelada, e o chumbo recuava 0,67%, a US$ 2.282,00 por tonelada.

Clique para ampliar

O gráfico diário do Ibovespa indicou, na sessão de ontem, o início de um processo corretivo, dentro da pernada de alta.

Ela poderá ser mais lateral e no tempo, com a subida da média de móvel de 21, durando de três a cinco pregões em média. ou então no preço, mais aguda rápida.

Se o mercado mostrar força, a média móvel de 5 seria um suporte suficientemente forte para segurar as cotações.


Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan
Diretor da TopTraders
contato@TopTraders.Com.BR

segunda-feira, 17 de julho de 2017

China em destaque


Bom dia investidor!

A produção industrial da China cresceu a um ritmo mais acelerado em junho, em uma mostra de robustez da segunda maior economia do mundo, segundo dados oficiais divulgados nesta segunda-feira, 17 (no horário local).

A produção industrial de valor agregado, que serve de prévia para o dado de crescimento econômico, cresceu 7,6% em junho na comparação anual. Em maio, a evolução na mesma base foi de 6,5%, segundo o Escritório Nacional de Estatísticas do país. 

Na comparação mensal, a produção industrial cresceu 0,81% em junho, ante 0,51% no mês anterior.

Já os investimentos em ativos fixos em áreas urbanas da China cresceram 8,6% nos primeiros seis meses do ano, na comparação anual - mesmo ritmo observado no período de janeiro a maio. A expectativa dos economistas era de avanço de 8,4%.

As vendas no varejo, por sua vez, saltaram 11% em junho, na comparação anual - em maio, o indicador registrou 10,7%, mesmo valor da média das previsões dos economistas. Na comparação com o mês anterior, as vendas em junho cresceram 0,93%, ante avanço de 0,86% em maio. 

As vendas de moradias na China subiram 26,4% em valor na comparação anual de junho, mostrando forte aceleração ante o ganho de 12,6% verificado em maio, segundo cálculos do The Wall Street Journal baseados em dados do Escritório Nacional de Estatísticas do país.

No primeiro semestre, as vendas de moradias tiveram acréscimo de 17,9% ante igual período de 2016. No intervalo de janeiro a maio, as vendas haviam crescido 15,3%.

Já os investimentos no desenvolvimento de projetos imobiliários avançaram 8,5% no primeiro semestre, enquanto as construções iniciadas - considerando-se tanto residências quanto propriedades comerciais - subiram 10,6%, a 857,2 milhões de metros quadrados. 

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse no sábado, 15, que acredita que a votação da denúncia apresentada contra o presidente Michel Temer será concluída ainda em agosto. "Vou pautar dia 2 de agosto e acredito que haverá quórum", disse ao Estado.

O governo queria ter realizado a votação antes do recesso parlamentar, mas concordou em adiar a votação ao se dar conta que, sem a ajuda da oposição, não conseguiria colocar 342 deputados no plenário para dar início à sessão.

O setor bancário em Londres vive um clima de incerteza em relação à saída do Reino Unido da União Europeia, o chamado Brexit. Sexta-feira foi o último dia para que as instituições apresentassem ao Banco da Inglaterra (BoE) suas estratégias e o que pretendem fazer após a saída do bloco econômico. Mas a falta de regras e de referência têm gerado um desconforto entre os banqueiros.

Os futuros de cobre operam em alta nesta manhã em Londres e Nova York, após dados positivos da China arrefecerem temores de demanda mais fraca do maior país consumidor de metais básicos.

Por volta das 9h10 (de Brasília), o cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) subia 1%, a US$ 5.986,50 por tonelada, atingindo o maior nível desde os primeiros dias de março.

Na Comex, a divisão de metais da bolsa mercantil de Nova York (Nymex), o cobre para entrega em setembro avançava 0,80%, a US$ 2,7120 por libra-peso.

O apetite por metais básicos ganhou força após a China divulgar indicadores de Produto Interno Bruto (PIB) e de produção industrial mais fortes do se previa. O PIB chinês teve expansão anual de 6,9% no segundo trimestre, ante projeção do mercado de acréscimo de 6,8%.

