quarta-feira, 1 de março de 2017

Volatilidade no ar


Bom dia investidor!

Bolsas asiáticas fecharam com valorização.

China +0,16% e Japão +1,44%.

O índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) medido pela Caixin Media e Markit Economics, subiu a 51,7 em fevereiro, de 51,0 em janeiro, ficando fora do território de contração pelo oitavo mês seguido.

Uma leitura acima de 50 indica expansão das atividades, enquanto números abaixo desse patamar representam contração.

O setor industrial chinês continuou a se recuperar em fevereiro, disse Zhengsheng Zhong, economista do CEBM Group.

O índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) do setor de serviços da China caiu para 54,2 em fevereiro de 54,6 em janeiro, de acordo com informações do Escritório Nacional de Estatísticas.

O subíndice de serviços recuou para 53,2 de 53,5 em janeiro e o subíndice de construção caiu para 60,1 de 61,1, segundo o governo. O indicador de novas encomendas caiu para 51,2, de 51,3.

O índice dos gerentes de compras oficial (PMI, na sigla em inglês) da indústria da China subiu a 51,6 em fevereiro, de 51,3 em janeiro. 

O subíndice de novas encomendas subiu para 53,0 de 52,8 em janeiro, enquanto o subíndice de produção avançou para 53,7 de 53,1, de acordo com o governo.

O minério de ferro com pureza de 62% cotado no porto de Tianjin, na China, caiu 0,1% e foi a US$ 91,4 a tonelada seca, de acordo com dados do The Steel Index.

Já o insumo com teor de concentração de 62% de ferro e com 2% de alumínio fechou estável no porto de Qingdao e foi a US$ 91,8 a tonelada seca.

No continente europeu tudo verde.

Londres +1,31%; Frankfurt +1,61%; Paris +1,91%.

Dow Jones futuro sobe 0,79%; S&P 500 avança 0,76%; Nasdaq ganha 0,69%.

Os contratos futuros de petróleo operam em alta nesta quarta-feira, minimizando um dado de estoques nos Estados Unidos divulgado na véspera e na expectativa pelo relatório do Departamento de Energia (DoE), que sai após a abertura das bolsas.

Na Intercontinental Exchange (ICE), o Brent para maio subia 0,37%, a US$ 56,72 por barril, às 11h02 (de Brasília). Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o WTI para abril avançava 0,31%, a US$ 54,17 por barril.

Os preços do cobre operam em alta nesta quinta-feira, tocando o nível mais alto em duas semanas na London Metal Exchange (LME), beneficiados por dados positivos da China e dos Estados Unidos. Os indicadores ofuscaram os comentários feitos pelo na véspera pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em mensagem ao Congresso.

Na LME, o contrato para três meses subia 1,61% por volta das 10h25 (de Brasília), o maior patamar desde 13 de fevereiro. Na Comex, a divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o cobre para maio subia 1,36%, a US$ 2,7515 por libra-peso.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou que vai pedir ao Congresso americano a aprovação de uma legislação que promove investimentos da ordem de US$ 1 trilhão em infraestrutura.

Segundo Trump, o valor seria financiado por capital público e privado, e criará milhões de novos empregos.

Ao iniciar a fala sobre infraestrutura, Trump citou o presidente republicano Dwight Eisenhower, que teria iniciado o último "realmente grande" programa de infraestrutura nacional ao construir o sistema rodoviário interestadual. Eisenhower foi presidente de 1953 a 1961.

Trump criticou ainda os gastos de US$ 6 trilhões no Oriente Médio, os quais teriam sido capazes de reconstruir os EUA duas vezes, segundo o presidente.

Clique para ampliar

O gráfico diário do Ibovespa mostra três dias de correção que levaram o benchmark a uma região de forte suporte, formada pela média móvel exponencial de 21 períodos e pelo topo anterior em 66.600.

Se houver um candle de reação, mostrando força compradora, poderemos ter a formação de um fundo e a alta terá continuidade.

Porém se fraquejar e fechar abaixo do forte suporte, terá como alvo 65.300 no curto prazo.

Bons negócios!

Wagner Caetano, da TopTraders, para o Cartezyan
contato@toptraders.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário