sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Red Friday


Bom dia investidor!

Bolsas asiáticas fechram sem direção única.

Praças menores, como Hong Kong e Taiwan, tiveram baixa, enquanto China e Japão fecharam com valorização, de 0,13% e 0,36% respectivamente.

Velho mundo tem queda generalizada.

Londres -0,16%; Frankfurt -0,67%; Paris -0,93%.

O preço do minério de ferro com pureza de 62% entregue no Porto de Tianjin, na China, fechou hoje com alta de 0,3% no mercado à vista, indo a US$ 61 a tonelada seca, de acordo com dados do The Steel Index. Já o insumo com concentração de 62% de ferro e de 2% de alumínio negociado no porto de Qingdao, também fechou com alta de 0,3%, a US$ 61,3 a tonelada. 

As saídas de capital da China atingiram em julho o maior nível desde fevereiro, em meio a intervenções mais frequentes do banco central chinês (PBoC) para estabilizar o yuan, após meses de desvalorização da moeda, segundo a Capital Economics.

A consultoria britânica estima que o volume de capitais que deixou a China em julho saltou para US$ 42 bilhões, de uma média mensal de US$ 30 bilhões no segundo trimestre. 

Os futuros de petróleo operam em leve baixa nesta manhã, cedendo a um movimento de realização de lucros, após entrarem em "território altista" ontem por acumularem ganhos de mais de 20% desde a mínima atingida em 2 de agosto.

Apesar da tendência negativa da manhã, o petróleo poderá encerrar a semana com valorização em torno de 7%.

Desde a semana passada, autoridades da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) vêm dizendo que planejam conversas informais com produtores de fora do cartel, no fim de setembro, para discutir formas de "estabilizar os mercados".

Às 9h44 (de Brasília), o petróleo WTI para entrega em outubro, que já é o contrato mais líquido na New York Mercantile Exchange (Nymex), caía 0,39%, a US$ 48,70 por barril, enquanto o Brent para o mesmo mês recuava 0,35%, a US$ 50,71 por barril, na IntercontinentalExchange (ICE). Já o WTI para setembro, que vence na segunda-feira, tinha baixa de 0,27%, a US$ 48,09 por barril. 

O presidente da distrital do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) em São Francisco, John Williams, defendeu ontem que o BC norte-americano volte a elevar os juros de curto prazo "antes cedo do que tarde".

Com o comentário, Williams junta-se a outros dirigentes do Fed que argumentam que a economia dos EUA já se fortaleceu o suficiente para lidar com custos de empréstimos mais altos.

Williams, que falou durante uma conferência no Alasca, descreveu uma economia saudável que cria novos empregos, com forte gastos dos consumidores e melhora na renda familiar. Ele também comentou que não há sinais de que a decisão do Reino Unido de deixar a União Europeia, durante plebiscito em junho, comprometerá o processo de recuperação econômica dos EUA.

A próxima reunião do Fed está marcada para 20 e 21 de setembro. 

O gráfico diário do Ibovespa continua o seu movimento altista, sendo que ontem passou por leve correção de preços.


Ibovespa intradiário ontem

Se hoje houver nova sessão corretiva, terá suporte imediato em 58.575, seguido por 57.605, movimento que seria saudável e provável para as próximas sessões.

Bons negócios!

Wagner Caetano
Cartezyan
TopTraders

Nenhum comentário:

Postar um comentário