Entre outros metais básicos da LME, o alumínio subia 0,7% no horário indicado acima, a US$ 1.939,50 por tonelada, enquanto o zinco avançava 1,76%, a US$ 2.840,00 por tonelada, o chumbo ganhava 0,54%, a US$ 2.330,50 por tonelada, o pouco negociado estanho aumentava 0,25%, a US$ 20.000,00 por tonelada, e o níquel registrava alta 0,89%, a US$ 9.620,00 por tonelada. 

Os contratos futuros de petróleo oscilavam perto da estabilidade nesta segunda-feira, em meio a preocupações de que os estoques mostrem-se resistentes aos cortes na produção liderados pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep). Além disso, o mercado reagia a números da China sobre o setor.

Às 9h18 (de Brasília), o petróleo WTI para agosto caía 0,19%, a US$ 46,45 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para setembro recuava 0,06%, a US$ 48,88 o barril, na ICE, ambos em sessão volátil.

Os economistas do mercado financeiro mantiveram a projeção para a atividade em 2017 e 2018. A expectativa de alta para o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano seguiu em 0,34% no Relatório de Mercado Focus, divulgado há pouco. Há um mês, a perspectiva era de avanço de 0,40%.

Para 2018, o mercado manteve a previsão de alta do PIB, de 2,00%. Quatro semanas atrás, a expectativa estava em 2,20%.

Em 22 de junho, o BC informou em seu Relatório Trimestral de Inflação (RTI) a manutenção em 0,5% da estimativa para o PIB em 2017. Na última sexta-feira, no entanto, a instituição informou que seu Índice de Atividade (IBC-Br) cedeu 0,51% em maio ante abril, na série com ajuste sazonal. A avaliação entre vários economistas é de que a retomada da economia ainda é frágil.

No relatório Focus de hoje, as projeções para a produção industrial para este ano tiveram leve melhora. O avanço projetado para 2017 foi de 0,84% para 0,97%. Há um mês, estava em 0,60%. No caso de 2018, a estimativa de crescimento da produção industrial seguiu em 2,30%, ante 2,50% de quatro semanas antes.

No Focus, a projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para 2017 foi de 51,60% para 51,70%. Há um mês, estava em 51,50%. Para 2018, as expectativas no boletim Focus foram de 55,10% para 55,15%, ante 55,17% de um mês atrás. 

Clique para ampliar

O Ibovespa tem uma região ampla entre 64.170 e 68.880.

No médio prazo, o patamar mais alto deverá ser atingido, na minha visão.

No momento temos uma tendência de alta firme no benchmark, mas dificilmente ela irá adiante sem uma correção.

Temos considerável distância em relação à média móvel de 21 e redução de volume nos últimos pregões.

Para a sessão dessa segunda-feira o caminho mais provável seria de baixa moderada.


Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan
Diretor da TopTraders


contato@TopTraders.Com.BR

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Ibovespa mostra força


Bom dia investidor!

A Bolsa de Tóquio fechou praticamente estável nesta quinta-feira, em meio à valorização recente do iene frente ao dólar, mas sustentada até certo ponto por ações do setor aéreo.

O índice Nikkei, que reúne os papéis de empresas mais negociadas na capital do Japão, teve ganho apenas marginal de 0,01%, encerrando o pregão a 20.099,81 pontos.

Os futuros de cobre operam em alta em Londres e Nova York nesta manhã, com os metais básicos favorecidos por dados melhores do que o esperado da balança comercial chinesa.

Por volta das 9h20 (de Brasília), o cobre para entrega em três meses negociado na London Metal Exchange (LME) subia 0,19%, a US$ 5.914,00 por tonelada.

Na Comex, a divisão de metais da bolsa mercantil de Nova York (Nymex), o cobre para setembro também avançava 0,19%, a US$ 2,6890 por libra-peso.

As exportações da China aumentaram pelo quarto mês consecutivo em junho, à medida que a demanda externa por bens da segunda maior economia do mundo continuou a se fortalecer.

