segunda-feira, 29 de maio de 2017

Semana decisiva para o Ibovespa



Bom dia investidor!

O crescimento do lucro do setor industrial da China, incluindo o de fábricas e mineradoras, desacelerou fortemente em abril, ao passo em que os preços de produtos industrializados atenuaram, de acordo com dados do governo divulgados hoje.

O lucro de grandes indústrias chinesas subiu 14,0% em abril ante o mesmo período do ano passado, desacelerando de um aumento anual de 23,8% em março, segundo o Escritório Nacional de Estatísticas.

A moderação dos portões de fábricas e a inflação das matérias-primas foram as principais razões para um crescimento mais lento dos lucros, segundo He Ping, economista do escritório.

O índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) da China subiu 6,4% em abril ante o mesmo mês de 2016. Em março, o crescimento anual havia sido de 7,6%.

Apesar da forte desaceleração, o crescimento dos lucros em abril ainda foi maior do que os de anos recentes, ainda segundo o governo.

No período de janeiro a abril, os lucros industriais avançaram 24,4% ante o mesmo período do ano passado, após crescer 28,3% no período de janeiro a março.

O lucro das estatais subiu 58,7% nos primeiros quatro meses do ano ante o mesmo período do ano passado, enquanto o lucro das empresas privadas subiram 14,3%.

O Ministério Público Federal (MPF) fez uma nova proposta para fechar o acordo de leniência com o grupo J&F, que controla a JBS, mas não quer abrir mão da cifra de R$ 11 bilhões. Houve um desconto na multa, mas muito pequeno, de cerca de R$ 170 milhões. A concessão que foi feita pelos procuradores diz respeito ao prazo de pagamento. Antes, a dívida deveria ser paga em 10 anos e agora poderá ser quitada em 13 anos. Ficou determinado ainda que o acordo será fechado exclusivamente com a holding J&F, que será responsável pelos pagamentos, eximindo as demais empresas do grupo do compromisso.

O presidente Michel Temer aproveitou o sábado, 27, para discutir a crise política com ministros do PSDB e com o ex-presidente da República, José Sarney, no Palácio do Jaburu, residência oficial. Temer também se encontrou, no fim do dia, com o ministro da secretaria-geral da Presidência da República, o peemedebista Moreira Franco.

O acordo sobre as regras do Programa de Regularização Tributária (PRT), anunciado hoje mais cedo pelo relator da matéria, deputado Newton Cardoso Jr. (PMDB-MG), foi fechado numa reunião na noite de sexta-feira com o presidente Michel Temer. Depois de uma rodada de negociações no Ministério da Fazenda que terminou sem acordo, o parlamentar foi ao Planalto para uma reunião com Temer, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e um grupo de assessores. A atuação do presidente foi decisiva para que o acordo fosse fechado. O deputado ressaltou também o apoio de Meirelles. "O acordo não foi o melhor nem o pior", disse o deputado. "Foi o possível."

Os economistas do mercado financeiro alteraram, para pior, suas projeções para a atividade em 2017 e 2018. Pelo Relatório de Mercado Focus, divulgado hoje, a mediana para o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano passou de 0,50% para 0,49%. Há um mês, a perspectiva era de avanço de 0,46%.

Para 2018, o mercado também mudou a previsão de alta do PIB, de 2,50% para 2,48%. Quatro semanas atrás, a expectativa estava em 2,50%.

Na ata do último encontro do Comitê de Política Monetária (Copom), divulgada em abril, os diretores do Banco Central afirmaram que os indicadores permanecem compatíveis com a estabilização da atividade econômica ao longo de 2017. Nas últimas semanas, no entanto, as notícias sobre a delação da JBS, que atingem o governo Michel Temer, elevaram o risco. Na visão de alguns analistas, a crise política pode prejudicar a recuperação da atividade.

No relatório Focus de hoje, as projeções para a produção industrial ficaram estáveis. O avanço projetado para 2017 seguiu em 1,30%. Há um mês, estava em 1,47%. No caso de 2018, a estimativa de crescimento da produção industrial permaneceu em 2,50%, mesmo porcentual de quatro semanas antes.

Já a projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para 2017 permaneceu em 51,50% no Focus. Há um mês, estava em 51,40%. Para 2018, as expectativas no boletim Focus seguiram em 55,20%, ante 55,00% de um mês atrás.

O Ibovespa fechou a semana na máxima, adentrando a região da LTA. (clique para ampliar)

Hoje deve abrir em leve baixa, testando essa linha rompida como suporte, típico movimento de pull-back.

A briga entre ursos e touros será limitada pelos feriados em Londres e Nova York, mas será um sinal de como vamos operar essa semana.

O caminho mais provável, como vem embalado por uma sequência de ganhos, seria uma reação intradiária logo após a abertura, trabalhando a maior parte do pregão em campo positivo, ou seja, leve alta.

IBOVESPA longo prazo: clique para ampliar


Bons negócios!




Wagner Caetano, para o Cartezyan
Diretor da TopTraders
contato@TopTraders.Com.BR

Nenhum comentário:

Postar um comentário