segunda-feira, 16 de maio de 2016

Política e commodities no radar


Bom dia, Investidor!

Bolsas asiáticas fecharam em alta generalizada.

China +0,84%; Japão +0,33%.

A produção industrial da China subiu 6,0% em abril ante o mesmo mês do ano passado, desacelerando na comparação com o crescimento de 6,8% observado em março, de acordo com dados divulgados pelo Escritório Nacional de Estatísticas.

O dado ficou abaixo da previsão média de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que esperavam alta de 6,6%.

A produção industrial chinesa avançou 0,47% em abril ante março, na comparação com o aumento mensal de 0,64% verificado no mês anterior.

Os investimentos em ativos fixos em áreas urbanas da China subiram 10,5% no ano, no período de janeiro a abril, em comparação com o aumento de 10,7% nos primeiros três meses do ano. A alta também ficou abaixo da prevista por analistas, de crescimento de 11,0%.

Já as vendas no varejo subiram 10,1% em abril ante o mesmo mês do ano passado, desacelerando de um crescimento de 10,5% em março. Os economistas esperavam uma alta de 10,6% em abril.

Em termos mensais, as vendas no varejo subiram 0,80% em abril ante março, quando avançaram 0,86% na comparação com o mês anterior. 

Europa não tem direção única nessa manhã.

Londres -0,36%; Frankfurt +0,92%; Paris -0,78%.

Dow Jones futuro sobe 0,05%; Nasdaq avança 0,22%; S&P 500 tem alta de 0,09%.

O minério de ferro iniciou a semana com alta de 0,60%, fechando cotado a US$ 53,80 a tonelada.

O petróleo Brent avança 2,57% na ICE, enquanto o WTI sobe 2,47% na Nymex.

Analistas do mercado financeiro pioraram suas projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro de 2016.

De acordo com o Relatório de Mercado Focus divulgado há pouco pelo Banco Central (BC), a perspectiva de retração da atividade deste ano passou de 3,86% para 3,88%.

Há um mês, a mediana das projeções estava negativa em 3,80%.

No Relatório Trimestral de Inflação divulgado em março, o BC revisou de -1,9% para -3,5% sua estimativa para a retração econômica deste ano.

Para 2017, a previsão de crescimento do PIB ficou estável, com um crescimento de 0,50% - um mês antes, a expectativa era de uma alta de 0,20%.

Já a mediana das expectativas para a produção industrial de 2016 foi revisada de -5,95% na última semana para -5,85% - um mês antes estava em -5,80%. Para 2017, ficou mantida a previsão de um crescimento de 0,74%. Há quatro semanas, estava em 0,69%.

No caso da relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB de 2016, a projeção dos analistas passou de 41,40% para 42,00% no documento divulgado há pouco - quatro edições antes estava em 41,40%. 

Para 2017, a taxa passou de 46,65% para 47,00% - um mês antes estava em 46,35%. 

O novo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, anunciará a sua equipe e os dirigentes dos bancos públicos e do Banco Central amanhã às 11 horas, segundo confirmou há pouco a assessoria da Fazenda.

Meirelles ainda não conseguiu fechar todos os cargos e preferiu adiar o anúncio.

Na sexta-feira, quando falou pela primeira vez como ministro de Temer com a imprensa sobre sua equipe, Meirelles afirmou que os nomes seriam conhecidos nesta segunda-feira.

Até agora, o único nome confirmado é o de Tarcísio Godoy para a secretaria executiva da pasta, mas Ilan Goldfajn deverá ser o presidente do Banco Central.

O anúncio ocorrerá no Ministério da Fazenda. 


O gráfico diário do Ibovespa mostra pressão vendedora de curto prazo, capaz de projetar um teste na forte região de suporte entre 50.895 e 51.370.

Bons negócios e até amanhã!

Wagner Caetano
Diretor da TopTraders e do Cartezyan

Nenhum comentário:

Postar um comentário