segunda-feira, 11 de julho de 2016

Touros no comando


Bom dia investidor!

Bolsas na Ásia fecharam em alta generalizada.

China +0,23% e Japão +3,98%.

Velho mundo tem a compra dominante.

Londres +0,87%; Frankfurt +1,51%; Paris +1,23%.

O petróleo WTI recua 0,70%, a US$ 45,09 por barril, na Nymex, enquanto o Brent cai 0,71%, a US$ 46,43 por barril, na ICE.

Dow Jones futuro sobe 0,45%; S&P 500 avança 0,41%; Nasdaq ganha 0,56%.

O minério de ferro iniciou a semana com alta de 0,4% no mercado à vista chinês, indo a US$ 55,4 a tonelada seca, de acordo com dado do The Steel Índex. Esse valor segue a referência do insumo com teor de concentração de 62% negociado no Porto de Tianjin, na China. 

O cobre tem forte alta de 2,05%, na Comex.

Uma bateria de dados na China esta semana testa a disposição de Pequim para novos estímulos, após a inflação vir perto do esperado no sábado.

Nos EUA, a agenda também é importante, com Livro Bege e CPI.

No Brasil, Temer tenta emplacar um aliado no comando da Câmara para assegurar a estabilidade política.

O Relatório de Mercado Focus, divulgado há pouco pelo Banco Central, voltou a mostrar um pequeno alívio para o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano. Pelo documento, a projeção passou de -3,35% para -3,30% - um mês atrás estava em -3,60%. No mês passado, o BC informou no Relatório Trimestral de Inflação que a sua nova estimativa para o PIB deste ano é justamente de uma retração de 3,3% ante baixa de 3,5% vista na edição anterior do documento.

Para 2017, a mediana das previsões do mercado ficou novamente estacionada em +1,00% de um levantamento para o outro. Quatro semanas atrás, a pesquisa já apontava alta de 1,00%.

Já a estimativa para a produção industrial deste ano saiu de queda de 5,90% para recuo de 5,80%. Para 2017, no entanto, a previsão voltou a cair, passando de uma alta de 0,90% para uma elevação de 0,67%. Quatro semanas atrás estava em +0,80%.

Para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB em 2016, a mediana das previsões piorou mais uma vez, saindo de 43,90% para 44,00% de uma semana para outra. Um mês atrás, estava em 43,00%. No caso de 2017 no boletim Focus, as expectativas avançaram de 48,31% para 48,66% ante projeção apontada um mês atrás de 47,00%. 

O gráfico diário do Ibovespa mostra os compradores (touros) no comando.


O alvo para o curto prazo é 53.975.

Se romper esse ponto com firmeza, poderá buscar 54.975.

Acima de 52.920 temos um pivô de alta e as correções poderão ser vistas como oportunidades, enquanto sobre desse patamar.

Bons negócios!

Wagner Caetano
TopTraders e Cartezyan


Nenhum comentário:

Postar um comentário