quinta-feira, 13 de abril de 2017

Ibovespa começa a apontar para a LTA


Bom dia investidor!

A China voltou a garantir superávit em sua balança comercial em março, graças a uma recuperação das exportações, depois de apresentar um inesperado déficit em fevereiro.

No mês passado, a segunda maior economia do mundo registrou superávit comercial de US$ 23,93 bilhões, revertendo o déficit de US$ 9,15 bilhões observado em fevereiro, segundo dados da Administração Geral de Alfândega do país. 

As exportações chinesas medidas em dólares subiram 16,4% na comparação anual de março, após mostrarem queda de 1,3% em fevereiro. O resultado superou de longe a projeção do mercado, que era de acréscimo de 4,9%.

Já as importações da China tiveram expansão anual de 20,3% em março, após saltarem 38,1% no mês anterior. Neste caso, a previsão dos analistas era de alta de 18,4% nas importações. 

A Bolsa de Tóquio fechou em baixa nesta quinta-feira, mantendo a tendência negativa pelo terceiro dia seguido, após comentários do presidente dos EUA, Donald Trump, contribuírem para a recente valorização do iene frente ao dólar.

O Nikkei encerrou o pregão em queda de 0,68% na capital japonesa, a 18.426,84 pontos, após recuar 1,04% ontem.

Em entrevista divulgada ontem pelo Wall Street Journal, Trump disse que o dólar "está ficando muito forte", o que ajudou a manter a força do iene durante a maior parte da madrugada.

Nos negócios de hoje, o Nikkei chegou a recuar 1,3%, num momento em que o iene atingia máximas em cinco meses frente ao dólar.

O iene fortalecido tende a pressionar ações de exportadoras negociadas em Tóquio. No setor automotivo, Toyota foi destaque negativo, com queda de 1,16% em seus papéis.

O governo da Coreia do Norte pediu para jornalistas estrangeiros que estão em Pyongyang se preparem para um "grande e importante evento", que ocorrerá na manhã desta quinta-feira, no horário local. As informações foram dadas pela rede de TV americana CNN.

Segundo informações ainda não confirmadas que circulam na mídia local, a Coreia do Norte teria colocado um dispositivo nuclear em um túnel e poderia detoná-lo na manhã do próximo sábado, no horário local.

Os preços do petróleo operam em leve alta nesta quinta-feira, com o mercado digerindo o relatório da Agência Internacional de Energia (AIE) que disse que o mercado está próximo do equilíbrio e o enfraquecimento do dólar, após comentários do presidente dos EUA, Donald Trump. A alta, porém, é limitada em meio a preocupações com o aumento na produção dos EUA.

Às 9h35 (de Brasília), o petróleo tipo Brent para junho subia 0,20% na IntercontinentalExchange (ICE), a US$ 55,97 por barril, enquanto o WTI para maio avançava 0,24% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 53,23 por barril.

O Banco Central confirmou a expectativa dos economistas e acelerou o ritmo de corte do juro. Diante da inflação menos intensa e da fraqueza da atividade econômica, a taxa básica foi reduzida ontem, 12, em 1 ponto porcentual, para 11,25% ao ano. Essa foi a quinta redução consecutiva e o BC avalia que o novo ritmo é “adequado no momento”. O presidente Michel Temer comemorou. “Vai ajudar a acelerar o crescimento econômico e a gerar empregos”.

A decisão unânime do Comitê de Política Monetária (Copom) mostra que o BC está confortável com a desaceleração dos preços e a percepção majoritária no mercado financeiro de que a inflação deverá ficar abaixo do centro da meta em 2017 (ou seja, abaixo de 4,5%) e em torno dessa referência em 2018.


Clique para ampliar

O Ibovespa teve uma sessão baixista na véspera, quando tivemos o vencimento do índice futuro.

As médias móveis exponenciais estão ambas apontando para baixo.

O caminho mais provável para os negócios nessa quinta-feira seria de desvalorização, com perda de 63.740 e teste da mínima da semana em 63.351.

Um teste da LTA pontilhada em azul no gráfico diário é algo factível para a próxima semana.

Bons negócios!

Wagner Caetano, da TopTraders, para o Cartezyan
contato@TopTraders.Com.BR

Nenhum comentário:

Postar um comentário