segunda-feira, 20 de junho de 2016

Green Monday


Bom dia investidor!

Bolsas asiáticas fecharam em alta generalizada.

China +0,13% e Japão +2,34%.

O preço do minério de ferro teve redução de 0,2% no mercado à vista chinês, cotado a US$ 50,6 por tonelada seca, de acordo com dados do The Steel Index. Esse valor segue a referência do insumo com teor de concentração de 62% negociado no porto de Tianjin, na China. 

No velho continente temos um rali.

Londres +3,21%; Frankfurt +3,48%; Paris +3,70%.

O petróleo WTI avança 1,81%, a US$ 49,44 por barril, na Nymex, enquanto o Brent sobe 2,03%, a US$ 50,17 por barril, na ICE.

Os futuros do cobre operam em alta nesta segunda-feira em meio a um apetite por risco - diante da maior possibilidade de o Reino Unido continuar na União Europeia (UE) - e um dólar mais fraco, o que incentiva a demanda pelo metal.

Na London Metal Exchange (LME), o cobre para três meses subia 1,5%, a US$ 4.620 a tonelada, perto das 9h30 (de Brasília).

Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o cobre para julho tinha alta de 1,12%, a US$ 2,0740, às 9h29.

Os mercados de risco em geral sobem com força após a sondagem publicada no jornal inglês Mail on Sunday sugerir que 45% dos eleitores no Reino Unido apoiam a permanência do país na UE, enquanto 42% são contra.

As previsões das instituições privadas para a atividade doméstica trouxeram mais um pouco de melhora no Relatório de Mercado Focus, divulgado há pouco pelo Banco Central (BC).

Para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2016, a mediana mostra uma retração menos intensa, passando -3,60% para -3,44%.

Um mês atrás estava em -3,83%.

Para 2017, a mediana das previsões do mercado ficou estacionada em +1,00% de um levantamento para o outro.

Quatro semanas atrás, a pesquisa apontava alta de 0,50%.

Também melhorou na margem a estimativa para a produção industrial deste ano, que saiu de queda de 5,87% para recuo de 5,85% - um mês atrás, estava em -6,00%.

Para 2017, no entanto, a previsão ainda continua no terreno positivo (0,67%), mas em nível inferior ao visto no levantamento passado (0,80%).

Quatro semanas atrás estava em +0,90%.

O gráfico diário do Ibovespa mostra que o benchmark consolidou a região de 48.100 como suporte, respeitando também uma LTA de curto prazo.


Hoje deverá romper a resistência em 49.750 e a média móvel exponencial de 21 períodos.

Se fechar acima desses patamares, será um importante sinal.


Bons negócios!


Wagner Caetano

Diretor da TopTraders e do Cartezyan




Nenhum comentário:

Postar um comentário