sexta-feira, 15 de julho de 2016

Atentado na França ofusca China


Bom dia investidor!

Bolsas asiáticas fecharam com valorização.

China +0,01% e Japão +0,68%.

Velho mundo tem sessão de leve correção, porém opera longe das mínimas.

Petróleo WTI avança 0,99%, a US$ 46,13 por barril, na Nymex, enquanto o Brent sobe 0,93%, a US$ 47,82 por barril, na ICE.

O minério de ferro caiu 0,3% na China, fechando cotado a 57,8/T; na semana a alta foi de 5,4%.

Dow Jones futuro sobe 0,15%; Nasdaq avança 0,11%; S&P 500 ganha 0,17%.

A recuperação no setor imobiliário da China perdeu força em junho, com um avanço menor nas vendas de moradias limitando a expansão dos investimentos.

No primeiro semestre, as vendas de moradias subiram 44,4% ante igual período do ano passado, a 4,18 trilhões de yuans (US$ 625 bilhões), segundo dados publicados pelo Escritório Nacional de Estatísticas do país. Nos primeiros cinco meses do ano, as vendas haviam avançado em ritmo mais pronunciado, de 53,4%.

Em termos de metragem, as vendas de moradias aumentaram 27,9% na comparação anual do semestre.

Apenas em junho, as vendas tiveram alta anual de 21,8% em valor, menor que o ganho de 32,9% verificado em maio, de acordo com cálculos do The Wall Street Journal.

Já os investimentos em projetos imobiliários na China subiram 6,1% no primeiro semestre, a 4,66 trilhões de yuans, após avançarem 7% entre janeiro e maio.

As construções iniciadas de propriedades residenciais e comerciais, por sua vez, cresceram 14,9% no primeiro semestre, a 755,4 milhões de metros quadrados, também perdendo força em relação ao acréscimo de 18,3% observado nos primeiros cinco meses do ano. Fonte: Dow Jones Newswires. 

Os preços do cobre operam em alta nesta sexta-feira impulsionados por dados melhores do que o esperado sobre a economia da China, que é o maior consumidor do metal do mundo.

Por volta das 10h (de Brasília), o cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) subia 0,7%, a US$ 4.974,00 por tonelada, depois de ter atingido o maior nível em dois dias de alta, a US$ 4.988,50. Na Comex, a divisão de metais da bolsa mercantil de Nova York (Nymex), o cobre para setembro avançava 0,82%, a US$ 2,2615 por libra-peso.

Os preços do cobre registraram alta de 11% no último mês, impulsionados pelo crescente otimismo de que novas medidas de estímulos na China poderiam vir, além de ter aumentado o apetite ao risco entre os investidores.

O crescimento chinês manteve-se estável em 6,7% no segundo trimestre, depois de uma série de medidas de estímulo no primeiro trimestre que ajudaram na estabilidade. A previsão era de crescimento de 6,6%. A potência asiática consome 45% dos estoques global de cobre, o que significa que a evolução da segunda maior economia do mundo têm um impacto descomunal sobre os preços do metal.

Além disso, as vendas no varejo subiram 10,6% em junho ante o mesmo período do ano anterior, acelerando do aumento de 10,0% em maio, e superando a expectativa do mercado, de aumento de 9,9% no mês passado. Já a produção industrial subiu 6,2% em junho na comparação com o mesmo período do ano passado, acelerando ante o crescimento de 6,0% em maio, de acordo com dados do Escritório Nacional de Estatísticas. 

Olhando para o futuro, os preços deverão continuar sua trajetória ascendente, dada a oferta e a demanda positiva.

Entre os outros metais na LME, o alumínio subiu 0,4%, a US$ 1.690 a tonelada, o zinco avançou 1,1%, a US$ 2.214 a tonelada, o níquel registrou acréscimo de 0,4%, a US$ 10.400 a tonelada, o chumbo tinha ganho de 0,9%, a US$ 1.913,50 a tonelada e o estanho, por outro lado, caiu 0,3%, a US$ 18.050 a tonelada. 

A polícia francesa identificou o autor do ataque em Nice, na França, que deixou 84 mortos e 18 feridos em estado crítico: trata-se de um franco-tunisiano de 31 anos, residente na cidade e que tinha passagens pela polícia por violência a mão armada, mas não por radicalização jihadista.

O atentado aconteceu por volta das 22h45 de quinta-feira, na Promenade des Anglais, no coração do balneário turístico de Nice, onde dezenas de milhares de franceses e estrangeiros acabavam de acompanhar os fogos de artifício dos festejos públicos da festa nacional de 14 de Julho, Dia da Bastilha. Entre as vítimas ainda em atendimento, estão crianças, a maior parte com traumatismo craniano e fraturas graves.

O gráfico diário do Ibovespa mostra o rompimento da máxima do ano em 54.975, com volume acima da média.


Isso mostra convicção e força, porém uma correção não está descartada para o curto prazo, uma vez que o mercado está sobrecomprado e com considerável distância da média móvel exponencial de 21 períodos.

A própria região rompida em 54.975 seria um suporte imediato em caso de baixa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário