terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Bolsas mundiais sinalizam pregão baixista


Bom dia investidor!

Bolsas asiáticas fecharam sem direção única.

China +0,17% e Japão -1,48%.

O governo da China provavelmente manterá uma postura "prudente e neutra" e reduzirá sua meta de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano para 6,5%, segundo a agência de notícias Reuters.

A meta de 2016 era de expansão de 6,5% a 7%. Nas últimas semanas, autoridades disseram que o PIB chinês provavelmente cresceu 6,7% no ano passado.

Dados do PIB da China do quarto trimestre e de 2016 deverão ser divulgados na sexta-feira (20).

Europa tem novo pregão de queda.

Londres -0,44%; Frankfurt -0,95%; Paris -0,71%.

O índice de expectativas econômicas da Alemanha avançou de 13,8 em dezembro para 16,6 em janeiro, segundo dados publicados nesta terça-feira pelo instituto alemão ZEW. A previsão era de alta maior, para 18,8.

Já o chamado índice para as condições atuais medido pelo ZEW teve alta de 63,5 em dezembro para 77,3 em janeiro, bem acima da previsão de 65,0. 

O minério de ferro caiu 2,2% na China, fechando cotado a US$ 81,7 a tonelada seca.

A mega delação premiada da Odebrecht - que envolve 77 executivos e aguarda homologação da Justiça - deve desencadear uma nova fase de colaborações na Operação Lava Jato: a do núcleo políticos da organização criminosa acusada de corrupção na Petrobras.

Procuradores da República, das forças-tarefas de Brasília, Curitiba e Rio de Janeiro, estão preparados para um aumento da procura por acordos de delação, por assessores e ex-assessores de políticos, em especial, de parlamentares.

“O maior espaço que se existe hoje para delações é para assessores de políticos e políticos. Quanto antes eles procurarem por um acordo, mais benefícios podem obter”, afirmou um investigador, em reservado.

O anúncio do Banco Central de que retomará leilões de swap cambial surpreendeu parte do mercado. Discutia-se entre especialistas a possibilidade de que a autarquia aproveitaria as cotações ainda baixas do dólar para diminuir sua exposição cambial. No entanto, o posicionamento divulgado ontem indica que a autoridade monetária busca dar mais segurança ao mercado antes de importantes eventos no exterior.

Para os próximos dias, está prevista uma agenda carregada de eventos internacionais. Amanhã, por exemplo, a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, poderá dar mais detalhes sobre a separação frente à União Europeia ("Brexit"). Já na sexta-feira, o presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, assume o cargo em meio a incertezas sobre suas políticas econômicas.

Petróleo sobe 1,5% em Londres e Nova York e cobre despenca 2%.

Futuros norte-americanos caem cerca de 0,50%.

clique para ampliar

O gráfico do Ibovespa tem sinal de topo e sugere teste de 62.935.

Nesse ponto teremos uma visão maia clara da força compradora, caso seja efetivamente tocado.

Bons negócios!

Wagner Caetano, diretor da TopTraders
para o Cartezyan

Nenhum comentário:

Postar um comentário