quarta-feira, 13 de julho de 2016

Eleição na Câmara


Bom dia investisdor!

Bolsas asiáticas fecharam em alta generalizada.

China +0,37% e Japão +0,84%.

Europa opera com valorização.

Londres +0,09%; Frankfurt +0,14%; Paris +0,49%.

Os preços do petróleo operam em queda nesta quarta-feira em um movimento de realização de lucros - após subirem mais de 5% na sessão anterior - pressionado pelos dados do American Petroleum Institute (API, uma associação de refinarias) que mostraram aumento dos estoques nos EUA e um relatório da Agência Internacional de Energia (AIE) que alertou sobre o alto nível de estoques.

Às 9h25 (de Brasília), o petróleo tipo Brent para setembro caía 1,75% na IntercontinentalExchange (ICE), a US$ 47,62 por barril, enquanto o WTI para agosto recuava 1,37% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 46,16 por barril.

Ontem no final da tarde, o API divulgou que estima que os estoques de petróleo bruto nos EUA tiveram alta de 2,2 milhões de barris na semana passada. A pesquisa aponta também que os estoques de gasolina subiram 1,5 milhão de barris no período, enquanto os de destilados - que incluem diesel e óleo combustível para calefação - avançaram 2,6 milhões de barris.

Os futuros de cobre operam em alta significativa nesta manhã, após dados chineses favoráveis de importação do metal e em meio à desvalorização do dólar ante outras moedas.

Por volta das 9h25 (de Brasília), o cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) subia 1,5%, a US$ 4.939,50 por tonelada.

Na Comex, a divisão de metais da bolsa mercantil de Nova York (Nymex), o cobre para setembro avançava 1,42%, a US$ 2,2445 por libra-peso.

No primeiro semestre, as importações chinesas de cobre subiram 22% ante igual período do ano passado, a 2,74 milhões de toneladas, segundo números publicados nesta madrugada. Apenas em junho, as importações ficaram estáveis ante o mês anterior, a 430 mil toneladas.

A China é o maior consumidor mundial de cobre e de outros metais básicos.

O cobre também é favorecido nos negócios da manhã pela fraqueza do dólar em relação a outras divisas, como o euro, a libra e o iene. 

O minério de ferro caiu 0,2% no mercado à vista chinês, indo a US$ 58,7 a tonelada seca, de acordo com dados do The Steel Index. Esse valor segue a referência do insumo com teor de concentração de 62%, negociado no porto de Tianjin, na China. 

As atenções dos mercados domésticos estão voltadas hoje para a eleição do novo presidente da Câmara, marcada para 16 horas, cujo resultado será crucial para o governo Michel Temer, uma vez que determinará a facilidade que o presidente interino terá para aprovar medidas importantes de ajuste fiscal no Congresso.

Na reta final da disputa, que até ontem tinha 14 candidaturas oficializadas, a bancada do PMDB decidiu lançar o nome de Marcelo Castro (PMDB-PI) à sucessão de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), agravando o racha na base aliada. A decisão evidenciou o descontentamento de parte do partido com a gestão Temer e desagradou ao Planalto, que agora corre em busca de apoio.

No Reino Unido, Theresa May toma posse como primeira-ministra.

O Ibovespa tem clara inclinação de alta no curto prazo, porém ontem deixou um candle com sombra superior, o que sugere entrada de pressão vendedora.


O alvo do movimento continua sendo 54.975, entretanto poderemos passar por uma correção de curto prazo, com 53.975 como suporte imediato.

Caso a compra continue dominante nessa sessão, o rompimento da máxima de ontem em 54.745 seria um sinal de força e poderia até levar ao rompimento de 54.975 com relativa facilidade.

Bons negócios!

Wagner Caetano / TopTraders / Cartezyan


Nenhum comentário:

Postar um comentário