segunda-feira, 4 de abril de 2016

Política no radar


Bom dia investidor!

Mercado asiático fechou sem direção única.

Bolsa chinesa não operou.

Japão -0,25% e Hong Kong -1,34%.

Praças menores, como a Coréia, tiveram leve alta.

No velho mundo a compra predomina.

Londres +0,58%; Frankfurt +0,97%; Paris +0,74%.

Futuros norte-americanos operam em leve alta, desde a madrugada.

Os futuros de petróleo operam com volatilidade nesta manhã, em meio a sinais de ceticismo de que um acordo para limitar a produção da commodity seja ratificado este mês em Doha.

Grandes produtores, incluindo membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e nações de fora do grupo, irão se reunir na capital do Catar, no próximo dia 17, para discutir um possível congelamento da produção.

Às 9h02 (de Brasília), o viés nos mercados de petróleo era moderadamente positivo.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o WTI para maio subia 0,41%, a US$ 36,94 por barril, após tocar a mínima intraday de US$ 36,18, enquanto o Brent para junho avançava 0,26% na IntercontinentalExchange (ICE), a US$ 38,77 por barril, depois de chegar a ser negociado mais cedo a US$ 38,12.

Os contratos futuros de cobre operam em baixa na manhã desta segunda-feira, diante da fraqueza do petróleo, do dólar mais firme e das persistentes preocupações com a China, que pesam sobre o metal.

O país asiático é o maior consumidor mundial de cobre, por isso os sinais da economia chinesa influem bastante nesse mercado.

A defesa da presidente Dilma Rousseff na Comissão Especial de Impeachment da Câmara é o destaque da agenda desta segunda-feira.

Os desdobramentos da crise política devem colocar os investidores em compasso de espera.

A Lava Jato é sempre o imponderável e Lula espera que o STF autorize sua posse na Casa Civil, na 5ªF.



O gráfico diário do Ibovespa mostra uma cunha ascendente com a linha inferior rompida, seguida por um forte pull back na sexta-feira.

A região de mínima dos dois últimos pregões é muito forte, pois concentra o topo de outubro de 2015 e sete (7) topos intraday na primeira quinzena de março.

O mercado tem memória e a compra entra forte na região.

A perda, em fechamento, de 49.750, seria um sinal de baixa para o curto prazo, com o primeiro alvo em 49.360 (mínima da semana passada), mas potencial para atingir 49.050 ou mesmo 48.840-48.745.

Bons negócios!

Wagner Caetano


Diretor da TopTraders e do Cartezyan


Nenhum comentário:

Postar um comentário