sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Mercado pós-vencimento do índice


Bom dia investidor!

Bolsas asiáticas fecharam com valorização.

China +0,08% e Japão +0,49%.

Na Europa tudo verde.

Londres +0,77%; Frankfurt +1,55%; Paris +1,78%.

Dow Jones futuro sobe 0,39%; Nasdaq avança 0,31%; S&P 500 tem alta de 0,32%.

O minério de ferro com pureza de 62% negociado no porto de Tianjin, China, encerrou hoje no mercado à vista com alta de 0,4%, indo a US$ 56,8 a tonelada seca, de acordo com dados do The Steel Index. Já o insumo com teor de concentração de 62% de ferro e de 2% de alumínio, entregue no porto de Qingdao, também subiu 0,4%, para US$ 57,2 a tonelada seca. 

Os contratos futuros de cobre atingiram a mínima em um mês em Londres nesta sexta-feira, com o dólar mais forte e a demanda mais fraca da China pesando. Em Nova York, o metal opera perto da estabilidade.

Às 9h30 (de Brasília), o cobre para três meses caía 0,45%, a US$ 4.693,50 a tonelada, na London Metal Exchange (LME). Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o cobre para dezembro recuava 0,09%, a US$ 2,1200 a libra-peso.

Os futuros de petróleo operam em alta nesta manhã, encaminhando-se para o maior nível em um ano, ainda sustentados pela última pesquisa do Departamento de Energia (DoE) sobre estoques dos EUA.

Os investidores também acompanham a postura da Rússia em relação ao corte de produção proposto recentemente pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep). Em setembro, a produção russa atingiu o maior nível desde o fim da União Soviética, ao ultrapassar 11 milhões de barris por dia.

No fim de novembro, a Opep deverá voltar a se reunir para detalhar a proposta de corte na produção. O objetivo é limitar a produção do grupo a menos de 33 milhões de barris diários, ante os atuais 33,39 milhões de barris por dia.

Às 9h30 (de Brasília), o Brent para dezembro subia 0,75% na IntercontinentalExchange (ICE), a US$ 52,42 por barril, enquanto o WTI para novembro avançava 1,11% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 51,00 por barril. 

Após o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), dizer que não pretende mais colocar em votação o projeto que altera a lei da repatriação, o presidente Michel Temer afirmou, por meio de seu porta-voz, que o governo é favorável a mudanças e que espera que o Congresso encontre uma solução que contemple as demandas dos governadores dos Estados.

Alexandre Parola, no entanto, disse que esse é um assunto que depende da vontade dos parlamentares, e não do governo. "O presidente reitera que a elaboração da pauta de projetos a serem discutidas e votadas é prerrogativa exclusiva da Câmara dos Deputados", afirmou o porta-voz.

Pela manhã, Maia afirmou que não iria mais tentar pautar o projeto porque foi ao seu "limite essa semana". O presidente da Câmara lembrou que a viabilidade da proposta dependia de acordo entre os partidos e, como não houve esse acordo, não iria mais tentar levá-lo a votação.

Maia esteve com Temer nesta quinta. O deputado vai assumir a Presidência da República a partir desta sexta, enquanto Temer estiver em viagem pela Índia e Japão
IBOV bateu 60.300 e teve recuperação no intraday
clique para ampliar

Ontem o Ibovespa buscou suporte no topo anterior, região de 60.300.

Deixou uma sombra inferior relevante, indicando recuperação intradiária.

A sessão de hoje, após o vencimento do índice futuro, será importante para delinear a caminho de curto prazo para os preços, pois na terça-feira tivemos sinal de topo.

Bons negócios!

Wagner Caetanto
TopTraders
especial para o Cartezyan
contato@TopTraders.Com.BR
Wagner@Cartezyan.Com.BR

Nenhum comentário:

Postar um comentário