No mês passado, as exportações chinesas medidas em dólares tiveram expansão anual de 11,3%, depois de crescerem 8,7% em maio, segundo dados da Administração Geral de Alfândega do país. 

As importações da China, por sua vez, saltaram 17,2% em junho ante igual mês do ano passado, após exibirem alta de 14,8% em maio. Também neste caso, a projeção do mercado era de ganho menor, de 12,4%.

Já o superávit comercial da China aumentou para US$ 42,77 bilhões em junho, de US$ 40,81 bilhões em maio, mas ficou abaixo da previsão de analistas, que era de saldo positivo de US$ 44,2 bilhões. 

Os contratos futuros de petróleo operam em baixa nos negócios da manhã, mantendo a tendência da madrugada, num aparente movimento de realização de lucros, após acumularem ganhos desde o início da semana.

Ontem, o petróleo foi impulsionado por dados que mostraram redução bem mais acentuada do que se previa nos estoques dos EUA.

A produção da commodity, porém, continua elevada. Nos EUA, chegou a quase 9,4 milhões de barris por dia (bpd) na última semana, o maior nível em dois anos.

Além disso, relatório divulgado mais cedo pela Agência Internacional de Energia (AIE) mostrou que a oferta global de petróleo cresceu 720 mil bpd em junho, a 97,46 milhões de bpd, impulsionada por avanços na produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e de países que não integram o grupo, caso dos EUA.

Apenas a produção da Opep atingiu o maior nível do ano no mês passado, totalizando 32,6 milhões de bpd, de acordo com a AIE. O resultado, atribuído à Líbia, Nigéria e Arábia Saudita, dificulta os esforços do cartel de limitar a produção.

No fim do ano passado, a Opep e mais dez grandes produtores de fora do grupo, incluindo a Rússia, fecharam um acordo para reduzir a produção em cerca de 1,8 milhão de bpd ao longo do primeiro semestre. Em maio, o acordo foi renovado até março de 2018.

Às 9h22 (de Brasília), o petróleo tipo Brent para setembro recuava 0,80% na IntercontinentalExchange (ICE), a US$ 47,36 por barril, enquanto o WTI para agosto caía 0,75% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 45,15.

Por outro lado, a AIE elevou sua projeção de crescimento da demanda global por petróleo este ano. A entidade prevê agora que a demanda aumentará 1,5% em 2017, a 98 milhões de barris por dia, graças ao maior consumo dos mercados alemão e norte-americano ao longo do segundo trimestre. 

O presidente do Congresso, senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), adiou para as 16h dessa quinta-feira a sessão destinada a votar o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para o Orçamento de 2018.

A sessão havia sido marcada anteriormente para as 10h, mas a demora da sessão do Senado impediu que a Comissão Mista do Orçamento votasse as emendas do projeto.

Além da LDO, o Congresso também votará o projeto que remaneja R$ 102,4 milhões do Orçamento para a Polícia Federal retomar a emissão de passaportes.

Pela lei, a Câmara e o Senado só poderão entrar em recesso após a aprovação da LDO

O presidente Michel Temer não editará imediatamente a medida provisória (MP) para ajustar alguns temas da reforma trabalhista aprovada na terça-feira no Senado, como prometido pelo líder do governo, senador Romero Jucá (PMDB-RR). O presidente deve sancionar hoje, 13, sem vetos, a lei que dá mais força às negociações entre patrões e empregados. As alterações pedidas pelos senadores só serão adotadas posteriormente.

Clique para ampliar

O gráfico diário do Ibovespa mostra um movimento forte e convicto na ponta compradora.

A barreira de 64.170 foi rompida e abre espaço para novos vôos no curto prazo.

Podemos perceber três marobuzus seguidos.

Uma correção seria saudável e importante para a continuidade da escalada, mesmo que seja intradiária, uma vez que temos relativa distância em relação à média de 21.

Vale salientar que pela conjuntura atual, correções serão oportunidades de compra caso sejam materializadas.

Vamos ver se corrige no tempo ou no preço, isso se corrigir.


Bons negócios!

Wagner Caetano, para o Cartezyan
Diretor da TopTraders
contato@TopTraders.Com.BR