sexta-feira, 24 de junho de 2016

Brexit!


Bom dia investidor!

Bolsas asiáticas fecharam em forte desvalorização.

China -1,30% e Japão -7,92%.

O preço do minério de ferro teve queda de 0,4% no mercado à vista chinês, cotado a US$ 51,4 por tonelada seca, de acordo com dados do The Steel Index. Esse valor segue a referência do insumo com teor de concentração de 62% negociado no porto de Tianjin, na China. 

Velho mundo sangra.

Amsterdan -24,52%; Atenas -20,15%; Madri -11,86%; Milão -11,10%; Paris -7,46%; Frankfurt -6,59%; Londres -3,70%.

Vale citar que essas bolsas estão longe das suas mínimas da sessão.

Analistas da agência de classificação de risco Moody's disseram nesta sexta-feira que eles não esperam que uma saída do Reino Unido da União Europeia (UE) tenha um impacto importante sobre o crédito para a maioria das empresas baseadas na UE.

As empresas que exportam para o Reino Unido poderiam sofrer se as restrições comerciais fossem aplicadas tanto pelo Reino Unido quanto pela UE, disseram analistas da Moody's.

Mas eles acrescentaram que as negociações podem levar a um novo acordo comercial que iria "reduzir significativamente" o potencial impacto.

Para a maioria das empresas na Europa, o mercado do Reino Unido torna-se uma parcela relativamente pequena do total das exportações, disseram os analistas.

A incerteza na sequência da votação - o que poderia durar pelos próximos dois anos - pode ter um impacto maior, eles sugeriram. Por exemplo, as empresas poderiam começar a realocar determinadas atividades do Reino Unido para a Irlanda ou para outros países da UE.

O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, anunciou que irá deixar o cargo de primeiro-ministro do Reino Unido, após o país ter votado pela saída da União Europeia em plebiscito histórico realizado ontem.

Cameron afirmou que poderá permanecer no posto pelos próximos três meses e deixar, deixando a cadeira em outubro, quando acontece a conferência anual de seu partido.

O Ibovespa mostra relativa resiliência, cedendo 2,41%, praticamente a mesma queda vista nas bolsas norte-americanas.

IBOVESPA agora, às 11h22

O gráfico diário reflete a busca por suporte um uma região que foi topo no mês de março por diversas vezes e ainda fundo que gerou repique no início de maio.

Se o benchmark tiver força para fechar acima das médias móveis e da LTB rompida ontem, será um sinal no mínimo interessante, especialmente após o dólar ter sido pressionado pelos vendedores após a abertura.

Vale observar que a mínima de ontem foi 50.160 e nesse momento o Ibov opera aos 50.363.

Bons negócios!

Wagner Caetano
Diretor da TopTraders e do Cartezyan

Nenhum comentário:

Postar um comentário