sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Negócios com Monte Dei Paschi são suspensos na Itália


Bom dia investidor!

Bolsas asiáticas fecharam em baixa.

China -0,94% e Japão -0,09%.

Velho mundo opera de modo lateral.

Londres -0,06%; Frankfurt +0,07%; Paris +0,06%.

O regulador do mercado acionário da Itália, o Consob, decidiu suspender negócios com ações ordinárias do Banca Monte dei Paschi di Siena no pregão desta sexta-feira na Bolsa de Milão, assim como transações com derivativos relacionados e 10 tipos de bônus.




A decisão do Consob veio após o Monte dei Paschi comunicar que vai recorrer a um fundo de resgate do governo italiano para sustentar suas finanças, após uma fracassada tentativa de levantar 5 bilhões de euros (US$ 5,2 bilhões) numa operação privada.

O governo da Itália já socorreu o Monte dei Paschi, o mais antigo banco do mundo em atividade, em duas ocasiões desde 2011, mas a instituição consumiu 8 bilhões de euros em capital que obteve de investidores desde então.

Nos últimos dias, o Monte dei Paschi tentou levantar novos recursos por meio de uma troca de ações por bônus, mas a demanda pela oferta foi insuficiente.

Sem uma nova injeção de capital, o banco italiano não conseguirá se livrar de 28 bilhões de euros em empréstimos inadimplentes, um elemento crucial do seu plano de recuperação. 

O Deutsche Bank informou há pouco que chegou a um acordo com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos para pagar uma multa de US$ 3,1 bilhões relacionada à venda de títulos hipotecários entre 2005 e 2007, os quais teriam provocado a crise financeira no ano seguinte. O banco alemão vai pagar ainda um montante de US$ 4,1 bilhões em reparos aos consumidores.

Os contratos futuros de petróleo operam em baixa nesta sexta-feira, com investidores embolsando lucros antes da pausa de feriado. Com isso, a commodity devolve parte da alta registrada ontem, quando dados dos EUA e o dólar um pouco mais fraco colaboraram.

Às 9h31 (de Brasília), o contrato do petróleo WTI para fevereiro caía 0,81%, a US$ 52,52 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para fevereiro recuava 0,65%, a US$ 54,69 o barril, na Ice.

Analistas disseram que o sentimento geral continua a ser positivo, com a expectativa de que a oferta mundial diminua após importantes produtores chegarem no mês passado a um acordo para cortar a produção global em cerca de 2%. Isso tem mantido o barril do petróleo acima de US$ 50 por mais dias neste mês que em qualquer outro desde julho de 2015.

A agência de classificação de risco Moody's criticou ontem o acordo fechado pelo governo brasileiro para renegociação das dívidas dos Estados, chamando o projeto de "almoço fiscal grátis", e disse que o pacote é negativo para a revisão de nota de crédito.

A Câmara dos Deputados derrubou as contrapartidas que os Estados teriam de cumprir ao aderir ao Regime de Recuperação Fiscal, e é esse texto que deverá ser sancionado pelo presidente Michel Temer. A proposta original previa a proibição a reajustes, a elevação da alíquota de contribuição previdenciária, além do repasse de ativos à União para que sejam vendidos e o valor abatido da dívida suspensa, mas a Câmara derrubou todas as contrapartidas.

O Ibovespa segue lentamente em sua trajetória ascendente, sem fluxo ou drivers que permitam uma reação de curto prazo.

A movimentação mais natural para essa sexta-feira seria uma abertura positiva, seguida por pressão vendedora ao longo do pregão e fechamento em leve baixa.

Para a próxima semana, o alvo mais provável seria 56.460.

Bons negócios e até semana que vem!

Wagner Caetano 
Top Traders
Cartezyan


Nenhum comentário:

Postar um comentário