sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Dados chineses e IPCA no radar

Bom dia investidor!

Bolsas asiáticas fecharam com valorização.

China +0,54% e Japão +1,23%.

O índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) na China avançou 3,3% em novembro, ante mesmo mês do ano passado, superando as expectativas de analistas do mercado.

Na comparação mês a mês, o PPI subiu 1,5% em novembro ante outubro. No acumulado do ano, o indicador apresenta recuo de 2,0% até novembro.
A inflação ao consumidor da China avançou pelo terceiro mês seguido em novembro, mas permanece abaixo do teto da meta do governo, de acordo com dados oficiais divulgados hoje.

O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) avançou 2,3% em novembro na comparação com o mesmo mês do ano passado, segundo o Escritório Nacional de Estatísticas. Em outubro, o avançou 2,1% ano a ano. A alta nos preços de alimentos foi o principal fator para a aceleração do indicador.

O resultado permanece abaixo da meta de inflação do governo de 3% no ano, dando espaço para os dirigente do banco central flexibilizaram a política monetário.

Na comparação com outubro, o CPI subiu 0,1% em novembro.

Europa opera sem direção única.

Londres +0,21%; Frankfurt -0,08%; Paris +0,47%.

O minério de ferro caiu 2,8% na China, fechando cotado a US$ 79,6 a tonelada.

Os contratos futuros de cobre operam em alta na manhã desta sexta-feira, diante de expectativas de maior demanda da China.

Às 9h33 (de Brasília), o cobre para três meses subia 0,6%, a US$ 5.817 a tonelada, na London Metal Exchange (LME).

O cobre para março tinha alta de 0,80%, a US$ 2,6470 a libra-peso, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).

Dados divulgados na quinta-feira mostraram números fortes de importação de cobre em novembro pela China. O país consome cerca de 45% da oferta global de cobre, por isso suas tendências para o metal têm um impacto considerável nos preços dos contratos.

O avanço do preço do petróleo também dá um impulso para o metal. Como muitos investidores compram e vendem cestas ou índices de commodities, com maior peso para o petróleo, os movimentos deste tendem a afetar as demais commodities.

Entre outros metais básicos negociados na LME, o alumínio subia 0,3%, a US$ 1.733 a tonelada, o zinco avançava 1%, a US$ 2.718 a tonelada, o chumbo tinha alta de 0,2%, a US$ 2.305 a tonelada, o estanho tinha ganho de 0,2%, a US$ 21.050 a tonelada, e o níquel subia 1,8%, a US$ 11.360 a tonelada.

A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechou novembro com alta 0,18%, ante uma variação de 0,26% em outubro, informou hoje o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A taxa acumulada no ano foi de 5,97%. Em 12 meses, o resultado ficou em 6,99%, ainda muito acima do teto da meta estipulada pelo governo, de 6,5%.

Ontem o Ibov fez o movimento mais natural, tocando a LTA destacada no gráfico e decendo em seguida.

Temos uma pinça de topo no diário, o que sinaliza mais queda.

Hoje o movimento deverá seguir o que vimos ontem, com uma abertura em campo positivo para depois devolver e cair.

Um fechamento abaixo de 60.310 projetaria a busca pelos 58K na próxima semana, caso ocorra.

Bons negócios e até semana que vem!

Wagner Caetano Diretor Top Traders
Cartezyan
InfoMoney

Nenhum comentário:

Postar um comentário