segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Tudo verde no exterior


Bom dia investidor!

Maioria das bolsas asiáticas fecharam em alta. Japão +0,99% e China +0,34%.

O Produto Interno Bruto (PIB) da China vai crescer em ritmo mais fraco em 2016, de 6,5%, segundo previsão do Centro de Informação Estatal, um instituto de pesquisa da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (NDRC, pela sigla em inglês). A previsão foi publicada em artigo do jornal China Securities Journal.

A mesma entidade prevê que o índice de preços ao consumidor (na sigla em inglês CPI) chinês subirá 1,5% no próximo ano, enquanto o índice de preços ao produtor (PPI) deverá ter queda de 3,5%.

Para o instituto, a economia da China está se recuperando e tem potencial, e uma taxa de crescimento em ritmo médio a alto é possível se Pequim acelerar suas reformas.

No terceiro trimestre, o PIB chinês teve expansão anual de 6,9%, a menor desde a crise financeira mundial. 

Na Europa, as bolsas têm um dia de recuperação. Londres +0,55%; Frankfurt +1,85%; Paris +1,83%.

A semana começa com ânimo renovado no mercado financeiro da Europa. Após certo desencanto com o alcance das medidas anunciadas na semana passada pelo Banco Central Europeu (BCE), discurso do presidente da instituição, Mario Draghi, com a afirmação de que "não existe limite" para a atuação da instituição parece injetar um pouco mais de força no mercado nesta manhã. 

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, afirmou  que a única maneira de fazer a inflação convergir para a meta é acertar os desequilíbrios fiscais do governo, mas não se arriscou a dizer quando isso irá ocorrer.
Em entrevista à GloboNews, Levy afirmou que viu no comportamento da inflação uma tendência de convergência para a meta até agosto. "Mas aí vieram as incertezas sobre o orçamento, o dólar começou a andar e a previsão de inflação começou a derrapar outra vez", disse.
Questionado sobre o aumento do desemprego, o ministro disse acreditar que a tendência é o desemprego começar a cair depois de "um tempo", quando as medidas de crescimento surtirem efeito. "Se a gente não fizer nada, ficar só lendo jornal e achar que vai ficar pior, o desemprego vai crescer sim. Todo mundo tem de agir", disse.
O ministro reconheceu ainda que o ano de 2015 foi "atípico", com uma série de questões políticas e razões não econômicas que postergaram as medidas de ajuste da economia. "Temos como superar essas situações atípicas, se governo for claro nas suas políticas", ressaltou.
Levy reafirmou ainda a necessidade de criar um novo plano para a infraestrutura e de reformas que "vão permitir ao Brasil voltar a crescer". "A melhor maneira de prever o futuro é construir esse futuro", disse. 

Os esforços do Planalto contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff e também os da oposição a favor da saída dela ocupam o radar dos mercados domésticos hoje. 

Mas o foco está no PMDB, que, dividido, é considerado chave para o desfecho do processo. Ontem, a presidente se encontrou com ministros do núcleo duro do governo e tenta garantir maioria na comissão especial da Câmara que analisará o pedido de impedimento.

Hoje, Dilma reúne-se com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, pela manhã, e comanda a reunião de coordenação política à tarde, ambos os compromissos antes do término do prazo para que os partidos em geral indiquem os nomes dos 65 integrantes que farão parte do colegiado. 

De um lado do PMDB, o líder do partido na Câmara, Leonardo Picciani (RJ), deve indicar deputados com perfis "moderados" e não ligados ao presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), responsável por abrir o processo de impeachment.

Já a ala mais próxima do vice-presidente Michel Temer realimentou a desconfiança de que o grupo poderá eximir-se de apoiá-la após a decisão de Eliseu Padilha, um dos principais aliados de Temer, decidir entregar o cargo de ministro da Secretaria de Aviação.

Além disso, o vice-presidente conseguiu unir em torno de si os tucanos Aécio Neves (MG), José Serra (SP) e Geraldo Alckmin (SP) com uma estratégia comum que tem como objetivo a disputa pela Presidência. 


O gráfico diário do Ibovespa mostra que o ponto a ser vencido é a LTA que sustentava o triângulo simétrico.

Existem resistências intermediárias em 45.400, na média móvel exponencial de 5 períodos e nos 45.850.

Bons negócios!

Wagner Caetano
Cartezyan

Nenhum comentário:

Postar um comentário